Você está aqui Mundo Educação Biologia Seres Vivos Reino Fungi Classificação dos fungos

Classificação dos fungos

Podemos realizar a classificação dos fungos em sete filos: Chytridiomycota, Neocallimastigomycota, Blastocladiomycota, Microsporídia, Glomeromycota, Ascomycota e Basidiomycota.

Classificação dos fungos
Os fungos do filo Basidiomycota são conhecidos como cogumelos

Os fungos são organismos agrupados, segundo a classificação de Whittaker, no Reino Fungi. Esses organismos podem ser encontrados em diferentes ambientes e são importantes ecologicamente, pois realizam o papel de decompositores, e também economicamente, pois são usados desde a medicina até em nossa alimentação. Além disso, alguns fungos destacam-se porque causam doenças.

Principais características dos fungos

Os fungos são organismos unicelulares ou multicelulares que apresentam células eucariontes, ou seja, com núcleo delimitado por membrana. Esses organismos são heterotróficos, não apresentando plastos ou qualquer pigmento fotossintetizante. A hifa é a unidade estrutural dos fungos e seu conjunto é denominado de micélio, que, por sua vez, é responsável pelo desenvolvimento do fungo e pela absorção de nutrientes.

Classificação dos fungos

Os fungos podem ser classificados em diferentes filos. Aqui consideraremos sete filos, os quais estão descritos a seguir:

Chytridiomycota: Nesse grupo a grande maioria de seus representantes é de água doce, com poucas espécies marinhas e terrestres. Como característica mais marcante, observa-se a presença de uma estrutura de propagação no ambiente aquático flagelada (zoósporo flagelado).

Neocallimastigomycota: Esses fungos anaeróbios são encontrados, em sua maioria, vivendo no sistema digestório de mamíferos herbívoros. Produzem zoósporos não flagelados.

Blastocladiomycota: São fungos encontrados no ambiente aquático, solo e parasitando insetos. Possuem reprodução sexuada por meio da fusão de gametas e reprodução assexuada com zoósporo com apenas um flagelo.

Microsporídia: Fungos que não possuem mitocôndria e flagelos e que são parasitas obrigatórios de animais.

Glomeromycota: Esses fungos vivem em associação mutualística com as raízes de algumas plantas. Nessa associação, a planta fornece nutrientes para o fungo provenientes da fotossíntese, e o fungo absorve água, nutrientes e minerais do solo e transfere-os para a planta. Esse filo de fungos é recente e foi proposto em 2001.

Ascomycota: É o maior grupo de fungos existente. Estima-se que cerca de 75% dos fungos descritos pertençam a esse grupo, estando registradas mais de 32.000 espécies. Eles são encontrados na natureza como parasitas, saprófitos e formando líquens. Nesse grupo, observa-se a estrutura de propagação conhecida como asco, a qual possui ascósporos (esporos sexuados).

O filo Ascomycota corresponde ao maior filo dos fungos
O filo Ascomycota corresponde ao maior filo dos fungos

Basidiomycota: Esse grupo é tradicionalmente conhecido como cogumelos orelhas-de-pau e são considerados como os mais evoluídos do reino em virtude de sua complexidade. São fungos terrestres, em sua maioria. Formam, por reprodução sexuada, uma estrutura conhecida como basídio, o qual contém basidiósporos (esporos sexuados). Os fungos desse grupo são macroscópicos e diferenciam-se pela forma, coloração e tamanho.

Tags Relacionadas

Assuntos Relacionados

Comentários