Você está aqui Mundo Educação Biologia Gravidez Síndrome de Hellp

Síndrome de Hellp

Síndrome de Hellp
A pressão da mulher antes da gravidez não influencia na pré-eclâmpsia

A Síndrome de Hellp é uma complicação obstétrica grave, pouco conhecida e de difícil diagnóstico, que pode causar a morte da mãe e também do bebê. É chamada de síndrome porque envolve um conjunto de sinais e sintomas, e hellp, em razão da abreviação dos termos em inglês que querem dizer: H: hemólise (fragmentação das células do sangue); EL: elevação das enzimas hepáticas, e LP: baixa contagem de plaquetas. É importante lembrar que as plaquetas são células que auxiliam na coagulação sanguínea, e por isso um dos sintomas dessa síndrome é a hemorragia.

Embora ocorra isoladamente, a Síndrome de Hellp geralmente aparece como sendo uma complicação da pré-eclâmpsia, que é a hipertensão gerada pela gravidez. Especialistas calculam que cerca de 8% das mulheres que sofrem de pré-eclâmpsia, desenvolvem a Síndrome de Hellp. Quando uma gestante com pré-eclâmpsia apresenta alterações laboratoriais e exames clínicos compatíveis com hemólise, alteração das enzimas hepáticas e queda na contagem das plaquetas, ela está com Síndrome de Hellp.

Os sinais e sintomas da Síndrome de Hellp podem ser facilmente confundidos com os da pré-eclâmpsia grave, que são dor na parte alta ou central do abdome, cefaleia, náuseas, vômitos e mal estar generalizado. Quanto não é feita uma correta avaliação laboratorial, esses sintomas podem passar despercebidos, sendo feito o diagnóstico apenas quando a Síndrome de Hellp se agrava, provocando edema agudo dos pulmões, insuficiência renal, falência cardíaca, hemorragias e ruptura do fígado, podendo ocasionar a morte materna.

Mulheres que sofrem de doenças crônicas do coração e rim, e pacientes com lúpus e diabetes têm mais predisposição para desenvolver a síndrome. Infelizmente não existem meios de evitá-la, sendo que somente as mulheres que já desenvolveram essa síndrome, ao engravidarem novamente, poderão se prevenir para diminuir o risco.

O único tratamento capaz de frear os efeitos da Síndrome de Hellp é o término da gestação, que pode ser feito através de uma cesariana ou indução do parto. Caso a gestante apresente um quadro estável, o médico pode optar por ministrar medicamentos para induzir o amadurecimento pulmonar fetal, reduzindo as complicações neonatais e o tempo de internação na Unidade de Terapia Intensiva.

Como já dissemos, não há prevenção para essa doença, mas o diagnóstico precoce aumentam as chances de que mãe e bebê sobrevivam.

Assuntos Relacionados



Deixe seu comentário para

Síndrome de Hellp








23 comentários

Faça seu Login

  • terça-feira | 19/01/2016 | jocieli martins
    Usuário

    tive 2 vezes sindrome de hellp,e tive todas as complicaçôes da doença e gostaria de saber se eu posso ter outra vez a doença?

  • quinta-feira | 21/01/2016 | Vanessa Sardinha dos S...
    0 0

    Olá Jocieli. Estudos afirmam que existe um risco aumentado de desenvolvimento da síndrome em uma nova gestação em mulheres que já tiveram o problema.

  • segunda-feira | 03/08/2015 | VALQUIRIA PESTANA
    Usuário

    EU TIVE SINDROME DE HELLP NA MINHA GESTAÇÃO E QUERIA ENTENDER MAIS SOBRE O ASSUNTO E AGORA TIVE AS INFORMAÇÕES CORRETAS SOBRE O ASSUNTO POIS A DÚVIDA MAIOR É SABER SE PODERIA ENGRAVIDAR NOVAMENTE SEM CORRER O RISCO MAS A NOTICIA NÃO FOI O QUE ESPERAVA POIS SOFRI MUITO.

  • sábado | 18/07/2015 | Gislânia...
    Usuário

    Tambem tive esta doença com 28 semanas de gestação sou hipertença senti dores no abdome e muita inchada tive pieolonefrite, plaquetopenia minha pressão chegou a 20x13, fiquei internada na uti por 5 dias comecei a sangra foi feito a cesaria e depois tive trombose uterina, insuficiencia cardiaca infelismente meu bebe não sobreviveu foi minha primeira gravidez tenho 32 anos agora estou com medo de tentar novamente isso foi em dezebro de 2014