Você está aqui Mundo Educação China Revolução Cultural Chinesa

Revolução Cultural Chinesa

Revolução Cultural Chinesa
Cartaz fazendo propaganda política da Revolução Cultural feita por Mao Tsé-tung.
A dominação de Mao Tsé-tung sob o governo chinês promoveu um amplo conjunto de reformas naquele país. Contando com uma população tão ampla, o projeto da Revolução Cultural ou Grande Revolução Cultural Proletária foi um projeto hegemônico que mobilizou as massas chinesas. Sob o apelo de seu líder político, esse episódio marcou a perseguição dos dissidentes ao novo regime instalado desde 1959.

Depois de ocupar a posição de líder Máximo da Revolução em 1959, Mao sofreu uma derrota política responsabilizada pelo fracasso de seu plano de ação política chamado de Grande Salto Para Frente. O projeto desenvolvimentista de Mao Tsé-tung, que combinava incentivo à economia agrária e à criação de uma indústria pesada, fracassou tendo como conseqüência o empobrecimento de boa parte da população. Em resposta, Liu Shaoqi e Deng Xiaoping, antigos líderes comunistas, o retiraram do comando político.

Fazendo da Revolução Cultural um contragolpe político, Mao convocou a formação das chamadas Guardas Vermelhas. Essas seriam milícias formadas por jovens doutrinados pelo chamado Livro Vermelho. Tal obra, de autoria de Mao, continha as principais diretrizes de ação política daqueles considerados fiéis à revolução. Além de oferecer orientação política, o Livro Vermelho defendia a perseguição de todos os indivíduos contrários aos ideais da revolução.

Em conseqüência da massiva adesão, vários dissidentes e intelectuais foram perseguidos pelo regime maoísta. As artes e a produção de conhecimento perderam sua autonomia em função dos interesses políticos de Mao Tsé-tung. As obras deveriam retratar uma visão positiva do processo revolucionário, retratando a “triunfante realidade” vivida no país. Além disso, o culto à imagem de Mao era amplamente incentivado. Vários cartazes e pinturas representavam Mao Tsé-tung como um líder supremo responsável pelas recentes glórias do povo chinês.

A força de polícia dada às Guardas Vermelhas acabou trazendo sérias contendas no interior do cenário político chinês. Gradativamente, setores contrários à hegemonia maoísta voltavam ao poder. Com a morte de Mao, em 1976, o sistema repressor da Revolução perdeu seu grande sustentáculo político. Logo em seguida, Deng Xiaoping – que anteriormente foi alvo das Guardas Vermelhas – assumiu o país. Com sua chegada, foram tomadas as primeiras reformas econômicas que, posteriormente, promoveriam a abertura da economia chinesa.

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Assuntos Relacionados