Você está aqui Mundo Educação Doenças Alimentação durante a quimioterapia

Alimentação durante a quimioterapia

Uma boa alimentação durante a quimioterapia é essencial para melhorar os efeitos colaterais e ajudar no funcionamento do sistema imunológico.

Alimentação durante a quimioterapia
Uma alimentação saudável melhora o sistema imunológico e diminui os efeitos colaterais da quimioterapia

Ao iniciarem uma quimioterapia, muitos pacientes sentem-se indispostos, com falta de apetite e até mesmo enjoados. Apesar dos sintomas desagradáveis, algumas medidas podem ser tomadas a fim de melhorar as refeições do paciente e diminuir os efeitos colaterais. A seguir listaremos algumas dicas de alimentação durante a quimioterapia.

A principal dica é fazer refeições pequenas e diminuir o período entre elas, uma vez que a quantidade de nutrientes oferecida em cada refeição é menor. Recomenda-se que o paciente alimente-se de três em três horas pelo menos. Uma refeição maior é permitida quando houver fome. É importante também não beber líquidos junto às refeições para não ficar com a sensação de saciedade.

O paciente deve incluir também em seus pratos aquilo que mais gosta. Se não está com vontade de comer arroz e feijão no jantar, ele deve optar por aquilo que lhe deixa com água na boca. É necessário também investir em pratos coloridos e variados para tentar abranger a maior quantidade de nutrientes possível, uma vez que a falta de apetite pode fazer com que a ingestão dos nutrientes necessários para o funcionamento do organismo não seja satisfatória.

Uma alimentação saudável ajuda a manter o sistema imunológico do paciente em perfeito funcionamento, além de melhorar os sintomas da quimioterapia e a qualidade de vida. Proteínas e carboidratos são importantes, sendo assim, é necessário investir nesse tipo de prato.

Como os enjoos são comuns durante o tratamento com quimioterapia, é bom evitar alimentos gordurosos e frituras. Picolés e sucos são uma boa pedida nesse momento. É importante também, como já dito, comer em menores intervalos de tempo, pois quanto mais tempo ficar sem comer, maior será o enjoo.

Algumas vezes, podem surgir dores na boca e garganta, além de aftas. Por essa razão, é importante evitar alimentos muito ácidos, com muito tempero e muito salgados, bem como alimentos muito quentes e duros. Manter a boca sempre limpa também diminui o efeito das feridas nessa região.

Caso o tratamento gere dificuldade para mastigar ou engolir, a consistência do alimento deverá ser mudada. O paciente deve optar por alimentos de consistência mais pastosa, tais como mingaus e caldos. Em caso de muita dificuldade para alimentar-se, é necessário procurar o médico para que ele forneça a melhor dieta.

Outro efeito colateral da quimioterapia é a sensação de boca seca. Para melhorar esse sintoma, comidas mais líquidas, tais como caldos, podem ajudar, além de picolés e balas.

A diarreia também é um sintoma comum, e o problema principal está relacionado com o risco de ocorrência de uma desidratação em razão da perda de líquidos. Para evitar esse problema, beber muita água e comer frutos que ajudam a controlar a diarreia, tais como banana e goiaba sem casca, são procedimentos fundamentais. Quando esse sintoma aparecer, evite leite e derivados, alimentos com muito tempero e alimentos gordurosos. Em caso de diarreia persistente, recorra a um soro caseiro.

Em contrapartida, em vez de diarreia, há pacientes que apresentam constipação intestinal. Nesses casos, é bom comer alimentos ricos em fibra e evitar aqueles alimentos conhecidos por sua ação de “prenderem o intestino”. O consumo de bastante líquido também é importante.

Encarar a quimioterapia como um processo que trará a cura de uma doença e ver o procedimento com outros olhos podem ajudar em muito no tratamento. Pensamentos positivos também fazem com que o tratamento seja menos traumático e apresente menos efeitos colaterais.

Assuntos Relacionados