Você está aqui Mundo Educação Física Ondulatória Cinco coisas que você precisa saber sobre Ondas

Cinco coisas que você precisa saber sobre Ondas

Existem cinco coisas que você precisa saber sobre as ondas para compreender melhor as tecnologias e os fenômenos presentes em nosso cotidiano.

Cinco coisas que você precisa saber sobre Ondas
Existem alguns conceitos sobre ondas que você precisa saber!

A Ondulatória é o ramo da Física que estuda as ondas e os fenômenos a elas associados. Como exemplo de fenômenos ondulatórios, podemos citar a ressonância, interferência, difração, polarização etc. Muitas tecnologias e fenômenos naturais cotidianos ocorrem com base em conceitos estudados pela Ondulatória, de modo que conhecer esse conteúdo é crucial para a correta compreensão da forma de funcionamento de alguns equipamentos e o entendimento completo de fenômenos. Veja agora cinco coisas que você precisa saber sobre as Ondas:

I. O som não pode ser polarizado

O fenômeno da polarização consiste em impedir a passagem de ondas transversais que possuam determinada direção de propagação por meio de um filtro denominado de polarizador. Observe na imagem a seguir que o polarizador só permite a passagem de ondas na vertical, retendo as ondas com vibração horizontal.

A polarização só ocorre com ondas transversais, isto é, que possuem direção de propagação perpendicular à vibração. O som é uma onda longitudinal e possui vibração paralela à propagação, logo, não pode ser polarizado.

II. Existe uma distância mínima necessária para que ocorra eco

Ocorre eco quando a onda sonora emitida por uma fonte é refletida por um obstáculo e retorna à fonte, de modo que há distinção entre o som emitido e refletido. O ouvido humano só consegue distinguir dois sons caso eles cheguem ao aparelho auditivo em um intervalo mínimo de 0,1 s. Esse tempo é chamado de persistência sonora. Sabendo que a velocidade do som no ar, considerando-se as condições normais de temperatura e pressão, é de 340 m/s, podemos determinar a mínima distância entre a fonte e o obstáculo que refletirá o som.

Sabendo que a velocidade é definida como a razão entre a distância percorrida por um móvel (ΔS) e o tempo gasto (Δt), podemos escrever:

v = ΔS ÷ Δt

Tendo em vista que o som deverá sair da fonte, chocar-se com o obstáculo e retornar à fonte, devemos dobrar o espaço:

v = 2. ΔS ÷ Δt

v . Δt = 2. ΔS

340 . 0,1 = 2. ΔS

34 = 2. ΔS

ΔS = 17 m

Concluímos que, para a ocorrência do eco, o obstáculo que refletirá o som deve estar a, no mínimo, 17 m da fonte emissora.

Se o obstáculo estiver a uma distância menor que 17 m, o som emitido e o refletido chegarão ao aparelho auditivo em um tempo inferior a 0,1 s, assim, não haverá distinção entre eles, e o efeito causado, nesse caso, será o da reverberação.

III. A frequência não se altera na refração

Ocorre refração quando uma onda muda de meio de propagação. Na ocorrência desse fenômeno, sempre haverá aumento ou diminuição da velocidade da onda. O produto da frequência (f) pelo comprimento de onda (λ) determina a velocidade de uma onda. Como na refração haverá alteração de velocidade, o produto f.λ também será alterado. É importante ressaltar que, como a frequência é uma característica mantida pela fonte geradora das ondas, ela não é alterada. Assim sendo, podemos afirmar que, na refração, somente o comprimento de onda (λ) é modificado.

IV. O som é mais rápido nos sólidos

O som é uma onda do tipo mecânica, isto é, precisa de um meio de propagação. Sendo assim, quanto maior for a proximidade entre as moléculas que compõem o meio, maior será a facilidade de propagação do som e maior será a sua velocidade. Podemos concluir, portanto, que a velocidade do som nos sólidos é maior que nos líquidos e gases. Adotando V como a velocidade do som, podemos escrever: VSÓLIDOS > VLÍQUIDOS > VGASES.

V. O azul é a cor mais quente!

A energia associada à radiação eletromagnética está relacionada com a sua frequência de oscilação. As radiações com maior frequência possuem maior energia associada. Por meio do espectro eletromagnético, podemos perceber que as cores azul, anil e violeta da luz visível apresentam frequências superiores às das cores vermelho e laranja, portanto, as radiações em tons azulados emitem mais energia.

A ideia de que azul representa o frio e de que vermelho representa o quente está estabelecida cotidianamente porque a noção de cores quentes e frias nos diz que as cores relacionadas com o fogo são as quentes. Essa ideia, válida do ponto de vista artístico, deve ser desconsiderada em uma análise científica.

Tags Relacionadas

Assuntos Relacionados