Você está aqui Mundo Educação Geografia Continentes África África do Sul e a Aids

África do Sul e a Aids

África do Sul e a Aids
Mulher portadora do vírus HIV em fase terminal, África do Sul.

Após uma série de problemas de ordem racial na África do Sul, proveniente do apartheid, existe hoje uma real ameaça ao seu crescente desenvolvimento econômico, social e produtivo. O que pode comprometer tal desenvolvimento é o alto índice de pessoas com AIDS (doença causada pelo vírus HIV que afeta as defesas do corpo), que muitos já encaram como uma epidemia.

De acordo com a UNAIDS, somente no ano de 1999 pelo menos 3,8 milhões de pessoas contraíram a doença. O país africano que mais sofre com a AIDS é a África do Sul, onde provavelmente cerca de quatro milhões de pessoas estão contaminadas.

Segundo um relatório da ONU (Organização das Nações Unidas), pelo menos 40% dos jovens com menos de quinze anos nativos da África do Sul não atingirá a idade de 60 anos, devido ao surto da doença, diariamente são diagnosticados cerca de 1.400 novos infectados.

Na Cidade do Cabo, no ano de 2006, a doença matou todos os dias 960 pessoas, em pesquisas realizadas pela Sociedade Sul-Africana de Estatística e pelo Conselho Médico de Pesquisa, realizada a cada dois anos, foi constatado que, dos 48 milhões de habitantes, 5,4 milhões foram contaminados no segundo semestre do ano de 2006.

Os altos índices de infectados ocasionou a diminuição na esperança de vida da população, que era de 63 para 51 anos, as previsões não são otimistas em relação à diminuição de casos, pois conforme o relatório apresentado a grande ocorrência da AIDS não tende a decrescer e deverá prolongar até a próxima década. Outra constatação divulgada no relatório do Conselho Médico de Pesquisa é que apenas 230 mil pessoas contaminadas têm acesso ao tratamento da doença, o restante não recebe nenhum tipo de procedimento médico.

Esse processo poderá causar a diminuição drástica no número de habitantes do país, isso compromete a quantidade da mão-de-obra disponível, diminui a população economicamente ativa, sem contar os altos gastos com o tratamento da doença que possui um elevado preço.

Assuntos Relacionados