Você está aqui Mundo Educação Geografia Geografia humana População Orientação Sexual e Identidade de Gênero

Orientação Sexual e Identidade de Gênero

Saiba o que é orientação sexual e como se constitui a identidade de gênero.

Orientação Sexual e Identidade de Gênero
Mais de 30 identidades de gênero já foram reconhecidas

A sexualidade e as diferentes formas de vivência das relações afetivas são aspectos da vida humana que despertam a curiosidade e geram polêmica em alguns grupos sociais. Para entender como o ser humano relaciona-se, é preciso conhecer os conceitos de orientação sexual e gênero, primeiramente.

A orientação sexual é a atração ou ligação afetiva que se sente por outra pessoa. Indivíduos que gostam de outros do sexo oposto (homem que se interessa por mulher ou mulher que se interessa por homem) são chamados de heterossexuais (ou heteroafetivos).

Quando o interesse é por uma pessoa do mesmo sexo, a pessoa é denominada como homossexual (ou homoafetiva). No caso dos homens, são popularmente chamados de gays, enquanto as mulheres são conhecidas como lésbicas.

Existem as pessoas que sentem atração por homens e mulheres. Trata-se dos bissexuais (ou biafetivos). Há também os assexuais, indivíduos que não se interessam sexualmente ou de forma afetiva por nenhum gênero.

A orientação sexual (hétero, homo ou bi) não possui explicação científica e também não é uma escolha, por isso o termo “opção sexual” não é correto. A pessoa descobre-se ao longo de seu desenvolvimento e, a partir daí, tem noção de sua atração por um ou mais gêneros.

Outro termo que não deve ser utilizado é “homossexualismo” ou “bissexualismo”, já que o sufixo - ismo refere-se a doenças. A mudança na nomenclatura para o sufixo - dade, que significa vivência ou prática, foi estabelecida em 1993, após a Classificação Internacional de Doenças (CID) deixar de considerar as práticas homoafetivas como doenças.

O reconhecimento da homoafetividade como prática normal ligada à orientação sexual do ser humano sofre constantemente com o preconceito. Em 1999, gays, lésbicas e bissexuais ganharam uma importante luta: a proibição da realização de terapias curativas feitas por psicólogos, decisão tomada pelo Conselho Federal de Psicologia.

Gênero

Outro fator fundamental para entendermos as relações humanas e a forma como o ser humano define-se como “persona” é o gênero.

O gênero é o sexo (do ponto de vista físico) com o qual a pessoa nasce, ou seja, masculino e feminino. Há as exceções, como os hermafroditas (intersexo ou terceiro sexo), pessoas que possuem as duas genitálias ou sistemas reprodutores mistos.

No entanto, a forma como uma pessoa sente-se em relação ao próprio corpo e como ela define-se vão além do seu “sexo” de nascimento.

Identidade de Gênero

Apesar dos padrões heteronormativos da sociedade, existem as pessoas que não se identificam com o seu gênero. Os transgêneros são pessoas que nascem com um determinado “sexo”, mas se enxergam com o gênero oposto. Eles dividem-se em transexuais e travestis.

As travestis nascem com o corpo masculino, mas se identificam com a figura feminina. Com isso, elas optam por fazer modificações que vão desde o vestuário até o uso de hormônios, por exemplo. Apesar da identificação com o gênero oposto, as travestis reconhecem seu sexo de nascimento e costumam permanecer com a sua genitália masculina.

As (os) transexuais, por sua vez, não conseguem conviver de forma saudável com o seu gênero, já que, do ponto de vista psicológico, essas pessoas sentem-se como se tivessem nascido em um corpo errado. As (os) trans fazem tratamentos hormonais para alcançar a aparência desejada, modificar a voz e, com a autorização psiquiátrica, realizam a mudança de sexo e outras intervenções cirúrgicas.

Vale lembrar que transgêneros costumam procurar atendimento especializado para que as mudanças possam ser feitas em seu corpo. Os acompanhamentos psiquiátrico e psicológico são fundamentais para que a pessoa tenha certeza de sua necessidade em encontrar o seu novo gênero.

Uma confusão muito comum é entre os conceitos de travesti e drag queen. As travestis são pessoas que levam a figura feminina para o seu dia a dia por identificação pessoal. Já as drag queens são artistas (homens ou mulheres) que se “montam” (cabelo, maquiagem, roupas e acessórios) com a intenção de divertir e expressar sua arte. Ser drag não está relacionado à orientação sexual, já que héteros também podem incorporar tais personagens.

Nomenclatura

Bandeira LGBT representa lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros
Bandeira LGBT representa lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros

Desde 2008, o Brasil adota como nomenclatura oficial o termo LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros). O T da sigla representa as travestis e transexuais. Antigamente, era comum o uso da sigla GLS (Gays, Lésbicas e Simpatizantes), mas as demais orientações eram excluídas e optou-se por uma reformulação dessa nomenclatura.

Outros países utilizam siglas diferentes, agregando o I ao LGBT para representar os intersexuais. Há, ainda, grupos representativos que acrescentam o Q para referir-se também aos chamados "queers", pessoas que não se limitam a nenhuma nomenclatura (binária ou não) e estão abertas a relacionarem-se com diferentes gêneros. Os queers vão além da sexualidade e da aparência física, eles discutem os papéis sociais de homens e mulheres e representam o desvio do que é condicionado pela sociedade conservadora.

Com a vasta quantidade de nomenclaturas, muitas dúvidas surgem sobre como se referir à pessoa, se deve-se usar ele, ela, o ou a. Por exemplo, o correto é falar “a” travesti, já que a figura social é feminina, a pessoa identifica-se como mulher. Já em relação ao transexual, o tratamento vai depender se o indivíduo identifica-se como homem ou mulher.

Novas nomenclaturas podem surgir nos próximos anos, o que mudará o que conhecemos atualmente. Independentemente de orientação sexual ou identidade de gênero, deve prevalecer o respeito ao indivíduo pela maneira como ele ou ela se identifica.

Tags Relacionadas

Assuntos Relacionados