Infinitivo

O infinitivo, assim como o particípio e o gerúndio, é uma forma nominal do verbo. Pode ser classificado como infinitivo pessoal e infinitivo impessoal.

Infinitivo
O infinitivo é uma das formas nominais do verbo. Pode ser classificado como infinitivo pessoal e infinitivo impessoal

Você já deve saber que os verbos são palavras que exprimem ação, estado, mudança de estado e fenômenos meteorológicos, sempre em relação a determinado tempo, não é mesmo? Mas você sabia que, em determinadas situações, os verbos podem desempenhar também a função de um nome, sem exprimir nem o tempo nem o modo verbal?

Pois é, quando o verbo apresenta-se dessa maneira, dizemos que essas são suas formas nominais. São três as formas nominais do verbo: gerúndio, particípio e infinitivo, derivadas do tema (radical + vogal temática) acrescido das desinências:

  • -r: para o infinitivo: cantar, conhecer, sorrir
  • -do: para o particípio: cantado, conhecido, sorrido
  • -ndo: para o gerúndio: cantando, conhecendo, sorrindo

Hoje vamos falar um pouco mais sobre o infinitivo, forma nominal que apresenta o processo verbal em potência, exprimindo a ação verbal propriamente dita e, por isso, aproximando-se do substantivo. Dizemos também que o infinitivo é o “nome” dos verbos, já que é nessa forma que encontramos, por exemplo, os verbos no dicionário. Ele poderá ser identificado por meio de suas terminações, que indicam as três conjugações verbais. São elas:

1ª conjugação -ar (falar, gostar, brincar, trabalhar)

2ª conjugação-er (beber, ver, escrever, perder)

3ª conjugação-ir (pedir, mentir, ferir, sorrir)

O infinitivo pode ser classificado como pessoal e impessoal. O infinitivo pessoal é uma peculiaridade linguística, conhecido também como idiotismo. Alguns estudiosos afirmam que ele só existe no húngaro, no português e em alguns dialetos italianos, o que deixa o assunto ainda mais interessante. Sua terminação é idêntica à terminação do futuro do subjuntivo, sendo empregada principalmente nas orações reduzidas de infinitivo e flexionada nas situações descritas a seguir:

1.Quando a intenção for indeterminar o sujeito: Estou limpando a casa para não me chamarem de preguiçoso;

2. Quando o sujeito da oração estiver explícito: Se tu não falares agora, vou-me embora.

3. Quando houver sujeito diferente daquele da oração principal: Os professores pediram para os alunos ficarem em silêncio durante a aula.

4. Quando apresentar reciprocidade ou reflexibilidade de ação: Vimos os adversários agredirem-se verbalmente.

O infinitivo impessoal é construído sem sujeito porque não faz referência a uma pessoa gramatical. Dizemos que essa é a “forma pura” do verbo, tal qual eles são encontrados nos verbetes de dicionários. Seu uso está condicionado às seguintes situações:

1. Quando não fizer referência a um sujeito determinado e apresentar uma ideia genérica: Fumar é prejudicial para a saúde.

2. Quando tiver o valor de imperativo: Soldados, marchar!

3. Quando for regido por preposição e funcionar como complemento de um nome da oração anterior: Os turistas foram impedidos de entrar no país.

Observação: Na voz passiva dos verbos contentar, tomar e ouvir, por exemplo, o infinitivo deve ser flexionado. Observe:

Eram clientes fáceis de serem contentados.

Eram decisões difíceis de serem tomadas.

As músicas que a orquestra executou eram agradáveis de serem ouvidas.

Siga as regras e bons estudos!

Assuntos Relacionados