Você está aqui Mundo Educação História Geral Idade Moderna A pintura de Piero della Francesca

A pintura de Piero della Francesca

A pintura de Piero della Francesca foi de importância seminal para o desenvolvimento do classicismo.

A pintura de Piero della Francesca
O pintor italiano Piero della Fracesca revolucionou a pintura ao introduzir nela o princípio da perspectiva

Uma das principais características da pintura do Renascimento, ao lado do estudo anatômico, foi a introdução da perspectiva (ou perspectiva isométrica). O princípio da perspectiva acrescentou a noção de profundidade às telas, o que proporcionou uma melhor disposição dos objetos representados, fossem eles pessoas, paisagens ou construções, como igrejas e demais edifícios. Essa técnica chegou à perfeição com o trabalho de pintores como Rafael e Leonardo Da Vinci. Entretanto, o principal precursor da técnica da perspectiva foi Piero della Francesca.

A data de nascimento de Piero della Francesca é inexata, pois há autores que indicam o ano de 1412, outros, o ano de 1415; e outros, ainda, o ano de 1420. Estipula-se que tenha morrido em 1492, de modo que sua produção como artista alcançou boa parte do século XV ou, como dizem os historiadores do Renascimento Artístico Italiano, o Quattrocento. O século XV marcou a transição da Idade Média para Idade Moderna, e a Europa passou por variadas experiências que a introduziram, de fato, na modernidade.

O desenvolvimento das cidades (burgos), que havia se intensificado a partir do século XIV, contribuiu para o aperfeiçoamento das artes nas cidades italianas, como Florença. O Classicismo (isto é, o resgaste das formas clássicas desenvolvidas nas antigas civilizações grega e romana) tornou-se predominante a partir da imitação dos modelos clássicos mesclados com as temáticas judaico-cristãs. Em meio a esse contexto, Piero della Francesca foi um dos primeiros a estabelecer os padrões da relação entre forma e conteúdo na pintura.

A excepcionalidade de Piero está tanto na experimentação dos tons de cor quanto na aplicação da perspectiva. Em uma de suas obras mais aclamadas, O Flagelo de Cristo, isso fica evidente (como pode ser observado abaixo):

Pode-se observar nitidamente a aplicação da perspectiva nesse quadro de Piero della Francesca
Pode-se observar nitidamente a aplicação da perspectiva nesse quadro de Piero della Francesca

Em O Flagelo de Cristo, vê-se as figuras humanas nitidamente dispostas no enquadramento da pintura. A aplicação da perspectiva auxiliou Piero a colocar três pessoas em primeiro plano e cinco no segundo plano. Ao fundo, vê-se a cena que dá título ao quadro: Cristo sendo flagelado por um carrasco. A noção de profundidade é produzida pelas linhas tanto do chão quanto dos prédios e colunas, que começam no primeiro plano e seguem para o fundo. A proporção entre as pessoas (em tamanho maior), no primeiro plano e, em tamanho menor, no segundo plano, também segue a mesma regra.

As cores vivas, tanto das vestimentas quanto da paisagem ao fundo e da estrutura dos prédios, também foi um grande diferencial que Piero trouxe para a pintura. A aplicação da cor e os primeiros experimentos mais sofisticados com luz e sombra foram marcantes e tiveram importância seminal nos séculos seguintes.

O principal estudioso da obra artística de Piero, responsável por dar uma interpretação orgânica ao seu conjunto de pinturas, foi o italiano Roberto Longhi, com sua obra “Piero della Francesca”, publicada em 1927.

Assuntos Relacionados