Você está aqui Mundo Educação História Geral Idade Contemporânea Segunda Guerra Mundial Lançamento das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki

Lançamento das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki

O lançamento das bombas atômicas pelos Estados Unidos sobre Hiroshima e Nagasaki resultou na destruição total dessas cidades e forçou a rendição do Japão na Segunda Guerra.

Lançamento das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki
Visão do cogumelo atômico da cidade de Kure durante o bombardeio a Hiroshima, em 6 de agosto de 1945

Nos dias 6 e 9 de agosto de 1945, os Estados Unidos fizeram uso, pela primeira vez na história da humanidade, de armas atômicas contra as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki. Essas bombas foram utilizadas para forçar a rendição japonesa e evitar que as tropas americanas precisassem invadir o Japão por terra. Ainda hoje esse episódio gera debates entre os historiadores a respeito da questão ética que envolveu o lançamento de bombas atômicas contra civis.

Segunda Guerra Mundial na Ásia

O conflito entre os Estados Unidos e o Japão na Segunda Guerra Mundial foi iniciado após um ataque surpresa dos japoneses contra a base naval americana de Pearl Harbor, localizada no Havaí, em 7 de dezembro de 1941 . Esse ataque resultou em cerca de 2.400 americanos mortos e levou o país a declarar guerra ao Japão.

O ataque japonês visava promover a destruição da frota americana presente no Pacífico para conseguir a sua expulsão das Filipinas, ou de qualquer outro lugar que Estados Unidos estivessem presentes no continente asiático. Isso garantiria o fim do embargo sofrido pelo Japão às importações de petróleo.

Os primeiros meses da atuação japonesa na guerra foram repletos de vitórias. Os japoneses conseguiram derrotar seguidamente as forças americanas, britânicas e franceses em diferentes locais: Cingapura, Malásia, Birmânia, Índias Orientais Holandesas etc. A desorganização das tropas Aliadas foi um fator decisivo a ocasionar o acúmulo de derrotas nesses locais.

A recuperação americana ocorreu a partir da Batalha de Midway, em junho de 1942. Essa batalha é vista pelos americanos como o ponto da virada na guerra. A Marinha Imperial japonesa sofreu danos irreversíveis durante essa batalha e, a partir disso, o Japão foi vagarosamente sendo derrotado pelos Estados Unidos e ficando encurralado em seu próprio território.

Conferência de Potsdam

Em julho de 1945, as potências que faziam parte dos Aliados reuniram-se durante a Conferência de Potsdam. Os representantes reunidos nessa ocasião foram Stalin (União Soviética), Harry Truman (Estados Unidos) e Clement Attlee (Reino Unido). Eles debateram as condições que seriam impostas aos alemães ao final da guerra. Além disso, foram debatidos os termos da rendição que seria redigida e encaminhada aos japoneses.

A solicitação de rendição dos países Aliados ao Japão aconteceu porque os Estados Unidos queriam evitar a necessidade de invasão territorial desse país. O temor americano era de que a resistência japonesa fosse obstinada e isso pudesse custar milhares de vidas de soldados americanos. Além disso, a opinião pública americana começava a aborrecer-se com a demora em acabar com a guerra e, por isso, o governo sentia a pressão para antecipar o fim do conflito. Por fim, havia o temor do avanço dos soviéticos pelo continente asiático (a configuração da Guerra Fria começava a estabelecer-se nesse momento).

Assim, foi emitida a Declaração de Potsdam, que solicitou a rendição imediata do Japão afirmando que, caso houvesse recusa, esse país deveria estar pronto para encarar a sua rápida e total destruição. O presidente americano decidiu que, em caso de recusa dos japoneses, os Estados Unidos usariam suas armas atômicas desenvolvidas durante o Projeto Manhattan.

Lançamento das bombas atômicas

Retrato da destruição em Nagasaki após o lançamento da bomba atômica, ocorrido em 9 de agosto de 1945
Retrato da destruição em Nagasaki após o lançamento da bomba atômica, ocorrido em 9 de agosto de 1945

A cúpula japonesa recusou os termos estipulados na Declaração de Potsdam e, assim, os Estados Unidos lançaram a primeira bomba sobre a cidade de Hiroshima, no dia 6 de agosto de 1945. A bomba foi transportada em um B-29, que recebeu o nome de Enola Gay. O piloto, Paul Tibbets, recebeu ordens de jogá-la sobre a Ponte Aioi.

A bomba lançada sobre Hiroshima recebeu o nome de Little Boy e explodiu a cerca de 580 metros do chão. Imediatamente depois da explosão, um grande clarão espalhou-se (relatos afirmam que cada pessoa pode ter visto um clarão com um tom diferente) e uma bola de calor surgiu e dispersou-se por toda a cidade, trazendo grande destruição.

Pessoas mais próximas ao “marco zero” foram instantaneamente vaporizadas em uma velocidade tão grande que as impediu de perceber o que acontecia ou mesmo de sentir dor. Outras pessoas tiveram suas sombras impressas nas paredes, deixando um registro da sua última ação em vida. O impacto destrutivo da bomba atômica em Hiroshima resultou em cerca de 80 mil mortes imediatas.

Apesar do enorme poder de destruição que pôde ser percebido em Hiroshima, ainda havia membros da cúpula do governo japonês que defendiam a continuidade na guerra. Mesmo com todos os indícios de que a derrota do Japão era evidente, alguns desses integrantes ainda acreditavam em uma resistência final, que garantiria a expulsão dos americanos e a manutenção das posses territoriais do Japão na China.

Com a não rendição japonesa, o exército americano lançou a segunda bomba atômica. O alvo escolhida foi Kokura, no entanto, o lançamento da bomba sobre a cidade foi cancelado em razão de questões climáticas. O piloto do avião Bock’s Car, Paul Tibbets, resolveu, então, lançar a bomba sobre a cidade japonesa de Nagasaki.

A bomba lançada sobre Nagasaki era muito mais potente que a usada em Hiroshima, no entanto, a condição geográfica da cidade, a qual possui muitos morros, fez com que determinadas áreas ficassem protegidas. Assim, apesar da grande destruição causada pela bomba, o número de vítimas foi menor: cerca de 40 mil mortes imediatas.

Os sobreviventes de ambas as cidades tiveram de lidar com grande sofrimento. Muitos ficaram com queimaduras gravíssimas por causa da onda de calor provocada pela bomba e precisaram tratá-las durante anos (especula-se que a demora no fechamento das feridas foi consequência da radiação). Além disso, milhares de pessoas morreram subitamente dias depois em decorrência do contato com a radiação.

O restante dos sobreviventes teve de lidar durante toda a vida com inúmeras doenças surgidas posteriormente ao ataque. Além disso, os filhos desses sobreviventes, que nasceram anos depois, colheram consequências relacionados ao contato de seus pais com a radiação. Por fim, quem sobreviveu ainda enfrentou forte preconceito da sociedade japonesa. Após anos de reivindicações, essas pessoas conseguiram que o governo arcasse com a totalidade de suas despesas médicas de maneira vitalícia.

O lançamento das bombas atômicas acabou alcançando o objetivo esperado pelos Estados Unidos: a rendição japonesa. O governo japonês aceitou render-se no dia 14 de agosto de 1945, e uma mensagem gravada pelo Imperador Hirohito foi transmitida em todo o Japão colocando fim à guerra. A rendição incondicional do país iniciou o período da ocupação americana em seu território e marcou em definitivo o fim da Segunda Guerra Mundial.

Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto

Tags Relacionadas

Assuntos Relacionados