Você está aqui Mundo Educação História Geral Idade Moderna Origem do capitalismo e fim do feudalismo

Origem do capitalismo e fim do feudalismo

A origem do capitalismo está relacionada com a formação, ainda na sociedade feudal, do trabalho assalariado e das grandes rotas comerciais.

Origem do capitalismo e fim do feudalismo
Gravura de Bartholomaeus Anglicus (Jean Corbechon), de 1482, mostrando o trabalho de tintura em uma manufatura de tecidos *

A origem do capitalismo pode ser encontrada no processo de desintegração do chamado feudalismo. A transformação dos camponeses em trabalhadores assalariados, a retirada dos meios de produção desses últimos (ferramentas einstrumentos agrícolas, terras etc.), a formação de uma classe burguesa e o desenvolvimento do comércio estão entre as causas originárias do capitalismo.

Uma das principais características do feudalismo, enquanto regime de exploração, era a apropriação direta, pelo senhor (o aristocrata, o nobre), do produto excedente do trabalho dos camponeses. Estes tinham suas ferramentas e trabalhavam nas terras do senhor ou em pequenos lotes para sua subsistência. A exploração consistia no recebimento pelo senhor de parte da produção realizada pelo camponês, seja em espécie ou em trabalho nas terras do senhor. Esse excedente era consumido pelos senhores ou vendidos, quando não eram consumidos.

As características principais do capitalismo são a propriedade dos meios de produção detida por uma classe social, a burguesia, e a exploração do tempo de trabalho do trabalhador assalariado. Essa exploração é fundada na utilização da capacidade de trabalho, na força de trabalho, durante um determinado período de tempo em troca de um salário. O salário teria um valor menor do que o valor produzido pelo trabalhador durante sua jornada de trabalho.

A mais-valia

O excedente entre o valor pago em salário e o produzido pelo trabalhador seria a origem do lucro da burguesia, também chamada de mais-valia. Esta seria ainda a base para a acumulação de capital, que seria reinvestido na compra de matérias-primas, instrumentos de trabalho e inovações tecnológicas.

Historicamente, isso ocorreu com a ida para as cidades de um número cada vez maior de camponeses, principalmente na Inglaterra, com as restrições de uso das terras comunais, através das Leis de Cercamento (Enclosure Acts). Nas cidades e sem disporem de instrumentos para o trabalho, os camponeses passaram a vender sua força de trabalho, transformando-se em assalariados. Alguns dos antigos artesãos (principalmente os mestres das corporações), que contratavam esses assalariados, passaram a acumular capital e a constituírem-se enquanto burguesia, contribuindo, assim, para a gênese do capitalismo.

Renascimento Comercial

Outro fator importante da origem do capitalismo foi o chamado Renascimento Comercial. A abertura das rotas de comércio no mar Mediterrâneo e a intensificação das trocas no interior do continente europeu, principalmente com as feiras que eram realizadas em várias localidades, possibilitaram ainda a realização de forma mais intensa das trocas dos excedentes produzidos.

A mercantilização da produção contribuiu para a desintegração da sociedade feudal, interligando aos poucos os centros urbanos e escoando a produção agrícola. Possibilitou ainda o desenvolvimento de práticas financeiras que garantiam a comercialização, além de formar um capital bancário. Este serviria para a abertura de crédito às trocas comerciais e também às manufaturas. As Grandes Navegações, com as longas rotas comerciais e a obtenção de metais preciosos, contribuíram, dessa forma, como um agente externo para desintegrar a sociedade feudal e dar origem ao capitalismo.

* Crédito das Imagens: Biblioteca Britânica.

Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto

Assuntos Relacionados