Você está aqui Mundo Educação História Geral Idade Contemporânea Segunda Guerra Mundial Ustase e o Estado fantoche da Croácia (1941-1945)

Ustase e o Estado fantoche da Croácia (1941-1945)

O Estado fantoche da Croácia foi uma criação dos nazistas após invadirem a Iugoslávia em 1941. O poder foi entregue ao partido Ustase, que promoveu um genocídio na região.

Ustase e o Estado fantoche da Croácia (1941-1945)
Selo croata de 1943 com o retrato do líder Ustasha Ante Pavelic *

Ustasha ou Ustase foi um partido de extrema-direita e de tendências nacionalistas e fascistas da Croácia que comandou um Estado fantoche criado pelos nazistas na Iugoslávia durante a Segunda Guerra Mundial. O domínio do Ustase sobre a região que hoje corresponde à parte da Croácia e Bósnia causou uma política de extermínio contra os sérvios ortodoxos. O Ustase, liderado por Ante Pavelic, foi derrotado em 1945 pelos partisans comunistas.

Origem do Ustase

O Ustase foi um partido de extrema-direita da Croácia que se baseou em ideais nacionalistas muito fortes durante a década de 1920. Esse nacionalismo era consequência da busca pela independência e da representatividade croata no Reino da Iugoslávia, surgido em 1918, após a Primeira Guerra Mundial.

O líder desse partido era Ante Pavelic, que pregava, além de ideais nacionalistas e separatistas, o revanchismo contra os sérvios ortodoxos. O Ustase de Ante Pacelic baseou suas ideais no nacionalismo croata surgido no século XIX. Além disso, o partido sofreu influências ideológicas do fascismo italiano, nazismo alemão e de ideais do programa de um partido de direita da Croácia: o Partido Camponês Croata.

A criação do partido aconteceu em 1930 por Ante Pavelic e recebeu grande apoio de croatas espalhados por vários países da Europa. Na própria Croácia, o Ustase nunca chegou a receber um apoio maciço: segundo Irina Ognyanova, contavam com o apoio de apenas 10% da população croata |1|. Seu líder era chamado de Poglavnik, um correspondente em croata para Führer (líder máximo) em alemão.

Entre os objetivos do Ustase, o principal era a obtenção da independência da Croácia. Para isso, defendiam o uso da violência, pois afirmavam que os meios pacíficos (meios constitucionais) haviam falhado em alcançar esse feito. Viam nos sérvios o seu principal inimigo para a obtenção da independência e, por isso, defendiam a “purificação racial” da Croácia, isto é, a eliminação dos sérvios.

Além disso, o Ustase alimentava ideais antissemitas, anticomunistas, nacionalistas, xenofóbicas e de exaltação da violência como ferramenta política para obter seus objetivos. Por fim, defendiam o estabelecimento de campos de concentração. Chegaram, inclusive, a instalar um campo de concentração na Croácia, que foi responsável pela morte de 100 mil pessoas.

Ustase no poder: Segunda Guerra Mundial

O Ustase subiu ao poder em abril de 1941 com a invasão nazista da Iugoslávia, o que causou a destituição do poder estabelecido e a criação do Estado Independente da Croácia. A invasão aconteceu para que os nazistas tivessem controle sobre recursos materiais importantes e para garantir passagem de suas tropas até a Grécia.

Para que fosse colocado pelos nazistas no poder, o Ustaše precisou fazer algumas concessões ao Eixo (o Eixo no contexto iugoslavo era representado por Alemanha, Itália e Hungria). Primeiramente, o Ustase teve de fazer concessões territoriais para a Alemanha, Itália e Hungria. Além disso, precisou aceitar o Duque de Spoleto como rei da Croácia e as interferências da Alemanha em assuntos internos. Isso fez da Croácia um “Estado fantoche” dos nazistas.

Assim que a invasão nazista aconteceu e o Ustase subiu ao poder, uma guerra eclodiu. Forças de resistência levantaram-se contra ambos, e uma guerra entre essas forças foi travada de 1941 a 1945. Os dois grupos de resistência eram os chetniks, que representavam os monarquistas sérvios e eram liderados por Draza Mihailovic, e os partisans, que eram liderados por Josip Broz Tito.

A guerra na Iugoslávia ficou marcada pelo terror imposto pelos fascistas croatas, sobretudo contra os sérvios. Como a política Ustase defendia a perseguição aos sérvios, logo foram decretadas leis que retiravam os direitos dos cidadãos sérvios e instituíam a perseguição deles. A sequência disso foi a promoção de extermínios dos sérvios em diversas aldeias da região.

A política de extermínio Ustase resultou na criação do campo de concentração de Jasenovac (o principal da região). Esse campo foi responsável pela morte de cerca de 100 mil pessoas, principalmente sérvios, mas também muitos ciganos e judeus.

Queda do Ustase

O Ustase foi derrotado ao final da guerra pelos comunistas partisans de Tito. A derrota Ustase aconteceu à medida que a Alemanha foi enfraquecendo-se na guerra. Os partisans contavam com o apoio de britânicos e soviéticos. A vitória soviética estabeleceu a Iugoslávia comunista, e os partidários dos ideais fascistas do Ustase sofreram grande perseguição no novo regime. Ante Pavelic conseguiu fugir e morreu em liberdade em 1959, na Espanha fascista, que lhe forneceu asilo político após a guerra.

|1| OGNYANOVA, Irina. Nationalism and National Policy in Independent State of Croatia (1941-1945). Disponível aqui.

*Créditos da imagem: Neftali e Shutterstock

Tags Relacionadas

Assuntos Relacionados