Você está aqui Mundo Educação Matemática Trigonometria Três erros mais cometidos na Trigonometria

Três erros mais cometidos na Trigonometria

Os três erros mais cometidos na Trigonometria envolvem interpretação de problemas, razões trigonométricas e a tabela de valores das razões trigonométricas.

Três erros mais cometidos na Trigonometria
Entre os erros mais frequentes em questões de Trigonometria, está o uso incorreto das razões trigonométricas

A Trigonometria é a importante área da Matemática que estuda as relações entre lados e ângulos de triângulos. Nos vestibulares e Enem, a Trigonometria é um conteúdo muito frequente, por isso, é necessário saber solucionar problemas com esse conteúdo básico. Para tanto, conheça os erros mais cometidos na resolução de questões com esse tema.

Erro 1: Não interpretar corretamente o problema

Conhecer todas as propriedades, conceitos, definições e características que envolvem a Trigonometria pode não ser suficiente para acertar todas as questões a respeito dela. É preciso saber interpretar bem os problemas propostos, uma vez que o Enem, por exemplo, é uma prova contextualizada, e os vestibulares seguem esse mesmo padrão.

É comum ter questões nesse tipo de exame questionando o perímetro de determinado triângulo. Entretanto, para descobrir essa medida, devemos calcular primeiramente a medida de um ou dois de seus lados, usando, para isso, a Trigonometria, ou qualquer outro conhecimento com o qual seja possível determinar essa medida.

O caminho para encontrar a medida de um dos lados do triângulo é tão trabalhoso que o estudante pode não se lembrar mais o que foi pedido no problema (no caso, o perímetro do triângulo). Além disso, o valor do lado encontrado pode estar entre as alternativas da questão objetiva, o que o induz também ao erro.

Portanto, é importante fazer uma boa leitura das questões e ter em mente o que é solicitado por elas. Para facilitar, sugerimos que o estudante sublinhe a parte da questão que revela a sua pergunta. Após a conclusão dos cálculos, basta ler essa parte para saber se o valor encontrado condiz com o que foi pedido.

Erro 2: Erros na tabela de valores das razões trigonométricas

Existem duas tabelas com valores de razões trigonométricas. Uma delas é completa, contemplando todos os ângulos que vão de 1° a 89°. Essa tabela mostra todos os valores decimais das razões trigonométricas que, geralmente, são dados nas questões.

Esses valores só não são disponibilizados quando os cálculos incluem os ângulos notáveis 30°, 45° e 60°, pois, para eles, existe uma segunda tabela:

Observe que essa tabela possui valores fracionários do seno, cosseno e tangente dos ângulos notáveis. Esses valores não costumam ser dados nos exercícios, por isso, é importante que o aluno conheça-os previamente.

O maior erro cometido ao usar essa tabela consiste em trocar os valores dela, por exemplo, colocar o valor do seno de 30° no lugar do cosseno de 30°. A maior parte desses erros refere-se ao uso da tangente de 30° e de 60°.

Em um triângulo que possui um ângulo de 60°, o cateto oposto a ele mede 10 cm e o adjacente mede x. Para descobrir a medida de x, devemos usar a tangente. O erro está ao substituir “tg60°” por √3/3 no lugar de substituir pelo valor correto: √3.

Erro 3: As razões trigonométricas

As razões trigonométricas são as definições de seno, cosseno e tangente. Por mais básicas que sejam, existem pessoas que as utilizam de forma errada, na maioria das vezes, por falta de atenção.

Essas razões são definidas para o triângulo retângulo da maneira exposta logo a seguir. Lembre-se de que a hipotenusa é o lado oposto ao ângulo reto, o cateto oposto não toca o ângulo observado e o cateto adjacente é o lado que o toca. Então, considerando um triângulo retângulo e fixando o seu ângulo α, teremos:

Senα = Cateto oposto a α
               hipotenusa

Cosα = Cateto adjacente a α
                hipotenusa

Tgα =     Cateto oposto a α     
           Cateto adjacente a α

Um dos erros mais frequentes ao resolver questões de Trigonometria está relacionado ao uso dessas razões. O aluno não toma o cuidado de observar qual das três razões deve ser usada e acaba misturando as definições de duas delas. Em outros casos, o aluno realmente se confunde e usa uma razão em vez de outra.

Considerando, por exemplo, um triângulo retângulo ABC, retângulo em B, que possua catetos com medidas iguais, qual seria a medida do ângulo A?

Observe que, para resolver esse problema, a razão trigonométrica adequada é tangente. Sendo os catetos iguais a x, teremos:

TgA =  x 
           x

TgA = 1

A = 45°

Dicas:

1 – Sempre que for necessário usar as medidas de dois catetos e um ângulo, a razão correta a ser usada é a razão tangente.

2 – Sempre que o valor da hipotenusa puder ser usado, existirão casos em que o estudante deverá usar uma razão trigonométrica específica; em outros, pode ser possível escolher entre qualquer uma das três.

3 – Apenas dois lados e um ângulo de um triângulo retângulo podem ser usados de cada vez na Trigonometria básica. Se um desses lados for a hipotenusa e o outro for o cateto oposto, essa razão será seno; se um dos lados for a hipotenusa e o outro for o cateto adjacente, essa razão será cosseno; se ambos os lados forem catetos, essa razão será tangente.

Tags Relacionadas

Assuntos Relacionados