Você está aqui Mundo Educação Química Química presente em alimentos “Alhoterapia”: qual o princípio?

“Alhoterapia”: qual o princípio?

“Alhoterapia”: qual o princípio?
Coma um dente de alho por dia: o coração agradece.
Já pensou se um simples tempero que você usa diariamente em suas refeições, pudesse te livrar de um câncer? Pode acreditar, o dissulfeto de dipropenila é um composto capaz de prevenir doenças cardíacas, radicais livres e o melhor, contra o câncer de colo de útero e gástrico.

Agora você sabe onde esse composto, o dissulfeto de dipropenila, pode ser encontrado? No alho, é claro que este tempero não é muito agradável para ser ingerido cru, se fosse assim poderíamos comê-lo como se fosse um legume. Na verdade o alho é composto por dois átomos de enxofre, e são justamente estes átomos que conferem aos comedores de alho cru, aquele hálito insuportável.

Mas por que quando cozinhamos o alho ele perde um pouco de seu odor? Ao ser cozido o dissulfeto responsável pelo mau cheiro é volatilizado, ou seja, o tempero pode ser ingerido sem causar aquele “bafo de onça”.

Uma forma de ingerir alho sem modificar seu hálito, é optar pela forma alternativa, as cápsulas que contém óleo de alho já são consumidas em grandes quantidades, principalmente na Holanda.

O alho é considerado benéfico para cardíacos porque ajuda a diminuir os níveis de colesterol, a dose recomendada é um dente de alho ao dia. Mas é bom lembrar que este tratamento só é recomendado para pessoas com pressão sanguínea levemente elevada, em casos mais graves é necessário um tratamento mais avançado.

Os defensores desta causa, a Alhoterapia, afirmam que o alho tem sido usado há muitos anos pra defender o organismo dos radicais livres e até apelidam o tempero de “cura tudo” (cura gripe, resfriado, garganta inflamada). É por estes e outros motivos que a ingestão de alho diariamente tem seus princípios terapêuticos.

Assuntos Relacionados