Você está aqui Mundo Educação Redação Dicas para melhorar a interpretação de texto

Dicas para melhorar a interpretação de texto

Algumas dicas simples podem melhorar a nossa interpretação de texto, que é um mecanismo ligado diretamente ao desenvolvimento da competência leitora.

Dicas para melhorar a interpretação de texto
A interpretação textual está relacionada ao desenvolvimento da competência leitora

De acordo com Freire:

[…] uma compreensão crítica do ato de ler, que não se esgota na decodificação pura da palavra escrita ou da linguagem escrita, mas que se antecipa e se alonga na inteligência do mundo. A leitura do mundo precede a leitura da palavra, daí que a posterior leitura desta não possa prescindir da continuidade da leitura daquele. Linguagem e realidade se prendem dinamicamente. A compreensão do texto a ser alcançada por sua leitura crítica implica a percepção das relações entre o texto e o contexto. […] |1|

É possível notar na fala do educador Paulo Freire que a interpretação textual está diretamente relacionada com nossa competência leitora. Isso quer dizer que interpretar exige uma série de conhecimentos para que possamos compreender sentidos subentendidos, fazer previsões sobre esses sentidos e perceber informações prévias e implícitas em relação ao texto lido. Assim, o ato de ler e interpretar requer um conjunto de conhecimentos, entre eles: conhecimentos prévios sobre o assunto, conhecimento de mundo, conhecimentos linguísticos e a habilidade reflexiva do leitor.

Existem algumas dicas que podem ajudá-lo no aperfeiçoamento da sua habilidade de interpretação textual. Vamos abordar algumas delas a seguir.

→ Leitura prévia

A leitura prévia deve ser feita antes do contato com o texto propriamente dito. Muitas vezes, ao iniciarmos a leitura de um texto, desprezamos alguns aspectos importantes que já podem informar-nos bastante sobre os possíveis conteúdos que serão tratados no texto, como:

- A apresentação: a capa de um livro, quando bem elaborada, diz muito sobre a obra, mas a máxima “não julgue o livro pela capa” também é importante, uma vez que ela sozinha não é capaz de dizer-nos muito sobre o assunto. No entanto, frequentemente, escolhemos nossa leitura pelo efeito que a capa, o título, a imagem e marcas tipográficas causam em nós, não é mesmo? Por isso, observar esses detalhes, antes mesmo da leitura do texto, é importante, pois referem-se a recursos linguísticos capazes de ativar nossos conhecimentos prévios e conhecimento de mundo, necessários para a interpretação do texto em si.

- Gênero textual: a observação do gênero textual permite-nos identificar possíveis objetivos do autor, ou seja, se estivermos diante do gênero receita, a intenção do autor será a de ensinar como preparar determinado tipo de alimento; se o gênero for um artigo, a intenção será a apresentação de um estudo e reflexões do autor sobre um assunto.

- Data: esse dado é muito importante, pois nos remete ao contexto histórico do momento da escrita do texto. Aqui, somos instigados a acessar nossa memória sobre fatos, pessoas e períodos que podem ter influenciado o pensamento do autor enquanto criava o texto.

- O autor: saber quem é o autor dá-nos a oportunidade de relacionar a leitura atual com outras de sua autoria que possamos já ter tido contato e, assim, inferir quais possíveis temáticas serão abordadas.

- Meio de comunicação: esse recurso permite identificar que tipo de público acessa esse texto e quais posicionamentos políticos, sociais, culturais, econômicos, religiosos, etc. são veiculados por esse meio de comunicação.

→ Leitura seletiva

Trata-se de uma leitura mais específica que tem como objetivo identificar o tema do texto de forma geral. Para a realização desse tipo de leitura, o leitor precisa ter seus objetivos já especificados, ou seja, precisa ter claro qual é o objetivo da escolha do texto a ser lido. Dessa forma, por meio da leitura seletiva, o leitor poderá comprovar se o texto possui ou não as informações de que ele necessita para atingir seus objetivos.

→ Leitura analítica

Nesse momento, o leitor tem a oportunidade de analisar o texto minunciosamente, pois essa fase da leitura permite que ele organize as ideias, encontre palavras-chaves, faça esquemas, resumos e encontre informações que são relevantes para o entendimento do que está escrito. Dessa forma, é importante seguir alguns passos:

1 – Leia o texto todo para ter uma percepção geral do tema;

2 – Identifique as ideias centrais e palavras-chaves de cada parágrafo;

3 – Esquematize o texto e elabore uma síntese dele;

4 – Organize as suas próprias ideias em relação ao tema, esquematizando-as e resumindo-as. Esse recurso possui características individuais as quais se relacionam aos conhecimentos prévios que cada leitor possui sobre o assunto;

5 – Relacione as ideias importantes do texto com seus conhecimentos sobre o assunto;

6 – Elabore hipóteses que possam explicar os argumentos, fatos e outros dados presentes no texto.

Veja que a leitura analítica permite um diálogo entre os conhecimentos propostos pelo autor e os conhecimentos do próprio leitor, o que possibilita também um aprofundamento das interpretações textuais. Aqui, já é possível inferir sobre os sentidos que o texto carrega, utilizando-se de pistas presentes nele. Essas inferências deverão ser comprovadas ou não mais tarde, durante o processo interpretativo.

→ Leitura interpretativa

De posse de seus conhecimentos e dos conhecimentos apresentados explicitamente no texto, é hora de ler nas entrelinhas. Para isso, é preciso identificar informações que vão além dos limites da escrita, ou seja, é preciso identificar os pressupostos, as ideias subentendidas (mas que sejam conhecidas pelo leitor) e as relações intertextuais, isto é, as relações estabelecidas com outros textos.

Diante dessas fases da leitura, é notório que o contato com o texto, tendo como objetivo a sua interpretação, requer do leitor uma participação intelectual ativa, a qual exige também práticas constantes que possam conter diferentes gêneros textuais, de diferentes autores, sobre diferentes assuntos e com diferentes reflexões, possibilitando-o uma visão mais questionadora acerca do objeto de estudo.

Bons estudos e boas interpretações!

|1| FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam - São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989, p. 9.

Tags Relacionadas

Assuntos Relacionados