Você está aqui Mundo Educação Saúde e Bem-estar Problemas de Saúde Incontinência urinária

Incontinência urinária

Incontinência urinária
A incontinência afeta as mulheres maduras e as mais novas

A incontinência urinária, também chamada urina solta, é uma disfunção na qual ocorre uma liberação involuntária de urina através da uretra em razão de algum tipo de esforço, como uma tosse mais profunda. Esse problema afeta muitas mulheres que, quando não buscam um tratamento adequado, têm ainda problemas psicológicos e sociais em virtude das situações embaraçosas que causam vergonha, desconforto e sentimento de descontrole. Essa disfunção também afeta homens, embora o número de casos seja duas vezes menor.

Muitas pessoas acreditam que é uma disfunção que aparece apenas na fase de envelhecimento, o que não é verdade. É comum ocorrer nas mulheres acima de 50 anos de idade em face do enfraquecimento dos músculos, mas não significa que pessoas de outras idades não possam ter o problema.

A gestação também é um fator que desencadeia a incontinência urinária em razão do peso do bebê sobrecarregar a musculatura da região pélvica e fragilizar as estruturas responsáveis pela micção. Além disso, inflamações e infecções urinárias, excesso de exercícios ou esporte, fumar, o consumo excessivo de bebidas com cafeína, obesidade, diabetes, hábitos alimentares, algum tipo de acidente que possa ter atingido os nervos da bexiga ou alguma doença neurológica podem ser causas da incontinência.

Existem também diferentes diagnósticos para a incontinência urinária, que pode ser recente ou de início gradual e persistente. Na incontinência recente, a causa mais comum é a infecção de bexiga enquanto na incontinência persistente geralmente ocorre em virtude de algum problema relacionado aos nervos pélvicos ou algum tipo de alteração no cérebro.

A prevenção é feita com o fortalecimento da musculatura, por meio de exercícios de contração e relaxamento. Para as pessoas que já possuem a disfunção, o melhor a fazer é procurar um especialista para que a situação não progrida. O médico poderá diagnosticar a disfunção e recomendar um tratamento que pode ser com exercícios de fisioterapia para fortalecimento dos músculos, estimulação elétrica, além de dicas como ir ao banheiro dentro de períodos determinados e evitar excesso de líquidos ingeridos. Em casos mais graves pode ser necessário cirurgia, por isso, a prevenção, o diagnóstico e o tratamento precoce são tão importantes.

Por Giorgia Lay-Ang
Graduada em Biologia
Equipe Mundo Educação

Assuntos Relacionados