Você está aqui Mundo Educação Biologia Bioquímica Adrenalina

Adrenalina

A adrenalina é um hormônio produzido pela medula da suprarrenal que está relacionado com situações de estresse e excitação.

Adrenalina
Em situações que causam estresse e excitação, ocorre a liberação de adrenalina

O sistema endócrino é constituído por diversas glândulas capazes de sintetizar hormônios. Entre as glândulas desse sistema, podemos citar a suprarrenal, também conhecida como glândulas adrenais, que é responsável pela produção de várias substâncias, como a adrenalina.

A adrenalina, também chamada de epinefrina, é um hormônio neurotransmissor produzido e estocado pela medula da suprarrenal que é liberado após estímulos de terminações nervosas. Ela foi isolada pela primeira vez em 1900, no Japão, pelo bioquímico Jokichi Takamine com a assistência técnica de Keizo Uenaka.

Esse hormônio pertence a uma classe de compostos denominados catecolaminas e é formado pelo aminoácido tirosina. O termo catecolaminas está associado à presença de um grupamento amino ligado a um anel aromático que possui dois grupamentos hidroxila ligados em posição orto, o que se assemelha a uma molécula de catecol.

Normalmente a adrenalina é liberada na corrente sanguínea em situações de estresse e excitação. É comum que nessas situações as pessoas comecem a apresentar taquicardia, sudorese e dilatação das pupilas, respostas conhecidas como reações do tipo luta ou fuga. Entre as ações da adrenalina no corpo, podemos citar:

Aumento da frequência cardíaca;

Aumento da força de contração ventricular;

Constrição arteriolar na pele e na região abdominal;

Dilatação arteriolar no músculo esquelético;

Liberação de ácidos graxos do tecido adiposo;

Estimulação da quebra do glicogênio e da gliconeogênese (produção de glicose a partir de precursores não glicídicos), desencadeando a liberação de glicose na circulação.

Em razão de suas ações no sistema cardiovascular e no metabolismo, a adrenalina é usada no tratamento de vários problemas de saúde, sendo encontrada em anestesias e remédios para dor. Entre as indicações do uso de adrenalina, podemos citar a síndrome vasoplégica (uma complicação que ocorre após cirurgias cardíacas), broncoespasmo (contração da musculatura dos brônquios) e choque anafilático, que é uma grave reação de hipersensibilidade.

Assuntos Relacionados