Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Biologia
  3. Botânica
  4. Dupla fecundação

Dupla fecundação

A dupla fecundação é um processo que ocorre exclusivamente em angiospermas e caracteriza-se pela produção de um embrião e de uma estrutura triploide denominada endosperma.

A dupla fecundação é um processo típico das angiospermas, ou seja, só ocorre nesse grupo de plantas. Esse processo caracteriza-se pela fecundação da oosfera e dos núcleos polares por dois gametas masculinos.

→ Grão de pólen e saco embrionário

Antes de descrever esse processo, precisamos entender as características do grão de pólen e do saco embrionário. A seguir, descreveremos essas duas estruturas:

  • Grão de pólen: Diferentemente do que muitos pensam, o grão de pólen não é o gameta masculino. Ao ser liberado da antera, em geral, ele é formado por uma célula vegetativa (célula do tubo) e uma célula geradora e, nesse estágio, é conhecido como microgametófito imaturo. Posteriormente, a célula geradora divide-se e, então, dá origem aos gametas masculinos, chamados de células espermáticas.

  • Saco embrionário: No início do desenvolvimento, o óvulo é apenas nucelo, e essa estrutura é, posteriormente, envolvida pelos tegumentos, os quais formam uma abertura chamada micrópila na extremidade do óvulo. Um único megasporócito surge no nucelo e, em seguida, divide-se por meiose, formando quatro megásporos haploides. Três dos quatro megásporos degeneram-se, e o megásporo funcional começa a ter seu núcleo dividido mitoticamente. Ao final do terceiro ciclo mitótico, temos oito núcleos. Dois núcleos estão localizados no centro da célula octonucleada e são chamados de núcleos polares. Três núcleos localizam-se na região próxima à micrópila e constituem o aparelho oosférico com duas sinérgides e uma oosfera. Outros três núcleos localizam-se na região oposta à micrópila e são chamados de antípodas. Nas antípodas, observa-se a formação de parede celular, assim como nas sinérgides. Temos, portanto, uma estrutura com oito núcleos e sete células: o saco embrionário ou megagametófito maduro.

    Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

→ Processo de dupla fecundação

Para ocorrer a dupla fecundação, é necessário que aconteça, inicialmente, a chamada polinização. Nesse processo, o grão de pólen é depositado sobre o estigma da flor, ou seja, a parte feminina. O grão de pólen absorve água do estigma e germina, formando o tubo polínico. O tubo, então, segue pelo estigma e pelo estilete até alcançar a entrada da micrópila.

Ao entrar na micrópila e atingir o saco embrionário, o tubo polínico, que carrega os dois gametas masculinos e o núcleo vegetativo, adentra uma sinérgide. Essa célula degenera-se e os gametas são descarregados. Um núcleo de um gameta masculino une-se com o núcleo da oosfera e outro, com os núcleos polares. É por esse motivo que dizemos que ocorre uma dupla fecundação.

→ Resultado da dupla fecundação

Como resultado da dupla fecundação, haverá a formação do embrião e do endosperma. A união do gameta masculino com a oosfera produzirá o embrião, enquanto a união do gameta com os núcleos polares levará à formação do endosperma. Esse último destaca-se por ser um tecido triploide rico em nutrientes que fornecerá alimento para o embrião em desenvolvimento.

As angiospermas são o único grupo de plantas que apresenta a dupla fecundação
As angiospermas são o único grupo de plantas que apresenta a dupla fecundação
Publicado por: Vanessa Sardinha dos Santos
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas

Assuntos Relacionados