Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Biologia
  3. Gravidez
  4. Método da tabelinha

Método da tabelinha

A tabelinha, também conhecida como tabela Ogino-Knaus, método do calendário ou método rítmico, é um método muito usado por mulheres que querem prevenir uma gravidez e também por aquelas que pretendem engravidar. Esse método pode ser utilizado para as duas finalidades, pois baseia-se no conhecimento dos dias férteis da mulher. A seguir entenderemos melhor o que é o método da tabelinha, conhecendo seus prós e contras e como essa técnica deve ser realizada.

Veja também: Como funciona o teste de gravidez de farmácia?

O que é a tabelinha?

A tabelinha é um método que consiste no cálculo do período fértil (próximo à ovulação) da mulher com base na análise do padrão dos ciclos menstruais. Conhecendo seu período fértil, a mulher pode evitar relações sexuais nesses dias e, desse modo, prevenir a gravidez. Como nesse momento a chance de gravidez é maior, a mulher que deseja ter filhos pode ter relações para aumentar as chances de uma gestação.

Quando comparado a outros métodos contraceptivos, a tabelinha apresenta-se menos eficaz. De acordo com o manual Planejamento familiar: um manual global para profissionais e serviços de saúde, as taxas de gravidez, com uso correto e consistente e abstinência nos dias férteis, são de nove gravidezes para 100 mulheres no primeiro ano.

Para realizar o método da tabelinha, a mulher deve ter um conhecimento sobre os padrões de seu ciclo menstrual.
Para realizar o método da tabelinha, a mulher deve ter um conhecimento sobre os padrões de seu ciclo menstrual.

Procedimentos para o método da tabelinha

Para realizar esse método, é necessário que a mulher anote o dia de início de cada ciclo menstrual por, pelo menos, seis meses. Sem essa prévia analise, torna-se impossível determinar os dias férteis. De posse de suas anotações, a mulher deverá fazer uma análise desse padrão.

O primeiro passo para saber se o método pode ser adotado é determinar a diferença entre o ciclo mais longo e o ciclo mais curto. A duração do ciclo é determinada contando-se desde o primeiro dia da menstruação até o dia que antecede a seguinte — a menstruação marca o início do ciclo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A diferença entre o ciclo maior e o menor deve ser menor que 10. Se a diferença entre os ciclos for de 10 dias ou mais, o método não deve ser realizado, pois sua eficiência será reduzida.

Exemplo: Imagine que uma mulher teve seu ciclo mais longo de 32 dias e seu ciclo mais curto de 24. Subtraindo 32 de 24, temos 8, logo, essa mulher pode usar o método da tabelinha, pois a diferença foi menor que 10.

 

Acesse também: Aborto – o que é, fatores de risco e tipos legalizados

Período fértil: como determinar?

Para determinar o período fértil, a mulher deverá fazer o seguinte cálculo: subtrair 18 do ciclo mais curto e 11 do ciclo mais longo. Na primeira subtração, a mulher obterá o dia do início do seu período fértil, e, na segunda, ela chegará ao dia do fim de seu período fértil.

Exemplo: Como dito, para determinar o período fértil, a mulher deverá:

• Subtrair 18 do ciclo mais curto;

• Subtrair 11 do ciclo mais longo.

Usando o exemplo anterior, em que o ciclo mais curto foi de 24 dias e o ciclo mais longo de 32, temos:

Ciclo mais curto: 24 - 18 = 6

Ciclo mais longo: 32 - 11 = 21

Sendo assim, do 6º ao 21º dia dos ciclos menstruais, a mulher estará em seu período fértil.

Imagine que a mulher do exemplo anterior ficou menstruada no dia 1º. Ela estará no seu período fértil do 6º ao 21º dia (indicados por um X).
Imagine que a mulher do exemplo anterior ficou menstruada no dia 1º. Ela estará no seu período fértil do 6º ao 21º dia (indicados por um X).

Após determinar o período fértil, o casal que não quer ter filhos deve evitar sexo sem uso de preservativos. É importante destacar que cada mulher apresenta um padrão no ciclo menstrual, portanto, a tabela de uma mulher não serve para outra. Outro ponto que merece destaque é a necessidade de refazer os cálculos a cada seis meses, levando em contra sempre os ciclos dos últimos seis meses a um ano.

Acesse também: Dispositivo Intrauterino (DIU) – vantagens e desvantagens

Prós e contras do uso do método da tabelinha

Assim como todos os métodos contraceptivos, o método da tabelinha também apresenta seus prós e contras. Veja a tabela:

Prós e contras do método da tabelinha

Prós

Contras

  • Método natural que não possui efeitos colaterais.

  • Não gera custos ao casal que adota a técnica.

  • Permite que a mulher conheça melhor o funcionamento do seu corpo.

  • Não afeta a fertilidade feminina.

  • Método permitido por várias religiões.

  • Também pode ser usado por mulheres que desejam engravidar, uma vez que se baseia na detecção do dia fértil.

  • Possui uma eficácia reduzida quando comparado a outros métodos.

  • Não protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

  • Mulheres com ciclos muito irregulares não podem fazer uso da técnica.

 

Saiba mais: Riscos dos contraceptivos orais - eventos tromboembólicos e hipertensão

Métodos contraceptivos

Visam prevenir contra uma gravidez indesejada. Existe, atualmente, uma grande variedade de métodos, que vão desde intervenções cirúrgicas até abstinência sexual em alguns períodos do ciclo.

Os métodos contraceptivos são divididos em métodos contraceptivos de barreira (formam uma barreira que impedem o encontro do espermatozoide com o ovócito), dispositivo intrauterino (dispositivo em forma de “T” colocado no interior do útero da mulher), métodos contraceptivos hormonais (baseados no uso de hormônios sintéticos), métodos cirúrgicos (que envolvem procedimentos cirúrgicos) e métodos naturais (baseiam-se, principalmente, em evitar a relação sexual no período fértil), sendo este último o grupo no qual se enquadra a tabelinha. Caso tenha maior interesse nesse assunto, leia nosso texto: Métodos contraceptivos.

  • Métodos contraceptivos naturais

Baseiam-se, principalmente, em evitar a relação sexual desprotegida nos períodos em que a mulher está em seu período fértil. Para adotar esses métodos, a mulher deve ter pleno conhecimento do seu ciclo menstrual e também das alterações que ocorrem em seu corpo nesse período.

São métodos considerados naturais: a tabelinha, o método da temperatura basal e o método de Billings. O coito interrompido é também classificado como método natural, e esse se caracteriza pela retirada do pênis da vagina antes da ejaculação no momento da relação sexual.

Publicado por: Vanessa Sardinha dos Santos
Assista às nossas videoaulas

Assuntos Relacionados