Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Biologia
  3. Seres Vivos
  4. Reino Animalia
  5. Serpentes peçonhentas brasileiras

Serpentes peçonhentas brasileiras

Acidentes envolvendo mordidas de serpentes, ou ofidismo, ocorrem em todas as regiões de nosso país, por quatro gêneros: Micrurus, Bothrops, Crotalus e Lachesis, abrigando aproximadamente sessenta espécies.

Espécies do Gênero Micrurus são as chamadas corais-verdadeiras. Estas apresentam cabeça redonda e anéis vermelhos, pretos e brancos em toda a sua extensão. No caso de algumas espécies amazônicas, a coloração pode se apresentar marrom escura, com ventre avermelhado. Acidentes com estes animais são raros (0,6%). Sua mordida provoca visão dupla, queda das pálpebras, dores musculares e insuficiência respiratória aguda, caso não seja feito de forma imediata o socorro médico.


Exceto estes exemplares, os representantes dos outros gêneros possuem dentes inoculadores de veneno relativamente visíveis; e fosseta loreal: depressão localizada entre a narina e o olho.

O Gênero Bothrops abriga diversas espécies de jararacas, como a urutu-cruzeiro, jararacuçu, jararacão, cotiara e caiçara. Estas, de cabeça triangular e cauda lisa, possuem veneno com grande capacidade hemorrágica. A mordida destes animais causa inchaço, sangramento e, em muitos casos, necrose e insuficiência renal aguda. Vivem geralmente em campos, bosques e plantações. Aproximadamente 85% dos casos de ofidismo são decorrentes de indivíduos deste grupo.


As cascavéis são pertencentes ao Gênero Crotalus, e distribuem-se em todo o país, exceto em áreas florestais e litorâneas. Possuem como característica marcante um chocalho localizado na região terminal da cauda. Além dos sintomas descritos para o Gênero Micrurus, urina escura, insuficiência renal e dificuldades respiratórias também se manifestam quando se é mordido por este animal. São responsáveis por 9,2% dos acidentes ofídicos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)


Já no caso das surucurus e surucutingas (Gênero Lachesis), com incidência de 2,7% dos casos, os sintomas se assemelham aos do grupo botrópico, com braquicardia, diarreia e hipotensão associados. Possuem cauda com escamas arrepiadas, com vértebra córnea afilada. Estas serpentes são encontradas em florestas úmidas e escuras de regiões tropicais.


OFIDISMO

A maioria dos acidentes envolvendo serpentes ocorre entre os meses de setembro e março acometendo, em cerca de 70% dos casos, os membros inferiores.

Em situações assim, não se deve fazer torniquetes e tampouco cortar ou sugar o local da ferida, esta que deve ser lavada com água e sabão. A região afetada deve permanecer no máximo repouso possível, e em posição elevada. A vítima deve tomar soro, mesmo que caseiro, para se manter hidratada; sendo encaminhada ao hospital mais próximo. Caso seja possível, indica-se que se capture a serpente em questão, a fim de identificá-la e ministrar o soro antiofídico específico.

Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia

Cascavel: serpente peçonhenta brasileira.
Cascavel: serpente peçonhenta brasileira.
Publicado por: Mariana Araguaia de Castro Sá Lima

Assuntos Relacionados