Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Biologia
  3. Botânica
  4. Tipos de raízes

Tipos de raízes

Os diferentes tipos de raízes estão relacionados com suas adaptações ao ambiente ao qual estão expostas.

Raízes respiratórias no ambiente de mangue
Raízes respiratórias no ambiente de mangue

As raízes são estruturas extremamente importantes para os vegetais. É a partir dela que a planta é capaz de se sustentar e retirar água e nutrientes do substrato. Diversos tipos de raízes são encontrados e variam de acordo com o ambiente que cada espécie vive.

De maneira geral, podemos dividir as raízes em dois grandes grupos: as raízes pivotantes e fasciculadas. As pivotantes são aquelas encontradas em eudicotiledôneas e se caracterizam pela formação de uma raiz principal da qual partem as ramificações. Estas ramificações recebem o nome de raízes secundárias.

Diferentemente das raízes pivotantes, nas raízes fasciculadas não é encontrada uma raiz principal, pois nessas plantas ela geralmente tem vida curta. As raízes fasciculadas são encontradas principalmente em monocotiledôneas e são formadas por uma grande quantidade de raízes de diâmetro pequeno e por isso também recebem a denominação de cabeleira. Por não serem formadas a partir da região da radícula e sim da porção caulinar, essas raízes são consideradas adventícias.

As raízes podem ser classificadas em outros tipos mais especializados, levando em consideração suas adaptações. Veja abaixo alguns desses tipos:

- Raízes suporte: São raízes aéreas adventíceas muito importantes para a sustentação de plantas em solos que não são firmes e plantas que apresentam tamanho muito elevado, porém não possuem base de apoio eficiente. Vale destacar que elas também atuam absorvendo água e sais minerais. Como exemplo podemos citar as raízes do milho.

- Raízes tabulares: É um tipo de raiz suporte que recebe esse nome em razão de sua aparência de grandes tábuas. Elas atuam aumentando a sustentação da planta, além de ajudarem na aeração. Tipo encontrado principalmente em árvores de grande porte como o chichá.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

- Raízes respiratórias, de aeração ou pneumatóforos: Essas raízes são muito comuns em plantas que vivem em manguezais, principalmente por realizar trocas gasosas com o meio ambiente. Possuem geotropismo negativo e por isso podem ser vistas saindo do solo. Nelas são encontradas estruturas denominadas pneumatódios, que permitem a obtenção de oxigênio. Exemplo: Avicennia schaueriana.

- Raízes sugadoras ou haustórios: Essas raízes são encontradas em espécies de plantas parasitas e hemiparasitas. Elas atuam retirando seu alimento das plantas em que se estabelecem, penetrando projeções denominadas de haustórios no interior dos vasos condutores. Quando a planta é parasita (ex. Cipó-chumbo), os haustórios retirarão água e nutrientes sugando a seiva elaborada. Quando as plantas são hemiparasitas (ex. Erva-de-passarinho), elas não dependerão dos nutrientes, pois são capazes de realizar o processo de fotossíntese. Neste último caso, elas só retiram da planta hospedeira água e sais minerais.

- Raiz estranguladora: Essas raízes também são parasitas, mas, diferentemente dos haustórios, não há a penetração para a retira da seiva, ocorrendo apenas o estrangulamento da espécie hospedeira. A planta morre, pois é incapaz de crescer devido às raízes estrangulantes que envolvem seu tronco. Um exemplo de planta que possui esse tipo de raiz é o mata-pau.

- Raízes tuberosas: Raízes caracterizadas pelo espessamento devido o grande acúmulo de substâncias de reserva, principalmente carboidratos, como os grãos de amido. A reserva ocorre normalmente no tecido parenquimático. Entre as espécies que possuem esse tipo de raiz podemos citar a mandioca e a cenoura.

Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto

Assuntos Relacionados