Você está aqui Mundo Educação Curiosidades Invenções nada ocidentais

Invenções nada ocidentais

Invenções nada ocidentais
Muitas invenções que consideramos fruto da ciência ocidental já existiam em outras culturas.

Atualmente, vários estudos antropológicos atestam que o ideal de superioridade pregado no interior da cultura Ocidental não condiz com as análises comparatórias feitas entre os nossos costumes e os costumes de outras civilizações. Contudo, muitos ainda se apegam no fato de que vários intelectuais, cientistas e pensadores do Ocidente foram os grandes responsáveis pela concepção de teorias, máquinas e conceitos que nos garantiria uma posição, no mínimo, singular.

Se essa for a última fagulha que mantém acesa o sentimento de superioridade do homem ocidental, podemos dizer que algumas descobertas históricas também contrariam esse argumento. Diversos pesquisadores da Antiguidade Oriental vêm apontando que outras culturas, muito antes dos ocidentais, tiveram a capacidade de produzir conhecimento muito próximo ao postulado deixado por grandes figuras da Grécia Antiga, da Renascença ou do Iluminismo.

No século XV, o alemão Johannes Gutemberg foi responsável pelo desenvolvimento da tipografia. Por meio dessa descoberta ampliou as possibilidades de divulgação do conhecimento científico da Europa moderna. Contudo, quatro séculos antes, o chinês Pi Sheng desenvolveu um sistema que permitia a impressão de caracteres em uma base de papel. Considerando a enorme complexidade da escrita chinesa, podemos concluir que o desafio do inventor alemão foi bem mais simples.

A geometria, tão importante para o desenvolvimento das ciências exatas, foi amplamente discutida e teorizada entre os sábios filósofos gregos. Entre os mais conhecidos matemáticos dessa época estava Pitágoras, que descobriu o famoso teorema que definiu a relação existente entre os lados do triângulo retângulo. Antes dele, os antigos babilônios também concluíram que no triângulo de 90 graus, a soma dos quadrados dos lados menores era equivalente ao quadrado do lado maior.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Um raio, caindo ou não no mesmo lugar, amedronta muitas pessoas durante uma grande tempestade. Por isso, no século VII – muito antes do cientista norte-americano Benjamin Franklin – os índios anazasi, oriundos do atual estado do Novo México, descobriram a funcionalidade do para-raios. Contudo, ao invés de empinar uma pipa no meio de uma tempestade, estes astutos indígenas perceberam que objetos pontiagudos em lugares elevados poderiam conter a descarga elétrica de um raio.

Na passagem da Idade Média para a Idade Moderna, o desenvolvimento da economia mercantil levou várias nações europeias a ampliarem seus ganhos por meio da descoberta de novas rotas marítimas. Tal desafio só foi possível com a ação dos cartógrafos e astrônomos que conseguiam definir a rota das viagens pelo mar e a localização das terras. Por volta do século XVII, os europeus faziam seu primeiro mapa-múndi, que já fora inventado anteriormente pelos chineses, por volta de 1374.

Através dessas informações curiosas e pouco conhecidas, podemos notar que o ideal de superioridade intelectual da civilização ocidental não possui nenhum tipo de argumentação consistente. Mais importante do que resolver quem descobriu algo, esse tipo de curiosidade científica nos permite olhar com mais interesse e respeito os povos que não partilham valores semelhantes aos nossos.

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Assuntos Relacionados