Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Doenças
  3. Autismo

Autismo

O autismo é um importante distúrbio do desenvolvimento humano que afeta consideravelmente a capacidade de comunicação, interação social e o uso da imaginação.

Autismo
Autistas geralmente apresentam como característica o isolamento social

O autismo é um distúrbio do desenvolvimento humano que afeta de maneira considerável a vida do paciente. A seguir, falamos mais a respeito do autismo, suas possíveis causas e algumas das manifestações mais importantes desse distúrbio.

Autismo

O autismo foi descrito pela primeira vez pelo médico Leo Kanner em 1943, em um artigo que analisava 11 crianças que apresentavam dificuldade de estabelecer contato afetivo e interpessoal. Em 1944, o também médico Hans Asperger publicou um trabalho sobre crianças com características bastante semelhantes àquelas do trabalho de Kanner. Costuma-se considerar esses dois autores como os primeiros a relatarem o autismo.

Apesar de anos de pesquisa, ainda existem grandes questões que precisam de resposta quando o assunto é autismo. Atualmente, sabemos que se trata de um transtorno com diferentes graus de comprometimento, que afetam principalmente pessoas do sexo masculino e acometem principalmente a comunicação, interação social e o uso da imaginação. Esses três fatores são frequentemente chamados de tríades de dificuldades do autista e devem estar presentes em torno dos três anos de idade.

Manifestações do autismo

Algumas manifestações são comuns nos autistas, porém, é fundamental esclarecer que cada indivíduo tem sua peculiaridade e nem todas essas ocorrências estão presentes em todos. É comum que pais do paciente observem alterações por volta dos 12 meses aos 18 meses, principalmente quando a criança ainda não desenvolveu a linguagem como outros bebês da mesma faixa etária.

A seguir, destacamos algumas das manifestações mais comuns do autismo:

  • O bebê não se desenvolve como a maioria das outras crianças, não imita, não se comunica com gestos;

  • O bebê rejeita ou não gosta de colo;

  • A criança não procura o contato ocular;

  • Possui movimentos repetitivos;

  • Possui hábitos de morder-se, morder as roupas ou puxar os cabelos;

    Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
  • Dificuldade para participar de atividades em grupo;

  • Comportamentos obsessivos e ritualísticos;

  • Dificuldade de comunicação (alguns autistas nunca falam);

  • Indiferença afetiva ou ainda demonstração inapropriada de afeto;

  • Isolamento social;

  • Dificuldade em estabelecer amizades.

Existe um mito bastante conhecido de que todos os autistas tenham habilidades extraordinárias. Entretanto, esse é um dado incorreto. Estima-se que menos de 5% dos autistas apresentem altas habilidades, sendo chamados de autistas de alto desempenho. Essas pessoas, normalmente, destacam-se por sua habilidade em matemática, artes e grande capacidade de memória. As causas das altas habilidades são ainda desconhecidas.

Causas do autismo

Por muito tempo, permaneceu uma crença de que o autismo seria causado pelo comportamento da mãe, que não forneceria afeto ao seu filho. Hoje sabemos que essa não é uma verdade, já que o autismo está relacionado com uma série de fatores. Estudos indicam que o autismo é decorrente de interações de fatores genéticos, ambientais e neuroquímicos. Vale destacar que alguns trabalhos mostram risco aumentado e recorrência de autismo em famílias que já possuem filhos autistas.

Diagnóstico e acompanhamento

O diagnóstico do autismo é basicamente feito por uma avaliação do quadro clínico do paciente. É recomendado que o diagnóstico, para ser o mais preciso possível, seja realizado por uma equipe multidisciplinar.

No que diz respeito ao acompanhamento do autista, é necessária também uma equipe multidisciplinar para conseguir o melhor desenvolvimento do paciente. Entre os profissionais que podem ajudar nessa tarefa, temos os fonoaudiólogos, fisioterapeutas, psicólogos, psiquiatras e terapeutas ocupacionais.

É importante salientar que o acompanhamento correto do autista é fundamental para o desenvolvimento de suas habilidades e a interação do paciente com outras pessoas.

Assuntos Relacionados