Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Física
  3. Mecânica
  4. Elevadores em movimento vertical

Elevadores em movimento vertical

Todos nós já entramos em um elevador. No início ficamos com um pouco de receio: o que aconteceria se ele parasse no meio de seu percurso? Se os cabos de sustentação arrebentassem, ele cairia com toda velocidade, como vemos em alguns filmes? Bom, não é tão perigoso como às vezes vemos no cinema. Na verdade, o elevador é um local bem interessante para estudarmos alguns conceitos sobre Física. Por exemplo, na maior parte do seu percurso ele descreve um movimento uniforme, só perceberemos a variação de velocidade em seu movimento inicial ou final. Vamos então analisar o comportamento de um corpo no interior de um elevador.

Consideremos que uma pessoa de massa m e peso esteja sobre uma balança (modelo usado em farmácias) colocada no interior de um elevador, como mostra a figura acima. Suponhamos então que o mostrador da balança nos mostre os valores em unidades de força.

Sabemos que a pessoa sobre o prato da balança aplica uma força   e, de acordo com a Lei da Ação e Reação, o prato da balança exerce sobre a pessoa uma força de mesma intensidade, porém de sentido contrário, portanto a força é  - . Não podemos nos esquecer de que ainda sobre a pessoa está atuando a força peso .

Portanto, o mostrador da balança deverá mostrar o módulo da força aplicada no prato, ou seja, deverá mostrar o valor de . Caso o elevador esteja em repouso ou movendo-se verticalmente com velocidade constante (subindo ou descendo), a resultante das forças sobre o indivíduo é nula. Dessa forma:

FN=P   →    FN=m.g

Isto é, a marcação indicada no mostrador da balança é igual ao peso do indivíduo. De tal modo, podemos dizer que para um elevador em repouso ou MRU na vertical a força normal é igual ao peso.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

No entanto, se o elevador estiver se movimentando com aceleração não nula, a resultante das forças sobre o indivíduo não será mais nula. Assim, a força normal é diferente do peso, isto é, a balança não marcará o peso do indivíduo. Nesse caso, o valor de (que é o que a balança assinala) é chamado de peso aparente. Vamos analisar então os casos em que o elevador sobe ou desce, em movimento acelerado ou retardado, com aceleração de módulo a, lembrando que:

- num movimento acelerado, a força resultante tem o mesmo sentido do movimento ;

- num movimento retardado, a força resultante tem sentido oposto ao do movimento.

Nessa situação o elevador está subindo acelerado
Nessa situação o elevador está subindo acelerado

Nesse caso, teremos:

FN>P
FR= F_N-P=m.a
FN=m.g+m.a
FN=m.(g+a)

Nessa situação o elevador sobe retardado
Nessa situação o elevador sobe retardado

Nesse caso, teremos:

P> FN
P- F_N=m .a
FN=m.g-m.a
FN=m.(g-a)
a ≤g

Nessa situação o elevador desce acelerado
Nessa situação o elevador desce acelerado

Nesse caso, teremos:

P> FN
P- F_N=m .a
FN=m.g-m.a
FN=m.(g-a)
a ≤g

Nessa situação o elevador desce retardado
Nessa situação o elevador desce retardado

Nesse caso, teremos:

FN>P
FN-P=m .a
FN=m.g+m.a
FN=m.(g+a)

Publicado por: Domiciano Correa Marques da Silva
Na situação (a) há uma pessoa de massa m sobre uma balança no interior do elevador; na situação (b) há forças atuando na situação
Na situação (a) há uma pessoa de massa m sobre uma balança no interior do elevador; na situação (b) há forças atuando na situação

Assuntos Relacionados