Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Física
  3. Curiosidades de Física
  4. Por que não enxergamos bem debaixo d’água?

Por que não enxergamos bem debaixo d’água?

Nossos olhos não conseguem focalizar objetos embaixo d’água em virtude da proximidade dos índices de refração da água e do interior dos olhos.

Mesmo usando máscaras de mergulho para facilitar a visão embaixo d’água, ela continuará desfocada
Mesmo usando máscaras de mergulho para facilitar a visão embaixo d’água, ela continuará desfocada

Se você já tentou procurar por algo embaixo d’água, possivelmente já se deparou com a grande dificuldade que temos para enxergar nessa situação. Algumas estruturas presentes no olho humano apresentam características que dificultam a visão em certos meios ópticos.

Refração da luz

No vácuo, a luz propaga-se com sua velocidade limite (aproximadamente 3.108 m/s). Ao entrar na água, porém, sua velocidade diminui cerca de 25%. Isso acontece por causa de um fenômeno chamado refração: quanto mais refringente for um meio óptico, menor será a velocidade da luz em seu interior. A diminuição da velocidade da luz é medida por meio da razão (divisão) do módulo da velocidade da luz no vácuo e da velocidade da luz em determinado meio. Essa razão recebe o nome de índice de refração e indica quantas vezes mais rápida é a propagação da luz no vácuo em relação ao meio observado. A água, por exemplo, tem índice de refração igual a 1,33; nesse caso, a velocidade da luz no vácuo é 1,33 vezes maior no vácuo que na água.

Além da mudança de velocidade, quando a luz muda de meio óptico com diferentes índices de refração, ela pode sofrer uma mudança na sua direção de propagação, dando origem à ilusão de profundidade que temos ao olhar para o fundo das piscinas, que parecem mais rasas do que realmente são. Quando a luz deixa o ar atmosférico e incide sobre a água, que tem maior índice de refração, por exemplo, sua direção é levemente alterada e aproxima-se de uma linha vertical chamada de linha normal.

Isso acontece com a luz que incide sobre os nossos olhos: a primeira estrutura encontrada por ela é a córnea, uma fina camada protetora e transparente, preenchida com um líquido chamado humor aquoso, cujo índice de refração é similar ao da água, refratando a luz e focalizando-a sobre o cristalino: uma espécie de lente delgada e biconvexa responsável por projetar toda a luz em um pequeno ponto no fundo da retina, o nervo óptico.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O cenário muda quando estamos imersos no meio aquoso. Como o índice de refração da água é similar ao da córnea, a primeira refração sofrida pela luz é menos acentuada. Os raios de luz não são totalmente convergidos sobre o cristalino e, como consequência, não se cruzam sobre o nervo óptico, mas sim em um ponto mais distante. Observe a figura que compara a refração da luz quando estamos no ar e na água, respectivamente:


Refração da luz na água (fundo azul) e no ar (fundo branco)

Dessa forma, quando estamos submersos, nossa visão torna-se hipermétrope, dificultando a visão de objetos próximos, já que os raios de luz cruzam-se atrás da retina.

Uma das soluções mais simples de serem implementadas para enxergarmos mais facilmente embaixo d’água é por meio da introdução de uma camada de ar entre a córnea e a água com uma máscara de mergulho.

Fato curioso

As pessoas míopes conseguem enxergar melhor embaixo d’água que as demais porque o olho míope é alongado na direção horizontal, tornando o ponto de cruzamento dos raios de luz mais próximo do nervo óptico.

Assuntos Relacionados