Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Geografia
  3. Amazônia

Amazônia

Considerada a região de maior biodiversidade do planeta, o bioma Amazônia é de extrema importância para a manutenção do equilíbrio ambiental do mundo.

Amazônia é um dos biomas brasileiros e abrange territórios de países vizinhos. Conhecido como bioma de maior biodiversidade do mundo, a Amazônia possui diversas particularidades, que a diferem de todos os outros, com relação a sua vegetação extremamente densa, a sua fauna e flora diversificada ou a seus rios extensos e de extrema importância para o país.

O bioma Amazônia é o maior do país (correspondendo a, aproximadamente, 49% do território brasileiro) e abriga também a maior floresta tropical e a maior bacia hidrográfica do mundo. Esse conjunto de ecossistemas é de extrema importância para manter o equilíbrio ambiental da Terra, sendo, portanto, necessário preservá-lo. Contudo, é fato que isso não está acontecendo, baseando-nos nos índices de desmatamento, vemos que essa região está cada vez mais visada mundialmente, o que tem aumentado sua exploração.

Leia também: Bioma Cerrado: características específicas

Dados gerais

  • Abrangência: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela.

  • Área total: aproximadamente 6,9 milhões km2.

  • Área brasileira: 4.196.943 milhões de km2, segundo o IBGE.

  • Estados brasileiros abrangidos: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Maranhão e Tocantins.

Vegetação

A Floresta Amazônica apresenta vegetação densa com árvores altas, cujas copas fecham-se.
A Floresta Amazônica apresenta vegetação densa com árvores altas, cujas copas fecham-se.

Quando se fala no bioma Amazônia, referimo-nos diretamente à maior floresta tropical do mundo: a Floresta Amazônica. Aproximadamente, 22% das espécias nativas do mundo encontram-se nesse bioma e, especificamente, na floresta, que abrange uma área de cerca de cinco milhões de km2.

Além da densa Floresta Amazônica, o bioma também conta com muitos outros ecossistemas, como as várzeas (florestas alagadas) e as savanas, e com um complexo sistema hidrográfico. As florestas contínuas correspondem a, aproximadamente, 3.650.000 km².

A vegetação da Amazônia divide-se, basicamente, em três categorias:

A vegetação da Amazônia divide-se, basicamente, em três categorias:

Mata de terra firme

Mata de várzea

Mata de igapó

Tipo de vegetação localizada nas partes mais altas da região abrangida pelo bioma. Por esse motivo, as áreas de terra firme não sofrem inundações.

Exemplos: palmeira e castanheira-do-pará

Tipo de vegetação localizada nas regiões de altitude intermediária. Essas áreas encontram-se alagadas durante um determinado período do ano. As áreas que se encontram nas partes mais altas inundam-se por um tempo menor, já as áreas que se encontram um pouco mais baixas inundam-se por um tempo maior.

 

Exemplo: Palmeira, açaizeiro, açacu, andiroba.

Tipo de vegetação localizado nas regiões mais baixas do bioma, e, por esse motivo, essas áreas permanecem alagadas quase todo o ano. Essa vegetação encontra-se geralmente ao longo dos rios de águas negras.

Exemplo: espécies hidrófilas (adaptadas às regiões alagadas), como vitória-régia e bromélia.

 

Veja mais: Biografia de Chico Mendes, um grande ativista das causas ambientais

Fauna e flora

A biodiversidade da Amazônia é surpreendente e, por esse motivo, está sob os olhares do mundo todo. Muitas espécies que habitam seus ecossistemas sequer foram estudadas. Segundo a World Wide Fund for Nature Brasil (WWF Brasil), foram classificados cientificamente no bioma cerca de 40 mil espécies de vegetais; 427, de mamíferos; 1294, de aves; 378, de répteis; 427, de anfíbios; aproximadamente 3 mil espécies de peixes; e cerca de 128.840 espécies de invertebrados. Isso apenas na parte do bioma que se encontra no território brasileiro.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A respeito da flora, as espécies de vegetais dividem-se em árvores, ervas, arbustos, trepadeiras e lianas (cipós). Boa parte dessas espécies apresenta um grande potencial medicinal e, consequentemente, atrai o mercado farmacêutico, colaborando então para o crescimento econômico. Essas plantas são utilizadas também pelos indígenas que habitam a região.

Veja alguns exemplos:

Carqueja

Unha de gato

Capim-santo

- Nome científico: Baccharis trimera

- Uso: Espécie de até dois metros que apresenta potencial purificador e desintoxicante.  É utilizada para sanar problemas no fígado, problemas digestivos, úlcera, gastrite e diarreias.

- Nome científico: Uncaria tomentos

-  Uso: Espécie de trepadeira repleta de espinhos, chegando até 30 metros de altura. É utilizada como anti-inflamatório para tratar problemas gastrointestinais.

- Nome científico: Lippia alba

- Uso: Espécie de erva com folhas compridas e eretas. Utilizada para fazer chá para tratar febres, dores e problemas de estômago.


No que diz respeito à fauna, assim como à flora, muitas espécies ainda são desconhecidas pelos estudiosos, e, mesmo assim, há uma imensa variedade de animais registrada, o que evidencia a grandiosidade desse bioma. Os principais representantes da fauna amazônica são:

onça-pintada

anta

lobo-guará

capivara

jacaré

tartaruga

macaco

sucuri

peixe-boi

papagaio

arara

tucano

tatu

jararaca

 

Leia mais: Diferenças entre crocodilos e jacarés

Clima

Amazônia é uma região bastante úmida e quente, e isso deve-se à existência das florestas, que, por meio da evapotranspiração, perdem água para o meio ambiente. O Oceano Atlântico também é responsável por essa umidade elevada. O clima predominante é o equatorial úmido, com temperatura média de 27,9 ºC, durante a estação de menor umidade, e de 25,8 ºC, na estação de maior pluviosidade.

A umidade do ar chega a 88% na época das chuvas intensas, contudo, mesmo na estação seca, essa permanece elevada, chegando a 77%. Em relação à pluviosidade, chove na Amazônia cerca de 1.500 mm a 3.000 mm todos os anos, segundo a WWF Brasil.

Hidrografia

O Rio Amazonas é o maior em extensão do Brasil.
O Rio Amazonas é o maior em extensão do Brasil.

A Bacia Amazônica é uma rede de drenagem formada por um rio principal, o Rio Amazonas, e seus afluentes, ocupa uma área de, aproximadamente, 7 milhões de km2. O Rio Amazonas nasce na Cordilheira dos Andes, desaguando no Oceano Atlântico, e divide-se em três partes: quando adentra os países andinos, é chamado de Rio Marañon; ao adentrar o Brasil, é chamado de Rio Solimões; e, ao encontrar as águas do Rio Negro, passa a chamar-se Rio Amazonas. Ao percorrer esse caminho, é alimentado por diversos outros rios que nele depositam suas águas.

Os rios existentes no bioma Amazônia podem ser classificados segundo a cor de suas águas:

  • Rios barrentos: apresentam deposição de sedimentos e concentração de nutrientes. Exemplo: Rio Amazonas.

  • Rios de águas pretas: apresentam concentração de areia e húmus. Exemplo: Rio Negro.

  • Rios de águas claras: têm pouca concentração de nutrientes e sedimentos, e apresentam corredeiras. Exemplo: Rio Xingu.

Outros grandes rios da Bacia Amazônica são:

Rio Javari

Rio Tapajós

Rio Madeira

Rio Juruá

Rio Içá

Rio Purus

Rio Xingu

Rio Paru


Leia também: Qual é a cor da água?

Amazônia Legal

A Amazônia Legal é um conceito político, e não geográfico, criado pelo governo do Brasil, correspondente à área de nove estados do país, os quais abrangem toda a região do bioma Amazônia, são esses: Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e uma porção do estado do Maranhão.

Essa atual abrangência da Amazônia Legal foi instituída pela Constituição Federal de 1988, dadas as novas configurações do território brasileiro naquele período, como a criação do estado do Tocantins.

Essa região é habitada por, aproximadamente, 22 milhões de pessoas, das quais cerca de 250 mil são indígenas, de acordo com dados da Fundação Nacional da Saúde (Funasa). A área ocupada pela Amazônia Legal é de, aproximadamente, 5.217.423 km2, abrangendo, além do bioma Amazônia, também uma parte do Cerrado e do Pantanal.

A criação da Amazônia Legal tem por objetivo o planejamento e o desenvolvimento tanto econômico quanto social dos estados abrangidos pelo bioma Amazônia. Por ser uma região pouco povoada e pouco desenvolvida, viu-se a necessidade de promoção de ações que auxiliassem esses estados a crescerem.

Veja também: A importância da demarcação de terras indígenas

Desmatamento

Desmatamento da Amazônia em comparativos do mês de julho, segundo dados do Deter e Inpe.
Desmatamento da Amazônia em comparativos do mês de julho, segundo dados do Deter e Inpe.

O desmatamento do bioma Amazônia tem alertado o mundo todo, dada a sua importância para o equilíbrio ambiental mundial. Pesquisadores, ambientalistas e representantes do governo de vários países e do Brasil têm demonstrado preocupação quanto à preservação do bioma e de sua biodiversidade.

Em 2019, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apresentou dados quanto ao desmatamento do bioma. A divulgação revela que o desmatamento da Floresta Amazônica aumentou em 278% em relação ao período do ano anterior. Foram 2.254,9 quilômetros quadrados devastados, um número alarmante. Esses dados são monitorados pelo Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real, o Deter, via satélite.

Segundo informações levantadas pelo Observatório do Clima, o desmatamento na região do bioma Amazônia cresceu, entre 2018 e 2019, 49,5%, quando comparado ao mesmo período, entre 2017 e 2018. O estado do Pará é o mais afetado. De acordo com o coordenador geral do MapBiomas, Tasso Azevedo, foram devastadas cerca de 1,5 milhão de árvores em 90 dias no estado, o que representa cerca de 1.713 km2 devastados.

Dados da Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (Raisg) informam-nos de que aproximadamente 68% das áreas protegidas na Amazônia estão sofrendo alguma ameaça mediante interferências relacionadas à infraestrutura de transporte; à energia; à mineração e às queimadas. A rede também afirma que 90% do desmatamento do bioma são realizados nas proximidades das malhas viárias.

Mapa

Mapa do bioma Amazônia. (Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)
Mapa do bioma Amazônia. (Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)

Curiosidades

  • A Amazônia é considerada, pela Unesco, patrimônio natural da humanidade.

  • O Rio Amazonas, alimentado por milhares de afluentes, despeja no Oceano Atlântico cerca de 200 milhões de litros de água doce por segundo.

  • O maior animal da fauna amazônica é o peixe-boi, com cerca de meia tonelada e até três metros de comprimento.

  • No Rio Amazonas, é encontrado o maior peixe de água doce do mundo, o pirarucu.

  • O Dia da Amazônia é comemorado em 5 de setembro.

Resumo

O bioma Amazônia:

  • abrange a maior bacia hidrográfica do mundo, bem como a maior floresta tropical.

  • é considerado o conjunto de ecossistemas de maior diversidade do planeta.

  • abriga milhares de espécies de animais e vegetais, entre catalogados e desconhecidos.

  • tem em sua flora um enorme potencial medicinal, atraindo olhares do mundo todo.

  • é responsável não só pelo equilíbrio ambiental do Brasil mas também influencia toda a dinâmica climática da Terra.

  • tem sido cada vez mais desmatado, apesar de sua tamanha importância.

  • tem perdido sua cobertura vegetal em diversas áreas, alterando não só as condições climáticas da região como também colocando em risco toda a biodiversidade.

O bioma Amazônia é o maior do Brasil e considerado a área de maior biodiversidade do planeta.
O bioma Amazônia é o maior do Brasil e considerado a área de maior biodiversidade do planeta.
Publicado por: Rafaela Sousa

Assuntos Relacionados