Eclipse solar

O eclipse solar ocorre sempre que a imagem do sol sobre alguma parte da superfície terrestre é encoberta por algum corpo celeste, geralmente a Lua.

Um eclipse solar acontece sempre que há um alinhamento astronômico entre a Terra, o Sol e a Lua, de modo que a última encontra-se posicionada entre os dois primeiros, projetando uma sombra em uma área da superfície, que fica sem poder observar o brilho do Sol ou com visualização parcial.

 

Para entender melhor como ocorre o eclipse solar, confira o esquema a seguir:

Esquema explicativo de um eclipse solar
Esquema explicativo de um eclipse solar

Na área atingida pela umbra, a sombra total da Lua, o eclipse manifesta-se de forma completa, ou seja, a Lua “fica na frente” do brilho do Sol totalmente. Já na área atingida pela penumbra, a sombra parcial, o eclipse não ocorre com o mesmo efeito.

Além da posição da observação do eclipse na Terra, o fenômeno também depende de outras características que condicionam a sua aparência, como a inclinação da órbita lunar e a distância entre a Lua, a Terra e o Sol. Se a Lua estiver mais próxima, o efeito será mais tônico; se ela estiver mais afastada, o efeito será menor.

 

Tipos de Eclipse Solar

Por esse motivo, existem quatro diferentes tipos de eclipse solar, que são:

a) eclipse solar total: ocorre quando a Lua encobre totalmente a luz solar. Dessa forma, o dia transforma-se em noite durante a duração do fenômeno.

Eclipse solar total, com o sol totalmente encoberto pela lua
Eclipse solar total, com o sol totalmente encoberto pela Lua

b) eclipse solar parcial: acontece quando apenas uma parte do Sol é encoberta pela Lua. Nesse caso, praticamente não há alteração da luminosidade do dia.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Sequência de imagens, da esquerda para a direita, de um eclipse solar parcial
Sequência de imagens, da esquerda para a direita, de um eclipse solar parcial

c) eclipse solar anular ou anelar: é quando a Lua está a uma distância maior da Terra e o seu tamanho aparente não é o suficiente para recobrir toda a projeção solar. Por essa razão, forma-se um anel em torno da sombra da Lua.

Imagem de eclipse solar anelar
Imagem de eclipse solar anelar

d) Eclipse solar híbrido: é quando o eclipse é total em algumas áreas e parcial em outras.

Os eclipses geralmente não se repetem da mesma forma no mesmo local. Na verdade, existe um ciclo de tempo para que uma determinada sequência de eclipses volte a ocorrer, ciclo esse que recebe o nome de Período de Saros, cuja duração é de 18 anos, 11 dias e 8 horas. Durante esse período, ocorre 41 eclipses solares e 29 eclipses lunares.

Apesar de toda essa frequência, um eclipse solar total é uma verdadeira raridade, pois eles não costumam ocorrer no mesmo local sempre. No caso do Brasil, por exemplo, os últimos eclipses desse tipo ocorreram em 1991, no norte do país, e em 1994, na região sul. A previsão do próximo é para o ano de 2045. Além disso, é importante ressaltar que esse fenômeno (parcial ou total) não deve ser observado diretamente, pois os raios infravermelhos podem queimar a nossa retina, sendo necessária a utilização de óculos específicos ou até projeções. 

O eclipse solar é um espetáculo sem igual na natureza
O eclipse solar é um espetáculo sem igual na natureza
Publicado por: Rodolfo F. Alves Pena

Assuntos Relacionados