Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Gramática
  3. Classe de palavras
  4. Pronomes
  5. Peculiaridades relativas ao emprego de alguns pronomes

Peculiaridades relativas ao emprego de alguns pronomes

Atentemo-nos aos dizeres do grande escritor modernista Oswald de Andrade:


Pronominais         


Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido

Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro

Oswald de Andrade


Traços de cunho ideológico à parte, focaremos nossa atenção no primeiro verso da primeira estrofe e no último da segunda. Tais excertos, quando comparados mediante a linguagem coloquial e a padrão, nos conduzem à ideia de que somos compelidos a seguir um sistema convencional, pré-determinado pela norma culta que rege a linguagem. Nada implicaria na alteração de sentido se optássemos por utilizar o segundo exemplo, mas o fato é que este não se adéqua à modalidade culta.

O exemplo foi somente para ilustrar uma recorrente prática no que se refere ao emprego inadequado de alguns pronomes, assim como tantas outras ocorrências, todas concernentes à classe em questão. Assim, no intuito de familiarizarmo-nos com o assunto, sobretudo no sentido de constatarmos alguns “desvios” e, consequentemente, colocarmos em prática os conhecimentos adquiridos, analisemos:

Desejamos uma sociedade onde prevaleça mais igualdade e menos injustiça X Desejamos uma sociedade na qual prevaleça mais igualdade e menos injustiça.

O termo “onde” não se adéqua ao discurso, visto que sintaticamente falando ele exerce a função de adjunto adverbial de lugar. Portanto, o correto é optarmos pela segunda alternativa, pois o pronome relativo “na qual” cumpre suas reais funções, ou seja, a de substituir seu antecedente (o substantivo “sociedade”).

Márcia penteou seus cabelos X Márcia penteou os cabelos.

O emprego do pronome possessivo implica tão somente em uma redundância, haja vista que a ideia de posse já está explícita, pois os cabelos pertencem ao praticante da ação (no caso, Márcia). Assim sendo, o correto é utilizarmos a segunda opção.

Este é seu amigo X Esse é seu amigo.

Temos que o pronome demonstrativo “este” indica algo que está próximo à pessoa que fala, e o pronome “esse”, próximo à pessoa com quem se fala. Logo, o correto é dizermos : Esse é seu amigo.

O uso da expressão o (a) mesmo (a) em detrimento ao emprego de um pronome:


Não toque neste aparelho, pois o mesmo está com defeito X Não toque neste parelho, pois ele está com defeito.

O uso da expressão o (a) mesmo (a) em detrimento ao emprego de um pronome é considerada errônea, visto que nesse caso o ideal é optarmos por utilizá-lo, pois assim estabeleceríamos a correta atribuição, constatando-se como verdadeira a segunda alternativa.

Eu o amo X Eu lhe amo

Este caso é um típico exemplo relacionado à transitividade verbal, uma vez que o emprego do pronome está a ela associada. De tal modo, o verbo amar classifica-se como transitivo direto, pois quando amamos, amamos alguém, sem o uso da preposição. Certo é dizermos: Eu o amo.

Isto é para eu fazer X Isto é para mim fazer

Quando analisada, a oração nos revela que “eu” é o sujeito desta, e se encontra anteposto a um verbo no infinitivo. Logo, o pronome oblíquo não funciona como sujeito, e sim como complemento, como por exemplo: As encomendas foram entregues para mim. Portanto, tem-se como correta a expressão: Isto é para eu fazer.

Por Vânia Duarte
Graduada em Letras

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
Publicado por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Assuntos Relacionados