Reclamamos algo ou de algo?

Mediante as circunstâncias que norteiam nosso cotidiano, são muitas as razões que temos para expressar nossa insatisfação acerca de algo, não é verdade? Reclamamos da demora no atendimento, do caos no trânsito, dos altos preços das mercadorias, enfim, são muitas as circunstâncias que nos levam a tomar tal atitude.

Contudo, deixemos questões mundanas de lado e partamos enfim para as questões relacionadas a aspectos linguísticos: o verbo reclamar obedece à qual regência? Reclamamos algo ou de algo?

Como sabemos, quando nos referimos à regência, estamos exatamente falando da relação existente entre os verbos e seus respectivos complementos, ou seja, em quais circunstâncias devemos fazer uso ou não da preposição. Partindo dessa premissa, podemos nos apoiar em algumas questões, sendo essas expressas por:

Reclamarmos de algo é o mesmo que nos queixarmos de algo. Nesse caso, temos que o verbo em evidência se classifica como transitivo indireto, o qual requer o uso da preposição. A título de representação, vejamos:

Os professores reclamaram da falta de organização na sala de aula.

Fazemos aqui a seguinte pergunta ao verbo: os professores reclamaram do quê? da falta de organização na sala de aula.

Analisemos, pois, este outro caso:

Todos reclamaram seus direitos durante a reunião.

Deparamo-nos com um verbo transitivo direto, uma vez que todos reclamaram o quê? seus direitos durante a reunião. O sentido que se atribui à ação verbal é o de exigir, reivindicar.

Outro aspecto que está relacionado ao verbo em questão é o fato de que, dependendo do contexto em que estiver empregado, ele poderá também ser intransitivo, ou seja, possuir sentido por si só e dispensar qualquer tipo de complemento, como bem nos demonstra o exemplo a seguir:

Os alunos reclamaram muito.

Por Vânia Duarte
Graduada em Letras

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
Tal verbo, dependendo do contexto, pode assumir distintas posições
Tal verbo, dependendo do contexto, pode assumir distintas posições
Publicado por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Assuntos Relacionados