A Revolta de Beckman

A Revolta de Beckman
Abastecimento: uma questão delicada entre Portugal e os colonos maranhenses

A região do Maranhão, até meados do século XVII, foi considerada um dos mais importantes centros econômicos da sociedade colonial. Ao mesmo tempo em que oferecia uma excelente localização geográfica, a região também despontou como um dos maiores centro de produção de açúcar e algodão da colônia.

Apesar de ter sido uma importante fonte de divisas para o império português, as contradições das relações coloniais impulsionaram um episódio conflituoso entre a metrópole e os colonos daquela região. O fato é que a administração portuguesa não tinha meios suficientes para que a economia da região se sustentasse.

Tal deficiência acabou fazendo com que a falta de produtos manufaturados e peças de escravos fossem problemas comuns entre os colonos maranhenses. A carestia de recursos motivou a população local a escravizar índios e expulsar os padres jesuítas que ali se encontravam. Pressionados por esse primeiro levante, os portugueses prometeram dar melhores condições de vida aos revoltosos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Em 1682, a metrópole criou a Companhia de Comércio do Maranhão, que se comprometeu a fornecer regularmente mercadorias da Europa, destinar anualmente cerca de 500 escravos à região e comprar os produtos agrícolas a preço justo. Com o passar do tempo, Portugal não cumpriu os acordos e os colonos mais uma vez se mobilizaram.

Nesse segundo conflito, liderado pelos irmãos Manuel e Tomas Beckman, voltaram a expulsar os jesuítas da região e dissolveram a Companhia de Comércio do Maranhão. Mesmo apenas reivindicando melhorias na administração colonial, o governo português reprimiu violentamente o movimento. Contando com um número restrito de participantes, a Revolta dos Beckman foi rapidamente suprimida e seus líderes condenados à morte.

Assuntos Relacionados