Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História do Brasil
  3. Brasil Império
  4. As artes no Brasil Imperial

As artes no Brasil Imperial

As artes no Brasil imperial realizavam uma busca de elementos da identidade nacional, José de Alencar é um dos artistas que podemos destacar desse período.

Respirando os ares das revoluções e do nacionalismo, o Brasil do século XIX esteve marcado pelo interesse em se pensar a “nação brasileira”. Artistas e intelectuais realizavam a busca por elementos de identidade em uma época na qual as modas parisienses eram abraçadas pelas elites. Nesse sentido, a europeização teve grande influência para que a produção literária, a pintura e a música ganhassem espaço entre um pequeno universo de pessoas instruídas no Brasil.

Na literatura, Gonçalves Dias e José de Alencar se aventuravam pelo romantismo com a construção de heróis indígenas que se tornavam grandes símbolos da nação. Ao mesmo tempo, nessa mesma tendência de construção identitária, poetas como Castro Alves proporcionavam versos que combinavam qualidade estética e a denúncia aos horrores que se ligavam à escravidão. Com isso, o índio e o negro eram abraçados como importantes formadores de nossa gente.

Apontando ainda para o afrancesamento dos costumes, vemos que a população alfabetizada também consumiria o romance de folhetim. Nele encontramos histórias de amores impossíveis que alimentavam a imaginação de várias jovens educadas para uma vida de submissão. No fim desse século, o realismo promoveu uma guinada buscando realizar uma descrição menos fantasiosa e mais racional do mundo. Entre os vários ícones desse momento, destacamos a valorosa obra de Machado de Assis.

Na cena musical, o Brasil teve um grande instante de notoriedade com o frisson causado pela ópera “O Guarani”. Carlos Gomes, autor da obra, se inspirou na obra homônima de José de Alencar para exercitar o conhecimento musical erudito acumulado nos anos em que estudou na Itália. Nos nascentes centros urbanos, já podemos vislumbrar o diálogo entre os ditames da música clássica e popular nas obras de Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga, com suas marchinhas carnavalescas geniais.

Nas artes plásticas, a Academia Imperial de Belas-Artes foi um passo significativo para que os pintores nacionais ganhassem mais espaço. Até então, uma boa parte dos quadros que tematizavam a nação era fruto de missões artísticas estrangeiras. Na época, podemos grifar o legado dos pintores Vítor Meireles, Pedro Américo e Almeida Júnior. Em geral, vemos nesses quadros a representação de cenas históricas e políticas, bem como a das figuras típicas da população urbana e caipira.

A variedade de manifestações artísticas dessa época poderia ser vista como um desdobramento significativo da prosperidade material alcançada pela economia cafeeira. O crescimento dos centros urbanos e a disseminação das instituições de ensino, apesar de sua ação restrita, moldavam um novo momento para o estado das artes. Com o passar do tempo, esses vários braços da arte brasileira experimentaram outras possibilidades que trouxeram à tona outros talentos e outros contextos da história nacional.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

José de Alencar e Carlos Gomes foram alguns dos expoentes da arte no Brasil do século XIX.
José de Alencar e Carlos Gomes foram alguns dos expoentes da arte no Brasil do século XIX.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa

Assuntos Relacionados