Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História do Brasil
  3. Brasil Império
  4. Cinco curiosidades sobre D. Pedro I

Cinco curiosidades sobre D. Pedro I

Com estas cinco curiosidades sobre D. Pedro I, você poderá entender melhor a vida desse importante personagem que marcou a história do Brasil e de Portugal.

D. Pedro I, o primeiro chefe político do Brasil independente e um dos principais protagonistas da Independência, foi um homem de biografia tumultuada, tido como herói e vilão (a depender da fase histórica) – tanto em Portugal quanto no Brasil –, com vícios e virtudes bastante acentuados. Neste texto, elencamos cinco aspectos de sua vida que ajudam a compreender um pouco mais de sua história.


1) Hiperatividade

D. Pedro I, segundo filho de D. João VI de Portugal e D. Carlota Joaquina, nasceu em 12 de outubro de 1798. Permaneceu em Portugal até próximo aos 10 anos de idade, já que teve que sair do país natal com toda a Família Real rumo ao Brasil. Isso ocorreu no contexto das guerras napoleônicas. Passando a adolescência e a juventude no Brasil, D. Pedro revelou-se um sujeito frenético e efusivo. Segundo a historiadora Isabel Lustosa, D. Pedro era “possivelmente, o que hoje os médicos diagnosticam como uma pessoa hiperativa. Vivia em permanente movimento, não sabia o que era sossego, repouso, tédio e também não conheci a fadiga.”[1]

Essa hiperatividade pode ser notada em outra descrição da mesma historiadora. Segundo Lustosa, D. Pedro era:

[…] matinal, dinâmico, sóbrio (quase não bebia, apenas um copo de vinho do Porto nas refeições, acompanhado de muito copos de água), ocupara integralmente o seu tempo. Levantava-se da cama entre cinco e seis horas da manhã, e segundo reverendo Walsh, “por já estar acordado, não se mostra disposto a deixar os outros continuarem dormindo”, começando a disparar sua espingarda de caça pelo palácio até que a família inteira estivesse de pé. [2]

Essas características de personalidade foram determinantes para a vida política do primeiro imperador do Brasil.


2) Ataques epilépticos

D. Pedro, porém, sofria da mesma moléstia que acometeu personalidades como os escritores F. Dostoiévski e Machado de Assis: a epilepsia. Os seus ataques epilépticos passaram a ocorrer desde pelo menos 1811. Como narra também Isabel Lustosa:

Já em 1811, no Rio de Janeiro, com a idade de treze anos, há notícias de ataques de convulsão sofridos por d. Pedro. Cinco anos depois, o marquês de Valada escrevia ao marquês de Aguiar dizendo: “O nosso adorado príncipe tinha sofrido em um dia três ataques sucessivos de acidentes, padecendo pela primeira vez a mesma enfermidade da Sereníssima Senhora Infanta d. Isabel Maria”. Por ocasião das solenidades pelo aniversário de d. João VI, em 13 de maio de 1816, na revista às tropas, todo o público presenciou o ataque epiléptico sofrido pelo príncipe. [3]


3) Traições a Leopoldina da Áustria

A primeira esposa de D. Pedro foi Maria Leopoldina, arquiduquesa da Áustria, filha do imperador austríaco Francisco I. Leopoldina era cunhada de Napoleão, já que sua irmã, Maria Luísa, fora casada com o imperador francês. Além disso, Leopoldina teve uma educação esmeradíssima, sob a supervisão do ministro de Francisco I, príncipe de Metternich. Tinha muito interesse em mineralogia e botânica. Foi também amiga do músico Schubert e do poeta Goethe.

Leopoldina e D. Pedro casaram-se em 13 de maio de 1817, em Viena. Entretanto, não demorou muito para que o agitado marido levasse a cabo a infidelidade. A principal amante de D. Pedro I foi Domitila de Castro Canto e Mello, que receberia o título de Marquesa de Santos. D. Pedro e Domitila começaram o seu romance em agosto de 1822, um mês antes da Independência concretizar-se. O caso, ao contrário de outros que o imperador tivera, tornou-se público e escandaloso, a ponto de Domitila valer-se da má fama para galgar os degraus da corte brasileira. O primeiro posto na corte que recebeu de D. Pedro foi o de primeira-dama da imperatriz Leopoldina, fato que ocorreu em 4 de abril de 1825.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Mas os escândalos sexuais de D. Pedro foram ainda mais além, chegando ao ponto de se relacionar com uma irmã casada da Marquesa de Santos. Isso também narra Isabel Lustosa:

Mal se iniciara o romance com Domitila, o “insaciável estroina”, como o chama um biógrafo, já se metia sob os lençóis de Maria Benedita, irmã mais velha da amante e casada com Boaventura Delfim Pereira. D. Pedro precisaria a data de pelo menos um dos encontros que manteve com Benedita em carta a um amigo. Falando de seus filhos bastardos, refere-se àquele “que foi feito naquela noite de 27 de janeiro de 1823 e nasceu em 5 de novembro do mesmo ano, por um motivo bem simples, que a mãe não era burra”. [4]


4) Abdicação do trono brasileiro

Em 7 de abril de 1831, D. Pedro I, imperador já há quase dez anos, abdicou do trono em favor de seu filho Pedro de Alcântara (futuro D. Pedro II). Essa abdicação resultou de intensas manifestações da elite política brasileira insatisfeita com seu reinado. A economia, por exemplo, percorreu sérios caminhos à época, a ponto de o Banco do Brasil ter que ser fechado. A saída do imperador, nascido em Portugal, e a expectativa de se alçar ao trono outro imperador propriamente brasileiro (Pedro II) apascentavam os ânimos dos opositores de D. Pedro.


5) Guerra contra o irmão e morte por tuberculose, em 1834

Após a abdicação, D. Pedro I passou um tempo na Inglaterra. Quando seu irmão, D. Miguel, tentou usurpar o trono português – à época pertencente à filha de D. Pedro, D. Maria II, a quem o imperador (que sucedeu o pai, D. João VI, após a morte deste em 1826) também havia confiado o cargo –, teve início a Guerra Civil Portuguesa. Essa guerra tornou-se intensa nos anos de 1833 e 1834, mas D. Pedro I, que era chamado de D. Pedro IV, em Portugal, conseguiu derrotar seu irmão e restituir o trono à filha.

Entretanto, a tuberculose, que não tinha tratamento eficaz à época, já consumia o imperador por dentro, ainda que contasse apenas 36 anos de idade. Em 24 de setembro, D. Pedro faleceu em Lisboa. Como diz Otávio Tarquínio de Sousa:

[…] os tiros em funeral anunciaram […] que o […] Libertador já não existia”. A 25 foi o seu cadáver autopsiado: “Raro era o órgão indispensável à vida que não apresentasse lesões. O coração e o fígado hipertrofiados. O pulmão esquerdo denegrido, friável, sem aparência vesicular quase todo, apenas numa pequena porção da parte superior era permeável ao ar. Os rins, onde fora encontrado um cálculo, inconsistente, esbranquiçados. O baço amolecido, a desfazer-se todo.” [4]

NOTAS

[1] LUSTOSA, Isabel. D. Pedro I – Um herói sem nenhum caráter. Companhia das Letras: São Paulo, 2006.

[2] LUSTOSA, Isabel. Idem.

[3] LUSTOSA, Isabel. Ibidem.

[4] SOUSA, Otávio Tarquínio de. “A vida de Dom Pedro I” (tomo 3º). In: História dos Fundadores do Império (Volume II). Senado Federal, Conselho Editorial, 2015. p. 1035.

D. Pedro I foi um dos principais responsáveis pela Independência do Brasil
D. Pedro I foi um dos principais responsáveis pela Independência do Brasil
Publicado por: Cláudio Fernandes

Assuntos Relacionados