Guerra dos Emboabas

O início das atividades mineradoras na região de Minas Gerais pode ser considerado um dos grandes marcos na história do Brasil Colonial. Além de se estabelecer como uma nova fonte de lucros para a Coroa Portuguesa, a descoberta de metais preciosos proporcionou um novo conjunto de mudanças na sociedade e na ocupação territorial da época. É interessante perceber que a mineração contribuiu com o processo de urbanização das regiões interioranas do Brasil.

Destacada essa importância, não podemos nos esquecer que a mineração foi uma atividade econômica conseqüente às explorações dos bandeirantes realizadas, principalmente, no interior do Brasil. Sendo a descoberta de ouro e pedras preciosas um antigo sonho dos colonos, o estabelecimento dessa nova atividade promoveu intensas disputas entre bandeirantes e portugueses.

Com o anúncio da descoberta das primeiras regiões auríferas, o número de portugueses que se fixaram em terras brasileiras aumentou significativamente. Os bandeirantes paulistas, descobridores das jazidas, passaram a sofrer com a concorrência dos colonos que chegaram logo depois. Julgando ter maiores privilégios sob a exploração aurífera, os bandeirantes organizaram um movimento armado contra os “emboabas” (termo utilizado na época para designar os forasteiros).

A rixa entre portugueses e bandeirantes se arrastou durante dois anos. Sob a liderança do português Manuel Nunes Viana, os portugueses expulsaram os bandeirantes de Minas Gerais. Com a expulsão os bandeirantes foram em busca de ouro nas regiões de Goiás e Mato Grosso.


Por Rainer Sousa
Mestre em História
Pintura anônima do século XVIII, representando a Guerra dos Emboabas
Pintura anônima do século XVIII, representando a Guerra dos Emboabas
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assista às nossas videoaulas

Assuntos Relacionados