Revolta dos Malês

A Revolta dos Malês foi uma revolta de africanos escravizados que aconteceu na cidade de Salvador, em 1835, e mobilizou cerca de 600 africanos.

A Revolta dos Malês foi uma revolta de escravos que aconteceu na cidade de Salvador, na Bahia, em 1835. Essa foi a maior revolta de escravos da história do Brasil e mobilizou cerca de 600 escravos que marcharam nas ruas de Salvador convocando outros escravos a se rebelarem contra a escravidão. A Revolta dos Malês, que ficou marcada pela grande adesão de africanos muçulmanos, acabou fracassando e os envolvidos foram duramente punidos.

Escravidão no Brasil

A escravidão foi introduzida no Brasil ainda no século XVI pelos portugueses. Os primeiros africanos a desembarcarem como escravos foram trazidos para Recife. Ao longo de mais de 300 anos de escravidão, indígenas, africanos e crioulos (nascidos no Brasil) sofreram com a violência e a exploração dessa instituição.

Os escravos, por sua vez, não eram passivos à sua situação e resistiam ao trabalho escravo de diversas maneiras. Os escravos poderiam fugir individualmente ou até coletivamente e muitos dos que fugiam se abrigavam em quilombos, um reduto de escravos fugidos que teve em Palmares seu grande símbolo.

As revoltas também eram um ponto importante e muitas delas eram violentas. Nelas, os escravos voltavam-se contra seus senhores ou até mesmo contra as próprias autoridades da região em que eram escravizados. A Bahia foi um grande símbolo de revoltas de escravos, sobretudo na primeira metade do século XIX.

Acesse também: Entenda as diferenças da escravidão de indígenas e africanos

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Revoltas na Bahia escravista

Na primeira metade do século XIX, a Bahia recebeu um grande número de africanos escravizados, sobretudo nagôs (iorubás) e haussás. A grande presença de africanos naquele estado contribuía para que eles se organizassem contra a escravidão, mas a rebeldia dos escravos instalados na Bahia é explicada também pelo fato de que esses dois grupos citados haviam um histórico recente de envolvimento em guerras.

Na primeira metade do século XIX, aconteceram trinta revoltas de escravos na Bahia, das quais metade aconteceu na década de 1820, conforme pontua o historiador João José Reis|1|. A Revolta dos Malês foi o maior exemplo dessas revoltas escravas na Bahia do XIX, mas além dela outras revoltas aconteceram, como foi o caso da Revolta de 1807.

No caso da Revolta de 1807, uma conspiração de escravos foi descoberta em maio daquele ano. Os escravos que estavam se organizando, planejavam atacar igrejas católicas, queimar imagens católicas e promover a ascensão de um líder muçulmano no poder de Salvador. Os planos dos escravos incluíam a expansão territorial por parte do Nordeste brasileiro.

Outras revoltas aconteceram em 1809, 1814, 1826 etc. A maior revolta africana que aconteceu no Brasil foi a Revolta do Malês, que se passou em Salvador em 1835. Essa revolta mobilizou cerca de 600 africanos escravizados e, apesar de ter sido fracassada no final, a possibilidade de novas revoltas de escravos atemorizou os senhores de escravos, sobretudo pelo medo de que o exemplo haitiano pudesse se repetir aqui.

Participantes

A Revolta do Malês aconteceu em Salvador, em 25 de janeiro de 1835. Na época, a capital da Bahia possuía cerca de 65 mil habitantes e desse número cerca de 40% era de escravos. Se fosse aglomerada toda a população de negros em Salvador, o número chegava a 78% da população da cidade. Assim, somente 22% da população de Salvador era de brancos|2|.

Os envolvidos nessa revolta foram, em sua maioria, escravos nagôs (também conhecidos como iorubás) e haussás – embora os segundos estivessem em menor número. Os participantes da revolta eram, em geral, muçulmanos, embora tenham existido aqueles que fossem adeptos de religiões de matriz africana.

O grande número de muçulmanos participando dessa revolta influenciou na forma como ela foi chamada. A palavra “malês” utilizada para nomear o acontecimento é derivado de imalê, que no idioma iorubá significa “muçulmano”. Ao todo, cerca de 600 africanos participaram da Revolta do Malês.

Os envolvidos com a Revolta do Malês optaram por fazer sua revolta no final do Ramadã, mês sagrado para os muçulmanos. Os africanos escolheram exatamente o dia da festa conhecida como Lailat al-Qadr, traduzida como Noite da Glória, que relembrava o dia em que o Corão foi revelado a Muhammad (Maomé).

Essa revolta foi formada exclusivamente por escravos nascidos na África, e os historiadores possuem algumas evidências que apontam que os africanos envolvidos na revolta, caso fossem vitoriosos, voltariam-se contra todos aqueles que tivessem nascidos no Brasil, sejam eles escravos ou livres.

Os escravos que participaram da Revolta do Malês eram majoritariamente escravos urbanos e trabalhavam em diversos ofícios como sapateiros, ferreiros, carregadores de cadeira etc. Os escravos da lavoura era a minoria dos envolvidos e os poucos que participaram da revolta vieram da região do Recôncavo Baiano.

Líderes

A Revolta dos Malês contou com oito líderes dos quais a maioria era nagô. O nome dos líderes dessa revolta eram:

  1. Ahuna

  2. Pacífico Licutan

  3. Sule ou Nicobé

  4. Dassalu ou Damalu

  5. Gustard

  6. Manuel Calafate

  7. Luís Sanim (esse era do povo tapa e também chamados de nupes)

  8. Elesbão do Carmo ou Dandará (esse era haussá)

Como terminou a Revolta dos Malês?

A revolta eclodiu na madrugada do dia 25 de janeiro de 1835. Na ocasião, alguns escravos rebelaram-se abruptamente, porque sua conspiração havia sido denunciada. Todo o planejamento tinha sido realizado pelos escravos urbanos – aproveitavam-se do fato de possuírem uma maior liberdade em relação ao escravo da lavoura.

As reuniões aconteceram em diversos locais de Salvador, como nos locais de trabalho. Os escravos africanos que se rebelaram estavam usando um abadá branco (roupa típica dos muçulmanos) e estavam usando amuletos com escritos do Corão em árabe, como forma de proteção. As batalhas estenderam-se na cidade de Salvador por quatro horas e resultou na morte de 70 africanos e 9 mortos daqueles que lutaram contra os africanos|3|.

A última batalha aconteceu em um local de Salvador chamado Água de Meninos e ali, os africanos foram derrotados. O combate em Água de Meninos estendeu-se até por volta das 4 horas da madrugada e muitos dos escravos encurralados tentaram fugir a nado pelo mar e muitos se afogaram tentando fazer isso.

Acesse também: Entenda a revolta que agitou Salvador entre 1837 e 1840

  • Formas de punição

O historiador João José Reis listou que as formas de punição foram as seguintes: prisão simples, prisão com trabalho, açoite, morte e deportação para a África|4|. Houve casos de africanos sentenciados a sofrer 1200 chibatadas e dezesseis foram condenados à morte, mas desses, 12 reverteram sua pena e só quatro foram de fato executados.

O acontecimento da Revolta dos Malês aumentou consideravelmente a repressão sobre os escravos africanos na Bahia nos anos seguintes. Essa repressão afetou tanto escravos como libertos e existem estudos que afirmam que dos 5 mil libertos que habitavam em Salvador cerca de 20% foi forçada a retornar para a África|5|.

Esses libertos obrigados a retornar para a África foram o reflexo de uma lei aprovada em Salvador no mesmo ano da Revolta dos Malês, que afirmava que todos os africanos suspeitos de envolvimento com revoltas seriam deportados para o continente africano.

|1| REIS, João José. Revoltas Escravas. In.: SCHWARCZ, Lilia Moritz e GOMES, Flávio (orgs.). Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 393.

|2| REIS, João José. A Revolta dos Malês em 1835. Para acessar, clique aqui.

|3| REIS, João José. Revoltas Escravas. In.: SCHWARCZ, Lilia Moritz e GOMES, Flávio (orgs.). Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 395.

|4| Idem nota 2.

|5| BRITO, Luciana. Retornados Africanos. In.: SCHWARCZ, Lilia Moritz e GOMES, Flávio (orgs.). Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 387.

A cidade de Salvador foi palco da maior revolta de escravos da história do Brasil.
A cidade de Salvador foi palco da maior revolta de escravos da história do Brasil.
Publicado por: Daniel Neves Silva
Assista às nossas videoaulas

Assuntos Relacionados