Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Média
  4. A literatura de Pedro Abelardo e São Tomás de Aquino

A literatura de Pedro Abelardo e São Tomás de Aquino

São Tomás de Aquino: um dos maiores filósofos medievais
São Tomás de Aquino: um dos maiores filósofos medievais

A Igreja Católica manteve uma herança romana que serviu de união entre as diversas nações da Europa Ocidental: o latim. Essa língua era empregada na lei, na ciência, na filosofia e em quase toda a literatura antes do século XIII. Em latim escreveram grandes filósofos da Idade Média, como Pedro Abelardo e São Tomás de Aquino.

Abelardo foi um filósofo ciente de seu talento. Como professor, obteve extraordinário sucesso. Durante vários anos estudou e atuou em Paris, atraindo grandes multidões às suas conferências sobre filosofia e teologia. Sua vida foi agitada e ficou famosa pelo seu romance com Heloisa, sobre o qual escreveu pungentemente em sua autobiografia chamada História Calamitatum Mearum, A história dos meus infortúnios.

O pensamento de Pedro Abelardo foi todo fundamentado na lógica e na dialética. Um de seus famosos trabalhos foi Sic et Non, Sim e Não. Após uma rápida introdução religiosa, o livro é dividido em questões teológicas e filosóficas e embaixo de cada uma, em colunas opostas, há duas citações, uma apoiando a afirmativa e a outra a negativa. Escreveu ainda Nosce te Ipsun, Conhece-te a ti mesmo, tratado de filosofia moral no qual defende a ideia de que o pecado não está no ato que se pratica, mas sim na intenção.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

São Tomás de Aquino foi o mais famoso dos filósofos escolásticos. O cristianismo da Alta Idade Média foi construído a partir do pensamento dele, baseado na obra Suma Teológica, que exerceu profunda influência no espírito cristão do período. O filósofo buscou inspiração no pensamento aristotélico que apresentava grande harmonia com as concepções religiosas da época.

O grande santo da igreja desenvolveu seu pensamento admitindo a supremacia das autoridades eclesiásticas sobre o poder temporal, argumentando que a verdade absoluta era alcançada através da razão, mas com o auxílio da fé. Escreveu também sobre política e economia.

Assuntos Relacionados