Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Média
  4. Helenização do Cristianismo em Clemente de Alexandria

Helenização do Cristianismo em Clemente de Alexandria

“A helenização do Cristianismo em Clemente de Alexandria pode ser percebida em sua principal obra, a Exortação aos Gregos.”

A expansão do cristianismo, nos três primeiros séculos de nossa era, abarcou regiões como o Oriente Médio, a Ásia Menor, o Norte da África e a Europa. Todas essas regiões estiveram, outrora, sob os domínios do Império Helenístico (construído por Alexandre Magno, da Macedônia) e do Império Romano. Assim sendo, houve o encontro entre a cultura greco-romana e a cultura judaico-cristã nessas regiões. Esse encontro foi fundamental para a universalização da religião cristã, bem como para estabelecer as bases da civilização ocidental. Entre os atores históricos responsáveis pela integração entre os elementos intelectuais e espirituais das duas tradições, estão os “Pais da Igreja” e, entre eles, Clemente de Alexandria.

Clemente de Alexandria (ou Tito Flávio Clemente), ateniense, nascido em 150 d.C. e morto na Palestina, em 215 d.C., é tido por muito historiadores e filósofos como o mais erudito dos primeiros “Pais da Igreja” atuantes no século III. Por “Pais da Igreja” entende-se os primeiros bispos que seguiram evangelizando os antigos povos pagãos, seguindo o exemplo dos doze apóstolos e o de Paulo de Tarso. Clemente era grande conhecedor do grego clássico (estilo em que foram escritas as obras de filosofia, de teatro e de história da Grécia Antiga), bem como do grego comum (ou koiné, no qual foram escritos os quatro evangelhos e os outros livros que compõem o Novo Testamento). Além disso, Clemente também conhecia a vasta literatura judaica lida à época, a exemplo da obra de Fílon de Alexandria, que articulava o pensamento de Platão com a mística judaica.

Todo esse conhecimento lhe deu a vantagem de saber escolher bem as ferramentas para a sua pregação e defesa do cristianismo. Pode-se dizer que Clemente operou uma helenização do cristianismo, isto é, assentou a mensagem cristã sobre as bases do pensamento grego, sobre o processo de compreensão lógica e argumentativa. Isso seria fundamental para o pensamento dos dois maiores doutores da história da Igreja, Santo Agostinho e São Tomás de Aquino.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A principal obra de Clemente intitula-se Exortação aos Gregos, na qual ele procura destacar os elementos do pensamento helenístico que se aproximavam da verdade cristã, isto é, a realidade de Cristo como o Logos divino, a inteligência criadora de Deus. A busca filosófica pela verdade e a fuga do discurso mitológico era, para Clemente, um prenúncio necessário para a recepção da mensagem cristã no mundo. O mistério da encarnação do “Logos” e da revelação da “Verdade” aos homens teria, no discurso filosófico, um momento de ordem, de construção argumentativa.

A exortação de Clemente aos gregos, cujo objetivo final também era a conversão destes, era munida de uma retórica eloquente, que visava deixar o caminho aberto para quem quisesse seguir a “vontade do Pai”, tal como se percebe no seguinte trecho:

[...] se tu queres, recebe, tu também, a iniciação e tomarás parte no coro dos anjos em torno de Deus, enquanto o Logos de Deus se unirá a nossos hinos. Este é o eterno Jesus, o único grande sacerdote do Deus único que também é seu pai; ele ora pelos homens e os exorta: 'Escutai, tribos inumeráveis', mais ainda aqueles dentre os homens racionais, bárbaros e gregos; eu chamo toda a raça humana, eu, que sou o criador pela vontade do Pai.(Exortação aos Gregos, XII 120, 02) [1]

NOTAS

[1] Tradução de Rita de Cássia Codá dos Santos. In: Exortação aos gregos – A helenização do Cristianismo em Clemente de Alexandria. Tese de doutorado em Literatura Comparada, UFMG, 2006. p. 51.

Publicado por: Cláudio Fernandes
Clemente de Alexandria foi um dos chamados “Pais da Igreja”
Clemente de Alexandria foi um dos chamados “Pais da Igreja”

Assuntos Relacionados