Holodomor

O Holodomor consistiu no genocídio de milhões de ucranianos pela fome. Isso ocorreu em virtude da política econômica de Stalin no início dos anos 1930.

  • O que foi e o que quer dizer Holodomor?

A palavra “holodomor” vem do idioma ucraniano e significa “morte por fome”. Essa palavra é utilizada para descrever a morte de milhões de ucranianos no início dos anos 1930 pela fome calculada e programada pelo Estado soviético, que à época era comandado por Josef Stalin. O holodomor é considerado pelos ucranianos e por outras nações como um genocídio (isto é, a tentativa de eliminação radical de uma parcela expressiva de determinado povo). Não é por acaso que muitos historiadores comparam-no ao holocausto contra os judeus, arquitetado pelos nazistas.
 

  • Como ocorreu o Holodomor?

Stalin ascendeu ao poder máximo da União Soviética no fim da década de 1920. Uma das medidas mais imediatas que tomou dizia respeito à produção agrícola tanto da Rússia quantos dos outros países vinculados à URSS. A Ucrânia era um desses países. Stalin passou a desenvolver um mecanismo de controle da produção de cereais dos camponeses soviéticos. Para tanto, passou a exigir desses camponeses uma requisição compulsória de grande parte do que era produzido. Dessa forma, a atividade agrícola seria administrada pela burocracia estatal, e não pelos proprietários das terras cultiváveis. Além disso, outra medida foi tomada: a desapropriação das terras cultiváveis, que seriam “coletivizadas”, isto é, passariam também ao domínio do Estado soviético.

A Ucrânia estava entre os principais produtores de cereais da URSS. Todavia, tradicionalmente, os ucranianos não se subordinavam aos russos e, de imediato, não obedeceram às determinações de Stalin. Como resposta à desobediência ucraniana, Stalin ordenou que a requisição de alimento na Ucrânia fosse “exemplar”, isto é, seria estimada uma porcentagem de fornecimento de alimentos muito maior do que nas outras regiões. Ao mesmo tempo em que as exigências direcionadas aos camponeses eram feitas, a polícia soviética tratou de eliminar toda e qualquer liderança política e intelectual que pudesse despontar na Ucrânia e organizar uma possível revolta.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Em 1929, começaram as imposições de metas de fornecimento de cereais ao poder central soviético. A demanda era tão grande que os camponeses tinham que deixar de consumir a parte destinada à sua própria sobrevivência. Praticamente tudo o que era produzido era confiscado pelo Estado. Quem resistia à imposição e era flagrado guardando alimento em casa era condenado a trabalhos forçados nos campos de concentração na Sibéria.
 

  • Saldo de Mortos

A morte começou a se tornar visível e cotidiana na Ucrânia a partir de 1930, mas o pior veio nos três anos seguintes. Consta que, entre os anos de 1931 e 1933, o número de mortos era tão grande que os cadáveres acumulavam-se nas casas e eram facilmente encontrados nos campos e nas ruas. O historiador Thomas Woods descreve a situação desse contexto:

Em 1933, Stalin estipulou uma nova meta de produção e coleta, a qual deveria ser executada por uma Ucrânia que estava agora à beira da mortandade em massa por causa da fome, que havia começado em março daquele ano. Vou poupar o leitor das descrições mais gráficas do que aconteceu a partir daqui. Mas os cadávere sestavam por todos os lados, e o forte odor da morte pairava pesadamente sobre o ar. Casos de insanidade, e até mesmo de canibalismo, estão bem documentados.” (Woods, Thomas. A fome na Ucrânia – um dos maiores crimes do Estado foi esquecido. Instituto Mises Brasil.)

Calcula-se que o número de mortos tenha sido de aproximadamente cinco milhões de pessoas. Mas ao se levar em conta os efeitos prolongados da política econômica stalinista e contando com os ucranianos que foram levados ao trabalho forçado e morreram por lá, o número pode ser superior a 14 milhões.

*Créditos da imagem: Shutterstock e Drop Of Light

Monumento em homenagem às vítimas do Holodomor, na Ucrânia *
Monumento em homenagem às vítimas do Holodomor, na Ucrânia *
Publicado por: Cláudio Fernandes

Assuntos Relacionados