Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Literatura
  3. Escolas literárias
  4. Cinco poemas de Augusto de Campos

Cinco poemas de Augusto de Campos

Os poemas de Augusto de Campos traduzem o espírito da poesia concretista brasileira. Em sua obra, ganham espaço o experimentalismo e a poesia verbivocovisual.

Capa do CD “Poesia é risco”, de Augusto de Campos e Cid Campos. Selo Sesc SP
Capa do CD “Poesia é risco”, de Augusto de Campos e Cid Campos. Selo Sesc SP

Augusto de Campos é um dos principais representantes do Concretismo brasileiro, movimento literário que teve início no ano de 1956. Poeta, tradutor, crítico literário e musical e ensaísta brasileiro, ao lado de Décio Pignatari e de seu irmão Haroldo de Campos, o poeta fundou o grupo Noigandres (palavra extraída de uma canção do trovador provençal Arnaut Daniel e que significa "o olor que afasta o tédio") e, posteriormente, uma revista literária de mesmo nome. Foi por meio da revista que o grupo conseguiu organizar as ideias oriundas das vanguardas do início do século XX e dar início a uma nova proposta artística, cujo objetivo era aliar elementos visuais à palavra escrita.

Liderado pelos três poetas paulistas, Décio Pignatari, Augusto e Haroldo de Campos, o Concretismo tinha como principais objetivos eliminar o intimismo e o eu lírico do poema, retomando procedimentos adotados pelas correntes de vanguarda do começo do século XX, como o Futurismo e o Cubismo. Expressão máxima de seu estilo, a poesia de Augusto de Campos faz uso de diferentes procedimentos de criação artística: o poeta utiliza recursos da poesia, das artes visuais, da publicidade, da música e das tecnologias digitais (o poeta é grande pesquisador das mídias eletrônicas), sempre unindo palavra, som, imagem e movimento em uma unidade estrutural. Seu interesse pela dimensão “verbivocovisual” (conceito criado pelo poeta irlandês James Joyce) permeia toda a sua obra, considerada uma das mais representativas e consistentes do movimento concretista.

Veja abaixo a leitura – feita pelo poeta – da primeira estrofe da Canção XI do trovador Arnaut Daniel (século XII) em provençal e em tradução para o português:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Para que você conheça um pouco mais sobre o Concretismo, o Mundo Educação traz para você cinco poemas de Augusto de Campos. São poemas que rompem com os aspectos visuais, sonoros e verbais da poesia em uma experiência que subverte a tradição literária e renega a poesia discursiva. Boa leitura!

Augusto de Campos: o pulsar, 1975
Augusto de Campos: o pulsar, 1975

O Vivo

Não queiras ser mais vivo do que és morto.
As sempre-vivas morrem diariamente
Pisadas por teus pés enquanto nasces.
Não queiras ser mais morto do que és vivo.
As mortas-vivas rompem as mortalhas
Miram-se umas nas outras e retornam
(Seus cabelos azuis, como arrastam o vento!)
Para amassar o pão da própria carne.
Ó vivo-morto que escarnecem as paredes,
Queres ouvir e falas.
Queres morrer e dormes.
Há muito que as espadas
Te atravessando lentamente lado a lado
Partiram tua voz. Sorris.
Queres morrer e morres.

Augusto de Campos.

Augusto de Campos: dias dias dias, 1953
Augusto de Campos: dias dias dias, 1953

Augusto de Campos: amortemor, 1970
Augusto de Campos: amortemor, 1970

Augusto de Campos: Intradução: asa de akhmátova, 1997
Augusto de Campos: Intradução: asa de akhmátova, 1997

Assuntos Relacionados