Clarice Lispector

Clarice Lispector é uma das mais importantes escritoras brasileiras do século XX. Suas obras apresentam forte tom intimista e, em alguns casos, tendência autobiográfica.

Estátua de Clarice Lispector em Copacabana, Rio de Janeiro.
Estátua de Clarice Lispector em Copacabana, Rio de Janeiro.

Clarice Lispector é uma das mais importantes escritoras brasileiras da segunda metade do século XX. Ficou conhecida pela construção de personagens de forma intimista e pelos processos de epifania presentes nas suas obras.

Biografia

Clarice Lispector nasceu em 1920, na Ucrânia, mas se mudou com a família para o Brasil ainda bebê e, aqui, viveu boa parte da vida, nas cidades de Maceió, Recife e Rio de Janeiro. A vida e a obra de Clarice Lispector, por vezes, confundem-se. No caso do conto Felicidade Clandestina (1971), por exemplo, narra-se a história de uma menina que vivia na cidade do Recife e era apaixonada por livros, assim como a própria autora.

Além disso, de modo geral, a autora ambienta suas histórias em cidades em que vivera, tais como a já citada Recife ou ainda o Rio de Janeiro. Além da literatura, a autora também se dedicou ao jornalismo e à diplomacia, profissão que permitiu que morasse em países como Itália, Suíça, Inglaterra e Estados Unidos. Faleceu, vítima de câncer, em 09 de dezembro de 1977, no Rio de Janeiro.

Leia também: Vida e obra de Cecília Meireles

Características

A obra de Clarice Lispector é particularmente interessante, pois, por meio de seus contos e romances escritos sob uma perspectiva intimista (ou seja, voltada para os sentimentos e impressões das personagens, que, em geral, eram construídas em primeira pessoa), a autora consegue deslocar o olhar do leitor para uma perspectiva inusitada, diferente, promovendo uma visão sensível e íntima da existência.

As narrativas de Lispector costumam retratar situações cotidianas, aparentemente banais, mas que ganham dimensões muito profundas por intermédio de descrições psicológicas complexas e poéticas, marcadas, em geral, pela epifania, processo pelo qual a personagem compreende a essência de algo, vive uma espécie de revelação. Em alguns casos, a obra de Lispector apresenta traços autobiográficos.

Tornou-se conhecida na história da literatura como uma das criadoras do estilo intimista, também praticado por autoras como Virgínia Woolf, escritora britânica. São características da literatura intimista:

  • a descrição psicológica das personagens;

  • a discussão de temas subjetivos, abstratos;

  • o retrato de vidas cotidianas sob uma ótica pessoal;

  • a presença de narradores em primeira pessoa;

  • a existência da epifania, espécie de revelação na qual a personagem reconhece alguma verdade sobre si ou sobre o mundo.

Leia também: A prosa intimista de Clarice Lispector

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Principais obras

  • Perto do coração selvagem (1944);

  • O lustre (1946);

  • A cidade sitiada (1949);

  • A maçã no escuro (1949);

  • Laços de família (1960);

  • A paixão segundo G. H. (1961);

  • A legião estrangeira (1964);

  • Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres (1969);

  • Felicidade clandestina (1971);

  • Água viva (1973);

  • A hora da estrela (1977);

  • Um sopro de vida (1978);

  • A bela e a fera (1979).

O Lustre, de Clarice Lispector
Capa do livro “O lustre”. Ed. Relógio D'água, 2012.

O primeiro romance de Clarice Lispector foi “Perto do coração Selvagem”, publicado em 1944, já com as marcas intimistas que a autora carregaria até o fim da vida. O livro de contos “Laços de Família” (1960) contém histórias sobre as relações familiares, descritas como espécies de aprisionamento do sujeito na sociedade da época. Em “Felicidade Clandestina” (1971), Lispector mantém seu estilo introspectivo e apresenta alguns contos com tendência autobiográfica. Já no romance “A hora da estrela”, um dos mais famosos da autora, narra-se a história da datilógrafa Macabéa, migrante que mora no Rio de Janeiro e que tem sua história narrada por Rodrigo S. M., narrador fictício criado por Clarice Lispector. O livro foi adaptado para o cinema em 1985 pela cineasta Suzana Amaral com o mesmo título.

Leia também: Cinco poemas de Manuel Bandeira

Clarice Lispector e a Internet

Recentemente, Clarice Lispector tem ganhado destaque em sites e redes sociais, nos quais supostas frases e poemas da autora são compartilhados por milhares de pessoa. Embora seja interessante a presença da autora na internet, é importante ressaltar que nem tudo que está na rede sob o nome de Lispector é, de fato, da autora, havendo, portanto, a necessidade de filtrar o que realmente foi produzido pela escritora antes de compartilhar.

Frases

Selecionamos cinco frases verdadeiramente de Clarice Lispector para que você possa citar a autora por aí.

"Dor é vida exacerbada." (Água Viva)

"Gostar de estar vivo dói." (Felicidade Clandestina)

"A loucura é vizinha da mais cruel sensatez." (Aprendendo a Viver)

"Bem sei que é assustador sair de si mesmo, mas tudo o que é novo assusta." (A Hora da Estrela)

"Civilizar minha vida é expulsar-me de mim." (Um Sopro de Vida)

Assista às nossas videoaulas

Assuntos Relacionados