Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Literatura
  3. A arte da palavra: a Literatura
  4. Dos românticos aos modernos: O essencial da poesia brasileira

Dos românticos aos modernos: O essencial da poesia brasileira

A poesia brasileira, que teve sua história iniciada no século XVI, transitou por diversos estilos. Certamente, é um dos gêneros mais apreciados pelos leitores.

Quando o assunto é poesia, a literatura brasileira conta com vários representantes que fizeram do ofício de escrever versos sua profissão de fé. O gênero certamente é um dos preferidos dos leitores. Muitos são os versos que povoam o imaginário coletivo e a memória afetiva dos brasileiros, como também são muitos os poetas que deixaram uma marca indelével na história da literatura nacional.

A missão de escolher apenas dez poemas entre tantas joias de nossa literatura é ingrata. Contudo, para que você descubra o universo da poesia brasileira, escolhemos dez poemas essenciais que vão levá-lo(a) para uma verdadeira viagem por estilos e épocas, dos últimos românticos aos modernos. De Gonçalves Dias a Paulo Leminski, esperamos que você faça boa leitura.

Dos românticos aos modernos: O essencial da poesia brasileira

Canção do Exílio

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite —
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu’inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

 Gonçalves Dias 

Ouvir estrelas

"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto...

E conversamos toda a noite, enquanto
A via-láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?"

E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas."

Olavo Bilac

Psicologia de um vencido

Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênesis da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.

Profundíssimamente hipocondríaco, 
Este ambiente me causa repugnância... 
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia 
Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme — este operário das ruínas —
Que o sangue podre das carnificinas 
Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los, 
E há-de deixar-me apenas os cabelos, 
Na frialdade inorgânica da terra!

Augusto dos Anjos

Vou-me Embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconsequente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d'água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcaloide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
— Lá sou amigo do rei —
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.

Manuel Bandeira

Poema de sete faces

Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.
 
As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.
 
O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.
 
O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode.
 
Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.
 
Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.
 
Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque

botam a gente comovido como o diabo.

Carlos Drummond de Andrade

“(...) Que não seja imortal, posto que é chama/Mas que seja infinito enquanto dure”. Soneto de fidelidade, Vinícius de Moraes
“(...) Que não seja imortal, posto que é chama/Mas que seja infinito enquanto dure”. Soneto de fidelidade, Vinícius de Moraes

Motivo

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias, 
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico, 
se permaneço ou me desfaço, 
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.

Cecília Meireles

“Só se dizendo num outro/o que, um dia, se disse, um dia, vai ser feliz”. O que quer dizer, Paulo Leminski
“Só se dizendo num outro/o que, um dia, se disse, um dia, vai ser feliz”. O que quer dizer, Paulo Leminski

Não há vagas

O preço do feijão
não cabe no poema. O preço
do arroz
não cabe no poema.
Não cabem no poema o gás
a luz o telefone
a sonegação
do leite
da carne
do açúcar
do pão

O funcionário público
não cabe no poema
com seu salário de fome
sua vida fechada
em arquivos.
Como não cabe no poema
o operário
que esmerila seu dia de aço
e carvão
nas oficinas escuras

- porque o poema, senhores,
está fechado:
“não há vagas”

Só cabe no poema
o homem sem estômago
a mulher de nuvens
a fruta sem preço

O poema, senhores,
não fede
nem cheira

 Ferreira Gullar

“Recria tua vida, sempre, sempre/Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça.” Aninha e suas pedras, Cora Coralina
“Recria tua vida, sempre, sempre/Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça.” Aninha e suas pedras, Cora Coralina

*Créditos da imagem: Shutterstock / Georgios Kollidas

Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987) é considerado pela crítica literária o maior poeta brasileiro do século XX *
Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987) é considerado pela crítica literária o maior poeta brasileiro do século XX *
Publicado por: Luana Castro Alves Perez

Assuntos Relacionados