Parnasianismo

Olavo Bilac à direita, Raimundo Correia no centro e Alberto de Oliveira à esquerda, juntos formavam a “tríade parnasiana”.
Olavo Bilac à direita, Raimundo Correia no centro e Alberto de Oliveira à esquerda, juntos formavam a “tríade parnasiana”.

O Parnasianismo é uma escola literária desenvolvida na década de 80 do século XIX, é resultado da ambigüidade do momento histórico que marcou a passagem do século IX para o século XX.
Nesse período as grandes potências brigavam para conquistar os mercados consumidores e aqueles que forneciam matéria-prima e foi nessa época que se desenvolveu a política do neocolonialismo e do imperialismo. Como resultado de tais processos foi possível identificar duas situações diferentes:
O progresso das indústrias e o capitalismo em expansão proporcionaram um ambiente eufórico, uma sensação de bem-estar. Tais situações facilitaram o aumento do consumo e a modernização da urbanização. Contudo, o aumento do consumo criou grupos de excluídos, o movimento operário se organizou e greves surgiram, proporcionando um ambiente desagradável, sentimentos como insegurança e pessimismo eram sentidos.

As primeiras manifestações parnasianas surgiram em Paris em antologias denominadas de Parnasse contemporain (“Parnaso contemporâneo).
O Parnasianismo surgiu em oposição ao Romantismo, os poetas parnasianos tinham como objetivo instituir novamente a poesia clássica, propondo uma poesia objetiva, que apresentasse elevado nível vocabular, além de resgatar o respeito às regras de versificação.
O poeta parnasiano valorizava a estética e buscava a perfeição formal, para isso utilizava recursos como rimas, preferência às estruturas fixas, metrificação e descritivismo.

No Brasil, a primeira publicação parnasiana é a obra Fanfarras (1881), de Teófilo Dias. Entretanto, foi Alberto de Oliveira, Olavo Bilac, Francisca Júlia, Raimundo Correia e Vicente de Carvalho que implantaram o movimento no Brasil. Os temas abordados eram universais: o amor, o tempo, a natureza e a poesia. Contudo, é possível notar também a presença da mitologia Greco-latina.
Ao distanciar-se dos temas ligados à realidade, os poetas parnasianos criavam a “arte pela arte”.
O texto que segue é um dos mais conhecidos poemas de Olavo Bilac:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Nel mezzo Del camin...
                               Olavo Bilac

Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada
E triste, e triste e fatigado eu vinha.
Tinhas a alma de sonhos povoada,
E a alma de sonhos povoada eu tinha...

E paramos de súbito na estrada
Da vida: longos anos, presa à minha
A tua mão, a vista deslumbrada
Tive da luz que teu olhar continha.

Hoje, segues de novo... Na partida
Nem o pranto os teus olhos umedece,
Nem te comove a dor da despedida.

E eu, solitário, volto a face, e tremo,
Vendo o teu vulto que desaparece
Na extrema curva do caminho extremo.

(Poesias, Sarças de fogo, 1888.)

Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas

Assuntos Relacionados