Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Literatura
  3. Escritores brasileiros
  4. Realismo e fantasia: O universo de Lygia Fagundes Telles

Realismo e fantasia: O universo de Lygia Fagundes Telles

Lygia Fagundes Telles estreou na Literatura em 1944. Grande romancista e contista, sua literatura é associada, cronologicamente, à geração de 1945.

Realismo e fantasia: O universo de Lygia Fagundes Telles
Lygia Fagundes Telles é uma das maiores escritoras da Literatura brasileira. Produziu, ao longo de sua carreira, diversos romances e livros de contos

(...)Quero te dizer que nós as criaturas humanas, vivemos muito (ou deixamos de viver) em função das imaginações geradas pelo nosso medo. Imaginamos consequências, censuras, sofrimentos que talvez não venham nunca e assim fugimos ao que é mais vital, mais profundo, mais vivo. A verdade, meu querido, é que a vida, o mundo dobra-se sempre às nossas decisões.(...)”

(Trecho do livro “As meninas”, de Lygia Fagundes Telles)

Lygia Fagundes Telles nasceu em São Paulo, capital, no dia 19 de abril de 1923. Filha de um advogado e de uma pianista, viveu sua infância em várias cidades do interior, onde o pai atuava como delegado e promotor público. Aos quinze anos, escreveu seu primeiro livro de contos, Porão e Sobrado, tomando gosto pela arte ainda menina, quando precocemente decidiu ser escritora. Formou-se em Educação Física e Direito na Universidade de São Paulo, embora sua maior paixão fosse, declaradamente, a Literatura.

Grande romancista e contista, Lygia figura entre nossos melhores escritores da Literatura brasileira. Sua estreia oficial no universo das letras aconteceu no ano de 1944, com a publicação do livro de contos Praia Viva. Sempre presente nas rodas literárias e atenta aos acontecimentos políticos, Lygia foi uma mulher de vanguarda, representando o perfil feminino das décadas de 50 e 60. Cronologicamente, foi ligada à geração de 45, ao lado de nomes como Rubem Braga, Dalton Trevisan, Carlos Heitor Cony e Clarice Lispector.

Com Clarice Lispector, sua obra estabeleceu um interessante diálogo, pois ambas exploraram, de maneira inédita até então, o universo feminino sob uma perspectiva moderna, rompendo com o moralismo social que deixava a mulher sempre à margem da figura masculina. Traçou o de suas personagens através das técnicas do fluxo de consciência e do monólogo interior, alçando-as ao posto de protagonista de suas histórias. Além de abordar intensamente a temática feminina, Lygia abriu espaço em sua obra para temas como a vida nas grandes cidades, assim como os problemas sociais e outros temas polêmicos, como drogas, adultério e o amor. É interessante ressaltar que, enquanto seus romances ganharam ares de literatura realista, nos contos, Lygia transgrediu o real, deixando clara a influência do norte-americano Edgar Allan Poe, que trilhou, em sua Literatura, por veredas fantásticas. Lygia fez a fusão do fantástico à realidade do espaço urbano, incorporando em seus contos muitos elementos modernos, vide os contos A caçada, Venha ver o pôr do sol e As formigas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Foi eleita, em 1982, membro da Academia Paulista de Letras e, em 1985, passou a ocupar a cadeira de número 16 da Academia Brasileira de Letras. Reconhecida pelo público e crítica, recebeu diversos prêmios, entre eles o Jabuti, o maior da Literatura nacional, em 1965, e o Prêmio Camões, o mais importante da Literatura em língua portuguesa, em 2005. Aos 91 anos, a escritora gosta de travar longas conversas e fechar-se no universo das histórias e dos personagens que criou. Ganhou, do amigo Carlos Drummond de Andrade, os seguintes versos:

Procuro Lygia

Procuro Lygia em São Paulo,
Rua da Consolação?
Na fazenda da Palmeira
ou em Campos do Jordão?

Procuro Lygia no mapa
do mundo aberto em clarão?
Em Paris, Tegucigalpa,
Moscou, Irã, Hindustão?

Não procuro Lygia: encontro-a
dentro do meu coração.

Carinhos do
Carlos

Rio, 19.IV.1982

Obras de Lygia Fagundes Telles:

Porão e Sobrado, contos, 1938.
Praia Viva, contos, 1944.
O Cacto Vermelho, contos, 1949.
Ciranda de Pedra, romance, 1954.
Histórias do Desencontro, contos, 1958.
Verão no Aquário, romance, 1964.
Histórias Escolhidas, contos, 1964.
O Jardim Selvagem, contos, 1965.
Antes do Baile Verde, contos, 1970.
As Meninas, romance, 1973.
Seminário dos Ratos, contos, 1977.
Filhos Prodígios, contos, 1978.
A Disciplina do Amor, contos, 1980.
Mistérios, contos, 1981.
Venha Ver o Pôr do Sol e Outros Contos, 1987.
As Horas Nuas, romance, 1989.
A Noite Escura e Mais Eu, contos, 1995.
Biruta, contos, 2004.
Histórias de Mistérios, contos, 2004.
Conspiração de Nuvens, contos, 2007.
Passaporte para a China, contos, 2011.

*A imagem que ilustra este artigo é capa do periódico Cadernos de Literatura Brasileira, do Instituto Moreira Salles.

Assuntos Relacionados