Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Natal
  3. História do Natal

História do Natal

O Natal é uma das principais comemorações do calendário cristão, mas suas origens históricas estão relacionadas a celebrações pagãs que aconteciam no solstício de inverno.

O Natal é uma das principais comemorações da tradição cristã, que celebra o nascimento de Cristo em 25 de dezembro.
O Natal é uma das principais comemorações da tradição cristã, que celebra o nascimento de Cristo em 25 de dezembro.

O Natal é uma das principais comemorações que acontecem no calendário do Ocidente e uma das festas mais importantes do calendário cristão. A festa costuma acontecer na virada do dia 24 para o dia 25 de dezembro e, em muitos locais, arrasta-se ao longo do dia 25. Apesar da simbologia cristã em referência ao nascimento de Cristo, o Natal tem cada vez mais perdido seu sentido cristão, tornando-se apenas uma comemoração de paz e fraternidade entre as pessoas.

Resumo

O Natal é uma comemoração que, na tradição cristã, celebra o nascimento de Jesus Cristo, mas que, para muitas pessoas, tem a cada dia perdido seu significado religioso. Comemorado na virada de 24 para 25 de dezembro, o Natal tem suas origens históricas associadas a comemorações pagãs realizadas por diversos povos.

Os historiadores sugerem que os primeiros cristãos apropriaram-se da data (25 de dezembro) e tornaram-na uma grande celebração ao nascimento de Jesus Cristo. Atualmente, os estudiosos sabem que a primeira menção registrada ao 25 de dezembro como nascimento de Cristo remonta ao século IV d.C.

Origem do Natal

É muito difícil para os historiadores precisar exatamente as origens do Natal em razão da falta de evidências documentais. A dificuldade, no entanto, não impede os historiadores de continuarem investigando. A palavra Natal tem origem no termo em latim “natalis”, que significa nascer, e pode ser, portanto, uma referência ao nascimento de Cristo.

  • Festa pagã

Tendo em vista o que se sabe atualmente, os historiadores concluíram que o Natal é uma festa que se originou de comemorações pagãs, isto é, não cristãs, que aconteciam em determinados locais do mundo na época em que hoje em dia comemoramos o Natal. Essas celebrações estavam diretamente relacionadas com o solstício de inverno, fenômeno astronômico que marca o início do inverno.

O solstício de inverno geralmente acontece entre os dias 21 e 22 de dezembro, portanto, bem próximo do dia em que se comemora o Natal. Na noite do solstício, aconteciam grandes festas que buscavam fertilidade e o renascimento do sol.

Mitra era um importante deus adorado pelos romanos e teria nascido em 25 de dezembro.*
Mitra era um importante deus adorado pelos romanos e teria nascido em 25 de dezembro.*

Essas festas eram realizadas por diferentes povos do hemisfério norte e, muitas vezes, estendiam-se por dias. Entre as diversas festas realizadas na época do solstício de inverno, destacam-se as que realizadas no Império Romano em homenagem ao Sol exatamente no dia 25 de dezembro. Essa celebração era conhecida como Dies Natalis Solis Invicti e comemorava o deus Sol Invicto.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Com o passar do tempo, a festa em homenagem ao Sol Invicto foi sendo substituída por uma festa em homenagem a Mitra, deus originário da mitologia persa, mas que foi introduzido no Império Romano e tornou-se um dos deuses mais adorados entre os romanos. A festa em homenagem a Mitra acontecia em 25 de dezembro e celebrava o suposto nascimento desse deus.

Outra festa que os historiadores especulam que teve influência no Natal cristão foi a festa conhecida como Yule ou Jól. Essa era uma festa realizada pelos nórdicos da Era Viking que se iniciava no solstício de inverno e estendia-se por treze dias. Nela aconteciam sacrifícios que buscavam a garantia de fertilidade. Do Jól herdaram-se símbolos natalinos, como a árvore de Natal.

Quem inventou o Natal?

Não se sabe o momento específico em que os cristãos começaram a comemorar o nascimento de Jesus Cristo, mas os historiadores afirmam que isso aconteceu em um intervalo de tempo entre o século II d.C. e o século IV d.C. Especula-se que a escolha do dia 25 de dezembro foi parte de um mecanismo para conquistar mais fiéis para o cristianismo. Considera-se também o fato de que os cristãos não sabiam a data real do nascimento de Cristo.

Uma evidência a respeito do não conhecimento da data exata foi relatada por Clemente de Alexandria, teólogo grego que registrou em papel, em 200 d.C., um debate sobre o dia em que Cristo teria nascido. Diferentes datas, como 20 de maio, 21 de março, 15 de abril, entre outras, foram citadas. O 25 de dezembro, porém, não foi mencionado.

A primeira menção de que se tem notícia e que estabelece o 25 de dezembro como a data do nascimento de Jesus Cristo remonta ao século IV d.C. Essa menção aconteceu no Cronógrafo de 354, um calendário produzido por Fúrio Filócalo.

Alguns historiadores sugerem que essa menção realizada por Fúrio Filócalo aconteceu por influência de uma decisão tomada pelo papa Júlio I poucos anos antes. Júlio I foi papa da Igreja Católica entre 337 e 352, e os historiadores afirmam que foi durante o seu pontificado que a comemoração ao nascimento de Cristo foi oficializada em 25 de dezembro.

*Créditos da imagem: Steve Estvanik e Shutterstock

Assuntos Relacionados