Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Química
  3. Química Geral
  4. Determinação de polaridade por meio das nuvens eletrônicas

Determinação de polaridade por meio das nuvens eletrônicas

Uma dúvida muito comum que surge durante a análise de algumas moléculas é sobre sua polaridade: se são polares ou apolares. Principalmente no caso de moléculas maiores.

Uma maneira prática e eficaz de se determinar a polaridade das moléculas é analisar a quantidade de nuvens eletrônicas que estão ao redor do átomo do elemento central e relacioná-la com a quantidade de átomos ou grupos de átomos ligados a ele. Se o número for o mesmo, a molécula é apolar. Se não for, é polar.

Resumindo, temos:

Regra prática de determinação da polaridade de moléculas comuns.

Veja alguns exemplos de como usar essa regra para a determinação da polaridade de um composto molecular:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Alguns exemplos de determinação de polaridade segundo a regra prática.

Olhar a quantidade de pares eletrônicos, no lugar das nuvens eletrônicas, também dará certo, afinal, nesse caso, estão representando a mesma coisa.

A determinação da polaridade de uma substância é muito importante, afinal ela determina algumas características essenciais das substâncias, como a sua solubilidade.

Se a substância for polar, como a água citada no terceiro exemplo da tabela, ela só irá dissolver substâncias polares como ela. Já se for apolar, como a gasolina, ela se misturará apenas com compostos apolares.

É por isso que a gasolina não se dissolve na água.

A gasolina não se mistura com a água, porque elas são, respectivamente, apolar e polar
A gasolina não se mistura com a água, porque elas são, respectivamente, apolar e polar
Publicado por: Jennifer Rocha Vargas Fogaça
Assista às nossas videoaulas

Assuntos Relacionados