Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Química
  3. Tabela periódica
  4. Eletropositividade

Eletropositividade

A eletropositividade é a capacidade que um átomo tem de doar elétrons a outro quando estão envolvidos em uma ligação química.

Na substância cloreto de cálcio, o cálcio é o elemento mais eletropositivo
Na substância cloreto de cálcio, o cálcio é o elemento mais eletropositivo

Entende-se por eletropositividade a capacidade que um átomo apresenta de doar elétrons para outro átomo quando entre eles está sendo estabelecida uma ligação química, resultando na formação de uma substância composta. Temos uma substância composta quando uma molécula é formada por átomos de elementos químicos diferentes. Por exemplo:

  • NaCl. Nessa substância, temos um átomo de sódio estabelecendo uma ligação química com um átomo de cloro.

  • K2S. Nessa substância, temos um átomo de enxofre estabelecendo ligação química com dois átomos de potássio.

Assim, se átomos diferentes estão estabelecendo uma ligação química, entre eles acontecem de forma espontânea o ganho e a perda de elétrons. O ganho de elétrons é chamado de eletronegatividade. O foco deste texto é a perda ou doação de elétrons, que é a eletropositividade.

Para determinar qual dos átomos dos elementos presentes na substância composta apresenta maior eletropositividade (capacidade de doação de elétrons), basta conhecer o raio atômico de cada um desses elementos. Isso ocorre porque é mais fácil retirar elétrons de um átomo maior (maior raio), pois a atração do núcleo em relação aos elétrons é menor. Assim:

  • Quanto maior o Raio atômico = Menor a atração do núcleo = Maior a Eletropositividade

  • Quanto menor o Raio atômico = Maior a atração do núcleo = Menor a Eletropositividade

Veja a seguir o esquema que ilustra o aumento do raio atômico nas famílias e nos períodos.

O raio atômico cresce de baixo para cima e da direita para a esquerda
O raio atômico cresce de baixo para cima e da direita para a esquerda

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Conhecendo o raio atômico de um determinado elemento, fica fácil determinar a eletropositividade dele, já que se trata de duas propriedades periódicas diretamente proporcionais (se uma aumenta, a outra também aumenta). Por isso, o esquema da eletropositividade segue o do raio atômico, mas desconsiderando-os gases nobres, pois a eletropositividade desses elementos não é trabalhada porque eles não formam muitas substâncias compostas. O esquema é:

A eletropositividade segue o mesmo padrão do raio atômico
A eletropositividade segue o mesmo padrão do raio atômico

Analisando o esquema dado, temos que a eletropositividade nas famílias cresce de acordo com o aumento do número de níveis do átomo (de cima para baixo no esquema) e, nos períodos, cresce de acordo com a diminuição do número atômico (da direita para a esquerda).

Com base nos dados fornecidos, podemos determinar o elemento mais eletropositivo dos exemplos apresentados a seguir, ou seja, o elemento cujos átomos doam elétrons durante a ligação química.

1º) NaCl. O sódio apresenta maior raio atômico que o cloro por estar mais à esquerda na Tabela Periódica e, principalmente, por ter um número atômico menor que o do cloro. Por isso, o sódio é o mais eletropositivo e tem tendência de perder elétrons para o cloro.

2º) CaS. O cálcio apresenta maior raio atômico que o enxofre por estar mais à esquerda na Tabela Periódica e, principalmente, por ter um número de níveis maior. O cálcio está localizado no quarto período (quatro níveis) e o enxofre está no terceiro período (três níveis). Por isso, o cálcio é o mais eletropositivo e tem tendência de perder elétrons para o enxofre.

Assista às nossas videoaulas

Assuntos Relacionados