Níquel

Você irá conhecer agora os efeitos tóxicos do níquel, sua composição carcinogênica e por que que é preciso certos cuidados ao se realizar o contato direto com objetos feitos a partir desse metal.

É fato que algumas pessoas são mais propensas aos efeitos negativos do níquel, mas isto não quer dizer que todos, sem nenhuma exceção, devem estar informados sobre as possíveis consequências do uso prolongado de acessórios contendo níquel.

O níquel, nos últimos anos, foi escolhido para compor uma liga metálica de intensa utilização: o nosso aço inoxidável, cuja composição é 74% de ferro, 18% de crômio e 8% de níquel. Também conhecido como aço inox, ele é usado para compor os mais variados produtos, dentre eles: peças de automóveis, móveis e utensílios domésticos, ferramentas, joias, etc.

A aceitação do aço inox por parte do consumidor deu origem ao problema: como ele não sofre oxidação (ferrugem), foi escolhido para compor pulseiras de relógio. O fato de esse material não reagir com substâncias como nosso suor (ácido), por exemplo, foi o que prevaleceu na escolha.

A pulseira de um relógio fica em contato com seu usuário praticamente o tempo todo, além disso, são comuns as queixas de coceiras e eczemas por parte das pessoas que usam esse tipo de pulseira. Esses fatores, somados às pesquisas em laboratório, provam que o níquel realmente interfere em nosso organismo.

O níquel age sobre as ligações nucleotídeo do DNA, fazendo com que se unam de forma errada, o que acarreta em uma sequência incorreta de DNA. Uma modificação nessa estrutura pode resultar em câncer, daí o efeito carcinogênico do níquel. Portanto, fique alerta ao contato excessivo com este metal.

Pulseira em inox: presença de níquel.
Pulseira em inox: presença de níquel.
Publicado por: Líria Alves de Souza

Assuntos Relacionados