Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Química
  3. Química Orgânica
  4. Funções Orgânicas
  5. Numeração dos carbonos na cadeia principal de hidrocarbonetos

Numeração dos carbonos na cadeia principal de hidrocarbonetos

A numeração dos carbonos na cadeia principal de hidrocarbonetos depende do posicionamento dos radicais e insaturações.

A numeração dos carbonos na cadeia principal de hidrocarbonetos (alcanos, alcenos, alcinos, alcadienos, ciclanos, ciclenos e aromáticos) deve ser realizada sempre de forma a proporcionar os menores números possíveis para os radicais e ligações presentes.

Vamos acompanhar os critérios para cada um dos tipos de hidrocarbonetos:

a) Alcanos

A numeração da cadeia principal de um alcano sempre se inicia pela extremidade mais próxima dos radicais. Veja um exemplo:

Exemplo 1: 2,3-dimetil-pentano

Numeração da cadeia do 2,3-dimetil-pentano
Numeração da cadeia do 2,3-dimetil-pentano

A numeração desse alcano inicia-se à esquerda porque é a extremidade mais próxima das duas ramificações. Se tivéssemos um radical com a mesma proximidade em relação às extremidades, iniciaríamos a numeração pela extremidade mais próxima do radical que será escrito primeiro em virtude da ordem alfabética. Veja um exemplo:

Exemplo 2: 3-etil-5-metil-heptano

Numeração da cadeia do 3-etil-5-metil-heptano
Numeração da cadeia do 3-etil-5-metil-heptano

Quando numeramos a cadeia da esquerda para a direita ou da direita para a esquerda, as posições das ramificações sempre serão 3 e 5. Porém, devemos iniciar a numeração obrigatoriamente à esquerda por ser a extremidade mais próxima do etil, que deve ser escrito primeiro por causa da ordem alfabética.

b) Alcenos e Alcinos

A numeração da cadeia principal tanto de um alcino quanto de um alceno sempre se inicia pela extremidade mais próxima da dupla (alceno) ou da tripla (alcino) ligação. Veja um exemplo:

Exemplo 1: 5-metil-hex-1-eno

Numeração da cadeia do 5-metil-hex-1-eno
Numeração da cadeia do 5-metil-hex-1-eno

A numeração dessa cadeia deve começar pela extremidade esquerda, que está mais próxima da ligação dupla. Se a ligação dupla ou tripla estivessem localizadas no centro da cadeia e a distância delas em relação às extremidades fosse exatamente a mesma, iniciaríamos a numeração a partir da extremidade mais próxima dos radicais. Veja um exemplo:

Exemplo 2: 2,3-dimetil-oct-4-ino

Numeração da cadeia do 2,3-dimetil-oct-4-ino
Numeração da cadeia do 2,3-dimetil-oct-4-ino

Quando começamos a numerar a cadeia da direita para esquerda ou da esquerda para a direita, a ligação tripla sempre estará no carbono 4. Porém, devemos começar pela extremidade esquerda porque ela é a que está mais próxima do radical.

c) Alcadienos

A cadeia principal de um alcadieno deve ser numerada de forma a proporcionar os menores números possíveis para os carbonos que possuem as duas duplas ligações. A numeração deve começar sempre pela extremidade mais próxima a elas. Veja um exemplo:

Exemplo 1: 4-metil- hexa-1,2-dieno

Numeração da cadeia do 4-metil- hexa-1,2-dieno
Numeração da cadeia do 4-metil- hexa-1,2-dieno

A extremidade esquerda é a que mais se aproxima das duplas ligações, logo, a numeração da cadeia deve começar obrigatoriamente por ela.

Se tivéssemos cada uma das duplas em uma das extremidades da cadeia, iniciaríamos a partir da extremidade mais próxima dos radicais. Veja um exemplo:

Exemplo 2: 4-metil- penta-1,4-dieno

Numeração da cadeia do 4-metil- penta-1,4-dieno
Numeração da cadeia do 4-metil- penta-1,4-dieno

Como temos uma dupla na extremidade esquerda e outra dupla na extremidade direita, devemos iniciar a numeração pela extremidade direita porque ela é a que está mais perto da ramificação.

d) Ciclanos

A cadeia de um ciclano somente será numerada se apresentar, no mínimo, dois radicais. Se tivermos dois radicais diferentes ligados a carbonos diferentes, o carbono do ciclo que tiver o radical escrito primeiro na ordem alfabética receberá o número 1. O restante dos carbonos do ciclo serão numerados de forma que os menores números possíveis sejam dados ao carbono ligado a outro radical. Veja um exemplo:

Exemplo 1: 1-etil-3-propil-ciclopentano

Numeração da cadeia do 1-etil-3-propil-ciclopentano
Numeração da cadeia do 1-etil-3-propil-ciclopentano

O carbono onde está o etil recebe o número 1 porque este é escrito primeiro na ordem alfabética. O restante da cadeia recebe a numeração no sentido anti-horário para que o menor número possível seja dado ao outro carbono que possui um radical.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Se o ciclano apresentar dois radicais ligados ao mesmo átomo de carbono, este receberá automaticamente o número 1. O restante dos carbonos do ciclo serão numerados de forma que os menores números possíveis sejam dados ao carbono ligado a outro radical. Veja um exemplo:

Exemplo 2: 1,1-dimetil-3-propil-ciclobutano

Numeração da cadeia do 1,1-dimetil-3-propil-ciclobutano
Numeração da cadeia do 1,1-dimetil-3-propil-ciclobutano

Essa cadeia possui dois radicais metil no mesmo carbono, logo, este será o carbono de número 1. O restante da cadeia será numerado no sentido horário, de forma que os menores números possíveis sejam dados ao carbono ligado a outro radical.

e) Ciclenos

Todo cicleno apresenta obrigatoriamente uma ligação dupla. Assim, independentemente da quantidade de radicais presentes, esses carbonos sempre são numerados com os números 1 e 2. A ordem dessa numeração é determinada apenas pela posição dos radicais, já que devemos proporcionar os menores números possíveis para os carbonos dos radicais. Veja um exemplo:

Exemplo: 3-propil-ciclobuteno

Numeração da cadeia do 3-propil-ciclobuteno
Numeração da cadeia do 3-propil-ciclobuteno

Como o propil está posicionado no carbono da esquerda, devemos iniciar a numeração pelo carbono acima da dupla, seguindo no sentido horário, pois, se numerarmos a partir do carbono inferior da dupla, o propil ficaria no carbono 4.

f) Aromáticos

  • Benzeno:

Se o benzeno tiver apenas dois radicais iguais, o carbono onde um deles está ligado receberá automaticamente o número 1. O restante dos carbonos do ciclo serão numerados de forma que os menores números possíveis sejam dados ao carbono ligado a outro radical. Veja o exemplo:

Exemplo 1: 1,3-dimetil-benzeno

Numeração da cadeia do 1,3-dimetil-benzeno
Numeração da cadeia do 1,3-dimetil-benzeno

O carbono onde um dos radicais metil está ligado recebe o número 1, e o restante dos carbonos do ciclo serão numerados no sentido horário de forma que os menores números possíveis sejam dados ao carbono ligado a outro radical.

Se o benzeno apresentasse dois ou mais radicais diferentes, o carbono que estivesse ligado ao radical que é escrito primeiro na ordem alfabética receberia o número 1. O restante dos carbonos do ciclo seriam numerados de forma que os menores números possíveis fossem dados ao carbono ligado aos outros radicais. Veja o exemplo:

Exemplo 2: 1-etil-3-metil-benzeno

Numeração da cadeia do 1-etil-3-metil-benzeno
Numeração da cadeia do 1-etil-3-metil-benzeno

Como o etil é escrito primeiro na ordem alfabética, o carbono a que está ligado recebe o número 1. Para proporcionar o menor número possível para o carbono do radical metil, devemos seguir a numeração no sentido anti-horário.

  • Naftaleno:

Fórmula estrutural do naftaleno
Fórmula estrutural do naftaleno

O naftaleno apresenta dois carbonos em posições verticais superiores (setas azuis) e dois carbonos em posições verticais inferiores (setas vermelhas). A numeração dos seus carbonos sempre deve ser iniciada por um desses carbonos. O restante da cadeia deve ser numerado de forma a proporcionar o menor número possível aos carbonos dos outros radicais.

OBS.: Os dois carbonos centrais (setas verdes) do naftaleno nunca são numerados.

Um detalhe importante é o de que a numeração deve sempre seguir o ciclo que possui o carbono onde iniciamos, ou seja:

  • se iniciamos a numeração no carbono superior à direita, devemos prosseguir no sentido horário.

Naftaleno numerado no sentido horário
Naftaleno numerado no sentido horário

  • se iniciamos a numeração no carbono inferior à direita, devemos prosseguir no sentido anti-horário.

Naftaleno numerado no sentido anti-horário
Naftaleno numerado no sentido anti-horário

Exemplo: 1,7-dimetil-naftaleno

Numeração da cadeia do 1,7-dimetil-naftaleno
Numeração da cadeia do 1,7-dimetil-naftaleno

Devemos iniciar a numeração a partir do carbono vertical superior à direita e seguir no sentido horário, já que o outro metil encontra-se à esquerda da estrutura.

Cadeia numerada de um hidrocarboneto
Cadeia numerada de um hidrocarboneto
Publicado por: Diogo Lopes Dias
Assista às nossas videoaulas

Assuntos Relacionados