Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Química
  3. Química Ambiental
  4. Reciclagem de embalagens cartonadas longa vida

Reciclagem de embalagens cartonadas longa vida

A reciclagem de embalagens cartonadas envolve primeiro a separação do papel-cartão, sendo que o alumínio e o plástico permanecem unidos, sendo prensados e secados ao ar.

Reciclagem de embalagens cartonadas longa vida
A embalagem cartonada pode ser reciclada

No texto “Embalagens cartonadas e o meio ambiente”, foram discutidos os impactos ambientais que a produção e descarte desses materiais geram. Como meio de pelo menos diminuir esses impactos, a reciclagem vem se mostrando uma grande alternativa, pois, além de diminuir o volume de materiais que são muito difíceis de sofrer degradação, ocorre também uma grande economia de recursos financeiros e energéticos, tendo em vista que o custo de produção ao usar materiais recicláveis é menor que o meio em que se usa a matéria-prima.

Há dois maiores entraves para a reciclagem das embalagens cartonadas longa vida. O primeiro é a conscientização por parte da população de que é necessário fazer uma coleta seletiva de forma correta. Para tal, as embalagens cartonadas depois de usadas devem ser limpas por dentro por meio de lavagem e secagem. Também não devem ser jogadas no lixo no formato original, mas devem ser amassadas, pois esse gesto reduz o volume e auxilia no transporte.

Para saber quais são os centros de coleta seletiva na sua cidade, você poderá acessar o site www.rotadareciclagem.com.br.

O segundo problema que deve ser vencido para ocorrer a reciclagem das embalagens cartonadas é o fato de que elas são compósitos, ou seja, são formadas por vários materiais que estão dispostos em multicamadas bem aderidas umas às outras. Os três componentes principais que compõem essas camadas são: papel (que corresponde a 75% em massa da embalagem), alumínio (20%) e plástico polietileno de baixa densidade (5%).

Assim, a primeira parte do processo é a separação eficaz desses materiais, sendo que o material coletado é colocado em um equipamento chamado hidrapulper, que sofre agitação mecânica com água. O resultado é que as fibras de celulose do papel são hidratadas, destacando-se e ficando suspensas, de modo que podem ser retiradas por meio de bombeamento na parte inferior do hidrapulper, onde há uma chapa perfurada para impedir que o polietileno e o alumínio também sejam bombeados juntos. Assim, enquanto o papel é separado, as camadas de polietileno e alumínio permanecem unidas.

Hidrapulper com embalagens longa vida pós-consumo
Hidrapulper
com embalagens longa vida pós-consumo

Nos centros de triagem, esses diferentes tipos de materiais recicláveis são separados, compactados em fardos e enviados para a indústria recicladora.

O papel encaminhado para reciclagem passa primeiro por uma desagregação das suas aparas para separar as fibras. Depois as fibras passam por uma limpeza, seguida de seu destintamento, e podem passar pelo branqueamento antes de irem para a máquina que forma a folha de papel secundária.

Dessa reciclagem do papel podem ser produzidos vários materiais, tais como papelão ondulado, caixas de papelão, bandeja de ovos, tubetes, chapas, palmilhas para sapatos, produtos em polpa moldada, papel-toalha, papel-tissue, papel-cartão, entre outros.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A reciclagem de embalagens cartonadas resulta em vários materiais, como as bandejas de ovos
A reciclagem de embalagens cartonadas resulta em vários materiais, como as bandejas de ovos

O polietileno e o alumínio são coletados por meio de gravidade no hidrapulper na parte lateral. Depois o residual de fibras passa por uma separação e, então, o polietileno e o alumínio passam por uma lavagem, são prensados e secados ao ar. Eles podem ser levados então para quatro caminhos possíveis:

* Incineração: além do dióxido de carbono e água, são produzidos também o trióxido de alumínio e energia que podem ser reutilizados. Usa-se como combustível na geração de energia o vapor, enquanto o trióxido de alumínio pode ser usado no tratamento de água ou na produção de refratários;

* Pirólise: essa palavra significa “quebra pelo fogo”, ou seja, é uma reação de decomposição da substância por fogo. No forno há baixo teor de oxigênio e, enquanto o polietileno reage com esse oxigênio gerando energia para o próprio forno, o alumínio é produzido;

* Termoinjeção: resulta em materiais plásticos com alumínio incorporado;

* Plasma térmico: Esse plasma produzido por energia elétrica possui temperatura de cerca de 15 000 ºC e consegue separar totalmente o alumínio do polietileno. O polietileno é transformado em parafina, que é usada pelas indústrias petroquímicas como combustível, aditivo em lubrificantes e detergentes, e o alumínio na forma de pó ou lingotes de alta pureza, que vai para indústrias de fundição e pode novamente ser usado para a produção de novas embalagens cartonadas.

Entre os materiais que são produzidos a partir do polietileno e do alumínio estão: canetas, banquetas, paletes, vassouras, coletores, placas e telhas para construção civil, além de refratários. Abaixo temos imagens de fabricação de telhas recicladas:

Fabricação de telha reciclada de plástico e alumínio de embalagens longa vida
Fabricação de telha reciclada de plástico e alumínio de embalagens longa vida

Atualmente, as embalagens cartonadas são 100% recicláveis. Na própria embalagem pode-se observar o símbolo abaixo. No ano de 2011 a taxa de reciclagem de embalagens cartonadas longa vida no Brasil foi de 27,1%, o que representou um total de mais de 59 mil toneladas.

Símbolo de reciclagem em embalagem cartonada
Símbolo de reciclagem em embalagem cartonada

Existe também outra forma de reutilização das embalagens cartonadas longa vida e que ainda pode ajudar várias famílias, veja como no artigo abaixo:

Embalagens cartonadas em casas de madeira.

Assuntos Relacionados