Fichamento

O fichamento é o gênero textual mais indicado para aprimorar o seu desempenho nos trabalhos acadêmicos.

Há três tipos de fichamento: citação, resumo e bibliográfico
Há três tipos de fichamento: citação, resumo e bibliográfico

O fichamento, com certeza, é o melhor gênero textual para ser o primeiro passo de uma boa produção textual, principalmente no ambiente acadêmico. Quer saber por quê?

Imagine que você tenha alguns textos para ler e resumir ou resenhar. Imaginou? Essa não seria uma tarefa simples e fácil, visto que, para escrever um bom texto, o primordial é a organização no processo de leitura e produção textual. É aí que entra o fichamento! Com ele você poderá organizar melhor o que será selecionado a partir de sua leitura e o que será relevante para constituir o seu resumo ou resenha crítica. Quer saber como isso pode ser feito?

Fichar um texto significa sintetizá-lo, documentá-lo. É dessa característica de documentação que obtemos a organização necessária para a produção de um texto. A identificação e o registro das principais ideias das obras, de forma coerente e objetiva, permitem que o acesso ao material seja otimizado, aprimorando, também, o trabalho do autor.

Agora que já sabemos qual é a função desse gênero textual, vamos aos tipos de fichamento:

Tipos de Fichamento

→ Fichamento de transcrição/citação direta: é o tipo de fichamento que consiste na transcrição fiel dos trechos principais da obra.
 

  • toda citação deve vir entre aspas;

  • deve ser apresentado, após a citação, o número da página de onde foi retirado o trecho;

  • se omitido algum termo do trecho, é necessário indicar os três pontos entre colchetes […];

  • caso seja acrescentado algo ao trecho, é necessário colocar dentro dos colchetes;

  • não deve apresentar a opinião do leitor;

  • se houver erros gramaticais, copiar como está no original e acrescentar (sic).

Exemplo:

Manual de linguística / Mário Eduardo Martelotta, (org.). - 1. ed., 1ª reimpressão. - São Paulo: Contexto, 2008. p. 25-28.

“Os linguistas, portanto, estão interessados no que é dito, e não no que alguns acham que deveria ser dito. Eles descrevem a língua em todos os seus aspectos, mas não prescrevem regras de correção. É um equívoco comum achar que há um padrão absoluto de correção que é dever de linguistas, professores, gramáticos e dicionaristas manter. A noção de correção absoluta e imutável é alheia aos linguistas.” (p. 25)

“Em sua origem, a linguística aplicada tem sua atuação voltada para o ensino de línguas, especialmente de línguas estrangeiras, buscando, para isso, subsídios de teorias referentes à linguagem, sejam elas provenientes da linguística, da filosofia da linguagem ou de qualquer outra área afim.” (p. 27)

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

“A relação linguística aplicada é, pois, simbiótica.” (p. 28)


→ Fichamento bibliográfico: consiste em fazer um comentário crítico sobre o assunto do texto ou obra selecionada, incluindo, claro, os detalhes mais relevantes.

- deve apresentar a indicação completa da fonte: título da obra, edição, local de publicação, editora, ano da publicação, número do volume e de páginas, caso a quantidade seja superior a um(a).

Exemplo:

Ilari, Rodolfo. Introdução à semântica – brincando com a gramática / Rodolfo Ilari. 7. ed. - São Paulo: Contexto, 2007.

O livro apresenta o conteúdo-base para os estudos da Semântica de forma bem-humorada e repleta de exercícios. Ilari procura ampliar o conhecimento em relação às estruturas sintáticas relevantes para significação do português brasileiro. Sabemos que pouco é explorado nas universidades e colégios o estudo dos sentidos. O professor Rodolfo, portanto, mostra aos alunos e colegas de profissão os inúmeros caminhos possíveis com os recursos linguísticos disponíveis em nosso cotidiano. Essa obra, apesar de ser introdutória, não conduz o leitor a uma reflexão ingênua e superficial sobre a língua portuguesa, muito pelo contrário, Ilari faz com que o leitor perceba que a multiplicidade dos significados linguísticos nunca será neutra à subjetividade do falante, logo, o estudo da semântica é, também, estudo e conhecimento sobre a mente humana.


→ Fichamento de resumo: esse tipo de fichamento consiste na exposição das principais ideias do autor. Ele é breve e escrito com as próprias palavras do leitor da obra (em contraste com o fichamento de citação, lembram?)

Exemplo:

Ilari, Rodolfo. Introdução à semântica – brincando com a gramática / Rodolfo Ilari. 7.ed. - São Paulo: Contexto, 2007.

O estudo dos sentidos, a semântica, não acontece como o estudo da gramática: não há exercícios específicos para sala de aula da escola de ensino médio. Esse equívoco faz com que os professores cometam um grave deslize didático: acreditar que não há atividades interessantes para que o ensino da multiplicidade dos significados seja ministrado. A partir disso, Ilari propõe:

a) desfazer essa crença;

b) seleção de 25 temas de semântica;

c) atividades diferenciadas para cada tema.


Perceberam o porquê de o fichamento ser o gênero mais indicado para ser o primeiro passo no processo de produção de um texto? Não importa o tipo de fichamento que você escolherá, qualquer um lhe auxiliará na organização e otimizará o seu tempo de leitura e produção textual.

Assuntos Relacionados