Libido

Libido
Existem diferentes fases na libido

Muitas vezes há dúvidas em relação à libido. Mas o que é a libido? Libido é uma palavra que deriva do latim e significa desejo ou anseio. Seria a manifestação da sexualidade, desejo sexual. Para Freud, considerado o pai da psicanálise, a libido ocorre de diferentes maneiras do nascimento à puberdade. È uma manifestação da vida psíquica que ocorre em fases distintas.

Primeiro, há a fase inicial na qual a libido está direcionada para o próprio corpo, oral e analmente. Na fase oral, o seio materno é o principal desejo, por significar alimento, proteção e prazer. A criança coloca tudo na boca, quer colocar tudo para dentro de si. Na fase anal, o controle dos esfíncteres faz com que a criança teste seus limites e fique feliz ao defecar dependendo da maneira como isso é recebido pela família. Por volta dos 4 ou 5 anos, a libido está baseada no complexo de Édipo. A criança fixa sua atenção no pai, se for menina, ou na mãe, se for menino. Já no período de latência, surge o desejo sexual baseado no outro e há a formação da maturidade.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Para especialistas, existem diferentes tipos de libido, que envolvem: a satisfação do parceiro, o vício por sexo, a dependência do mesmo, o desinteresse das pessoas pelo sexo, dentre outros. Na mulher, é interessante saber que o ciclo menstrual influencia em sua libido, cujo responsável é o hormônio masculino chamado testosterona. Além de ter seus sentimentos alterados, no período fértil feminino a mulher possui desejo sexual elevado para que a procriação seja estimulada.

A libido é um instinto, e isso depende do estado emocional da pessoa, podendo ser maior em algumas pessoas do que em outras e podendo ser alterado, aumentar ou diminuir, dependendo do estado emocional pelo qual a pessoa está passando. O estresse, a depressão, a ansiedade, além da ingestão de medicamentos, diminuem o desejo sexual das pessoas, o que afeta a saúde sexual. Por isso, é importante procurar um médico para fazer uma análise hormonal e um psicólogo para realizar terapia, caso o problema esteja no relacionamento.

Por Giorgia Lay-Ang
Graduada em Biologia
Equipe Mundo Educação

Assuntos Relacionados